Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Cardeais italianos perdem um eleitor

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis blesses the faithful

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 21/10/22

Boletim Direto do Vaticano de 21 de outubro de 2022
  1. O Cardeal Ravasi faz 80 anos e deixará de ser eleitor no caso de um conclave
  2. Papa: comida não pode ser tratada como qualquer mercadoria
  3. Confiemos a Nossa Senhora os povos onde reina a guerra, a violência e a miséria, pede Papa

1O Cardeal Ravasi faz 80 anos e deixará de ser eleitor no caso de um conclave

Por Hugues Lefèvre : O cardeal italiano Gianfranco Ravasi celebrou o seu 80º aniversário na terça-feira. Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura de 2007 a 2022 e da Pontifícia Comissão para a Arqueologia Sagrada, o poliglota com uma cultura enciclopédica deixará de ser um eleitor no caso de um conclave.

Após quase 15 anos à frente do Conselho Pontifício para a Cultura, o cardeal italiano deixou um posto que desapareceu com ele no final de Setembro. A nova constituição Praedicate Evangelium, que entrou em vigor em Junho passado, confirmou a fusão deste conselho pontifício com a Congregação para a Educação Católica.

A 26 de Setembro, o Papa Francisco nomeou o Cardeal português José Tolentino de Mendonça para chefiar este novo “super-dicastério”, deixando assim os Cardeais Ravasi e Versaldi – Educação Católica – para se reformarem.

Nascido em 1942 na zona de Milão, Gianfranco Ravasi foi ordenado sacerdote em 1966. Estudou na Pontifícia Universidade Gregoriana e no Pontifício Instituto Bíblico. Em 1989 foi nomeado Prefeito da prestigiosa Pinacoteca Ambrosiana em Milão, uma instituição fundada em 1607.

Em 2007, o Papa Bento XVI nomeou-o para chefiar o Conselho Pontifício para a Cultura, seguindo o Cardeal francês Paul Poupard. Foi então consagrado bispo pelo pontífice alemão. Alguns meses antes, Gianfranco Ravasi tinha sido escolhido por Bento XVI para escrever as meditações que acompanhavam a Via Sacra no Coliseu.

O autor de cerca de 150 livros sobre temas bíblicos e científicos, o Cardeal Ravasi tem estado muito presente nos meios de comunicação social – especialmente em Itália – para promover a cultura e forjar laços com o mundo cultural secular e religioso.

Em 2011, foi-lhe pedido pelo Papa que criasse o Pátio dos Gentios, uma estrutura concebida para reunir crentes e não crentes.

Durante o conclave de 2013, alguns consideraram-no um possível candidato substituto para o favorito italiano Angelo Scola. Segundo o vaticanista Gerard O’Connell, ele recebeu apenas um voto na primeira votação.

Confirmado pelo Papa Francisco em Março de 2014, este estudioso bíblico, que fala uma dúzia de línguas, é um dos prefeitos dos dicastérios que preencheram a lacuna entre os dois pontificados, como o Cardeal argentino Leonardo Sandri, prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais desde 2007.

Cardeais italianos perdem um eleitor

Com a sua saída do colégio eleitoral, o número de cardeais responsáveis pela eleição de um papa no caso de um conclave é agora de 128. Os eleitores italianos são agora 18. O novo Cardeal Giorgio Marengo, missionário na Mongólia há muitos anos e Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar, é classificado pelo Vaticano como sendo da Mongólia, embora seja um cidadão italiano.

Dentro de um ano, cinco outros eleitores italianos terão atingido a idade de 80 anos: Cardinals Bagnasco (14.01.1943), Calcagno (03.02.1943), Sepe (02.06.1943), Versaldi (30.07.1943) e Comastri (17.09.1943).

Se o Papa Francisco não criar novos cardeais no prazo de um ano, o número de italianos admitidos na Capela Sistina para eleger um papa será então 13, ou pouco menos de 11% de um colégio eleitoral que teria apenas de 120 cardeais até ao final de Setembro de 2023 – a menos que um cardeal morra entretanto. Um número historicamente baixo.

No conclave de 2013, 28 italianos participaram na votação (24% dos eleitores). Em 2005, para a eleição de Bento XVI, 20 cardeais italianos eram membros do colégio eleitoral (17%). Na eleição de 1978 do Cardeal Wojtyła, 26 italianos votaram (23%).


2Papa: comida não pode ser tratada como qualquer mercadoria

“Neste tempo de crises interligadas, a mensagem de Cristo, mesmo para os não-crentes, desafia-nos não apenas a dar comida, mas a darmo-nos ao serviço dos outros, reconhecendo e garantindo a centralidade da pessoa humana”. Uma prioridade que “só pode ser salvaguardada se voltarmos a acreditar na fraternidade e solidariedade que deve inspirar as relações entre as pessoas e entre os povos”.

Esse é o coração da mensagem que o Papa Francisco envia ao diretor-geral da FAO, Qu Dongyu, por ocasião do segundo Fórum Mundial da Alimentação (WFF), realizado em Roma, na sede da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, e online, de 17 a 21 de Outubro, sobre o tema “Dietas Saudáveis, Planeta Saudável”.

Aos participantes no Fórum, o Papa lembra que “a comida é fundamental para a vida humana, de fato, participa na sua sacralidade e não pode ser tratada como qualquer outra mercadoria. Os gêneros alimentícios são sinais concretos da bondade do Criador e frutos da terra”.

Francisco recorda os ensinamentos dos seus avós e o respeito que tinham pelo pão: “eles beijavam-no quando o levavam para a mesa e não permitiam que nem uma migalha fosse desperdiçada”. O próprio Cristo, na Eucaristia, sublinha o Pontífice, “tornou-se pão, pão vivo para a vida do mundo”. Respeitar os alimentos “e conceder-lhes o lugar preeminente que têm para a vida humana”, explica o Papa Francisco, só será possível se não nos preocuparmos apenas com “a sua produção, disponibilidade e acesso, bem como com as medidas técnicas do comércio agrícola”, mas tomarmos consciência “de que eles são um dom de Deus do qual somos meros mordomos”.


3Confiemos a Nossa Senhora os povos onde reina a guerra, a violência e a miséria, pede Papa

Num tweet da conta @Pontifex, Francisco pede às pessoas para se juntarem em oração pela Ucrânia e outros países onde tragédias diárias estão a ocorrer, juntamente com o milhão de crianças que participaram este semana do Rosário pela Paz Mundial. A iniciativa da Ajuda à Igreja que Sofre envolve crianças de jardins de infância, paróquias, escolas e famílias dos cinco continentes

Há a Ucrânia martirizada, mas também o Iémen, a Síria, a Líbia, Mianmar, os países de África e do Oriente Médio, e todos aqueles lugares “onde reina a guerra, a violência e a miséria” no centro do pensamento do Papa ao pedir às pessoas que se unam em oração por estas populações juntamente com o milhão de crianças que hoje rezam o terço pela paz mundial. Eis o tweet do Papa:

#RezemosJuntos com as crianças de todos os continentes que hoje rezam o Rosário pela paz no mundo. Confiemos à intercessão de Nossa Senhora o martirizado povo ucraniano e as outras populações onde reinam a guerra, a violência e a miséria. #1millionchildrenpraying

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
CardeaisDireto do VaticanoPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia