Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: Em Stuttgart, os leigos poderão batizar

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Batismo

Josh Applegate | Unsplash CC0

I. Media - publicado em 14/10/22

Um resumo das principais notícias do dia. Confira:

Sexta-feira, 14 de Outubro de 2022

  1. Em Stuttgart, os leigos poderão batizar
  2. O regresso do debate sobre a aposentadoria obrigatória dos papas
  3. A relação entre a China e a Igreja vista através da educação e da inculturação
  4. Sínodo: a Igreja ouve, um evento sem precedentes
  5. Bispos da Nova Zelândia e a questão da diversidade sexual na educação

1Em Stuttgart, os leigos poderão batizar

A partir de 1 de Novembro, por decreto do Bispo Gerhard Fürst, será possível a um leigo batizar na diocese de Rottenburg-Stuttgart. Esta decisão foi tomada após um pedido da população, disse o seu bispo auxiliar, Matthaüs Karrer, que explicou que as famílias de Württemberg tinham pedido para poderem celebrar “batismos individuais, pessoais e familiares”. Disse também que o regulamento estava de acordo com a lei canónica e as resoluções adotadas pelo Caminho Sinodal Alemão. Este último está preocupado com a forma de responder a três grandes desafios para a Igreja na Alemanha, um dos quais é a escassez aguda de padres.

Só os teólogos poderão realizar este sacramento, mas isto poderá ser apenas o começo, uma vez que o representante dos teólogos leigos que trabalham na pastoral tem apelado para que possam realizar a unção dos enfermos e o sacramento do matrimônio. Estão também a considerar a possibilidade de celebrar o sacramento da confirmação. O funeral, que não é um sacramento, tem sido realizado por teólogos leigos durante anos. A diocese de Stuttgart não é a primeira a fazer esta escolha para permitir que os leigos batizem: a diocese de Essen já o permitiu na Primavera passada. Embora o procedimento pareça gerar um amplo apoio, não é unanimemente aceito na Alemanha, com vários teólogos a contestarem a legitimidade de uma pessoa leiga para dispensar um sacramento de uma forma institucional.

Katholisch.de, alemão


2O regresso do debate sobre a aposentadoria obrigatória dos papas

Por ocasião do 60º aniversário do Concílio, o jornal Crux ecoa as vozes que sugerem que o mandato de um papa deve ser limitado. A regra da idade de aposentadoria (renúncia) obrigatória para os bispos, promulgada durante o Concílio Vaticano II (decreto Christus Dominus), foi imposta pela primeira vez em 1966. E um ano após o Concílio, Paulo VI emitiu a sua carta apostólica Ecclesiae Sanctae, ou “[governo] da Santa Igreja”, que fixou a idade da reforma dos bispos católicos em todo o mundo em 75 anos. Quatro anos mais tarde, em 1970, Paulo VI emitiu um decreto semelhante intitulado Ingravescentem Aetatem, ou “Advancement in Age”, aplicando a idade de reforma obrigatória de 75 anos aos cardeais e estabelecendo a regra de que apenas os cardeais com menos de 80 anos de idade podem participar num conclave. Estas regras continuam em vigor até hoje, mas o Papa Francisco fez alguns ajustes: os chefes cardeais de todos os departamentos da Cúria Romana “são obrigados” a apresentar a renúncia quando atingem os 75 anos de idade.

É de notar que não existe idade de reforma obrigatória para os papas, uma vez que estes ocupam o cargo para toda a vida, uma vez eleitos. Questionado sobre a possibilidade de fixar a idade da reforma papal nos 80 anos, quando os cardeais perdem os seus direitos de voto no conclave, numa entrevista de 2015 com Valentina Alazraki, da estação televisiva mexicana Televisa, o Papa Francisco expressou ceticismo. “Poder-se-ia imaginá-lo, mas a ideia de estabelecer um limite de idade não me agrada, porque acredito que o papado tem um elemento de autoridade final. É uma graça especial”, disse ele. Embora a capacidade física e mental de um papa para governar possa ser questionada, só ele pode decidir se deve renunciar ou fixar uma idade de reforma papal obrigatória. Mas não parece que seja o Papa Francisco quem o fará, conclui o jornal norte-americano.

Crux, inglês


3E TAMBÉM NA IMPRENSA INTERNACIONAL…

A relação entre a China e a Igreja vista através da educação e da inculturação

Uma entrevista com o jesuíta You Guo Jiang, professor no Boston College, revela os contornos e a forma do envolvimento chinês com o cristianismo.

La Civiltà cattolica, italiano

Sínodo: a Igreja ouve, um evento sem precedentes

Entre escuta, medos, expectativas e críticas, qual é a posição do Sínodo? “O Sínodo abriu um espaço em que questões litigiosas estão a ser abordadas”, diz o estudioso do Vaticano Christopher Lamb.

The Tablet, inglês

Bispos da Nova Zelândia e a questão da diversidade sexual na educação

Os bispos da Nova Zelândia recomendam que as escolas católicas demonstrem “compaixão”, “respeito” e “sensibilidade” para com os estudantes LGBT.

La Croix Africa, francês

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
EducaçãoleigosResenha de ImprensaSacramentos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia