Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 07 Dezembro |
Bem-aventurado Janos Scheffler
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Para alcançar a paz, Papa propõe “a arma do diálogo”

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
shutterstock_2130296600.jpg

Shutterstock/Drop of Light

I.Media para Aleteia - publicado em 26/10/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 26 de outubro de 2022

  1. 60 anos depois de João XXIII, o apelo do Papa Francisco à paz
  2. Homossexualidade: Deus não iria “dire-mal” de duas pessoas que se amam, diz o cardeal
  3. O Vaticano une-se ao Comité Olímpico Internacional em apelo a seguir o caminho da paz

160 anos depois de João XXIII, o apelo do Papa Francisco à paz

Por Cyprien Viet – “Deus ouve sempre o grito angustiado dos seus filhos”, assegurou o Papa Francisco durante um encontro ecumênico e inter-religioso no Coliseu na terça-feira 25 de Outubro, no final do encontro internacional organizado pela Comunidade de Sant’Egidio sobre o tema “O grito de paz”. Religiões e culturas em diálogo”. Após um tempo de oração no interior do Coliseu, o Papa deslocou-se para uma plataforma exterior numa cadeira de rodas e falou em frente de cerca de 3.000 pessoas, entre as quais muitos líderes religiosos.

“Este ano, a nossa oração tornou-se um “grito”, porque hoje a paz é seriamente violada, ferida, espezinhada: e isto na Europa, ou seja, no continente que conheceu as tragédias das duas guerras mundiais do século passado, e nós estamos na Terceira”, o Papa Francisco disse, sem mencionar explicitamente a ofensiva russa na Ucrânia.

No “momento particularmente dramático que estamos a atravessar”, o pontífice observou que “a paz está no coração das religiões, das suas Escrituras e na sua mensagem”. O “grito silencioso” das vítimas da guerra clama ao céu, assegurou.

No entanto, “o grito de paz é frequentemente sufocado não só pela retórica da guerra, mas também pela indiferença. É silenciado pelo ódio que cresce em batalha”, advertiu. Não existem “fórmulas mágicas para sair dos conflitos”, reconheceu o Papa, mas apelou aos governos para “ouvirem com seriedade e respeito” a sede de paz das vítimas da guerra.

Lamentou que as lições do século XX não tivessem sido aprendidas, observando que “o uso de armas atômicas, que continuam a ser produzidas e testadas de forma culposa depois de Hiroshima e Nagasaki”, era agora objeto de ameaças concretas. A guerra é “um fracasso da política e da humanidade, uma rendição vergonhosa, uma derrota face às forças do mal”, o Papa Francisco afirmou, citando a sua encíclica Fratelli tutti. “Não nos deixemos contaminar pela lógica perversa da guerra, não caiamos na armadilha do ódio ao inimigo”, insistiu ele.

Pelo contrário, o pontífice convidou-nos a usar “a arma do diálogo”, na tradição de São João XXIII que, em 1962, durante a crise dos mísseis cubanos, recordou que “promover, favorecer, aceitar o diálogo, a todos os níveis e em todos os momentos, é uma regra de sabedoria e prudência que atrai a bênção do céu e da terra”. “Não nos resignemos à guerra, cultivemos as sementes da reconciliação”, perguntou o Papa Francisco.

Testemunhos sobre o sofrimento contemporâneo

Muitas personalidades participaram no encontro, incluindo o Cardeal Matteo Zuppi, Arcebispo de Bolonha e Presidente da Conferência Episcopal Italiana, o Metropolita Anthony, chefe das relações externas do Patriarcado de Moscou, o Rabino Chefe de Roma Riccardo di Segni e a escritora e antiga deportada Edith Bruck, que foi calorosamente recebida pelo Papa Francisco.

Dois jovens oradores apresentaram situações de extremo sofrimento. Uma mulher da Argentina falou da tragédia do tráfico de seres humanos, evocando a “Via Sacra permanente” vivida por aqueles que vivem sob o jugo da “escravatura moderna” em todas as suas formas. Mencionou em particular “laboratórios têxteis clandestinos”, “estúdios de pornografia” ou “mesas operatórias onde os órgãos são removidos”.

Uma mulher nigeriana de 23 anos testemunhou a sua experiência de “ressurreição” graças à Comunidade de Sant’Egidio, que, no âmbito dos corredores humanitários organizados com o governo italiano, conseguiu tirá-la de um campo de detenção onde esteve presa durante seis anos na Líbia, e onde tinha pensado que teria de acabar a sua vida em condições atrozes.

Oração ecumênica pelos países em crise

O Papa tinha anteriormente participado na “oração dos cristãos” organizada no interior do Coliseu. Uma meditação foi conduzida pelo patriarca da Igreja Assíria do Oriente, Mar Awa III.

As intenções de oração abraçaram regiões muito grandes do mundo em crise: Foram mencionados a Ucrânia, Nagorno-Karabakh, Burkina Faso, Camarões Ocidentais, RDC, República Centro Africana, Etiópia, Líbia, Mali, Norte de Moçambique, Nigéria, Casamança, Somália, Sudão, Sudão do Sul, Nicarágua, Colômbia, México, El Salvador, Haiti, Afeganistão, Iraque, Líbano, Península da Coreia, Birmânia, Síria, Iêmen e a Terra Santa.

A cerimónia em frente ao Coliseu terminou com a leitura de um apelo à paz por um refugiado sírio, que todos os participantes foram convidados a assinar.

Tradução do apelo à paz:

“Reunidos em Roma no espírito de Assis, rezámos pela paz, de acordo com diversas tradições, mas de acordo. Agora nós, os representantes das Igrejas cristãs e das religiões do mundo, voltamo-nos para o mundo e para os líderes dos Estados. Falamos por aqueles que sofrem com a guerra, pelos refugiados e pelas famílias de todas as vítimas e dos mortos.

Com firme convicção dizemos: Acabem-se as guerras! Vamos acabar com todos os conflitos. A guerra traz apenas morte e destruição, é uma aventura sem retorno na qual todos perdemos. Cessar armas, declarar imediatamente um cessar-fogo universal. Que haja negociações rápidas, antes que seja demasiado tarde, que possam conduzir a soluções justas para uma paz estável e duradoura. O diálogo deve ser reaberto para eliminar a ameaça das armas nucleares.

Após os horrores e a dor da Segunda Guerra Mundial, as nações conseguiram curar as feridas profundas do conflito e, através do diálogo multilateral, dar à luz as Nações Unidas, fruto de uma aspiração que hoje mais do que nunca é uma necessidade: a paz. Não devemos perder hoje de vista a tragédia da guerra, que gera morte e pobreza.

Estamos numa encruzilhada: ser a geração que deixa morrer o planeta e a humanidade, que acumula e comercializa armas, na ilusão de nos salvarmos dos outros, ou, pelo contrário, ser a geração que cria novas formas de vida em conjunto, que não investe em armas, que suprime a guerra como meio de resolução de conflitos, e que pára a exploração desnatural dos recursos do planeta.

Nós, os crentes, devemos trabalhar pela paz de todas as formas possíveis. É nosso dever ajudar a desarmar os corações e apelar à reconciliação entre os povos. Infelizmente, mesmo entre nós, dividimo-nos por vezes abusando do santo nome de Deus: pedimos perdão, com humildade e vergonha. As religiões são, e devem continuar a ser, um grande recurso para a paz. A paz é sagrada, a guerra nunca pode ser!

A humanidade deve acabar com as guerras ou a guerra acabará com a humanidade. O mundo, a nossa casa comum, é único e pertence não a nós, mas às gerações futuras. Libertemo-lo, portanto, do pesadelo nuclear. Vamos reabrir imediatamente um diálogo sério sobre a não-proliferação nuclear e o desmantelamento de armas nucleares.

Comecemos novamente juntos através do diálogo, que é um remédio eficaz para a reconciliação dos povos. Vamos investir em todas as vias de diálogo. A paz é sempre possível! Nunca mais guerra! Nunca mais um contra o outro!”


2Homossexualidade: Deus não iria “dire-mal” de duas pessoas que se amam, diz o cardeal

Por Anna Kurian – Os homossexuais não são “maçãs estragadas”, diz o Cardeal Jean-Claude Hollerich, Arcebispo do Luxemburgo e relator geral do Sínodo sobre o futuro da Igreja, numa longa entrevista ao L’Osservatore Romano, datada de 24 de Outubro de 2022. Apontando para a “inadequação” de uma abordagem pastoral ultrapassada, convida-nos a “repensar a missão” da Igreja.

Nas páginas do jornal do Vaticano, o Cardeal Hollerich faz uma declaração inequívoca: “O nosso trabalho pastoral fala a uma pessoa que já não existe”. Detém-se longamente na questão do acolhimento dos homossexuais, argumentando que a atitude fechada da Igreja está a afastar os jovens, para os quais “o valor mais elevado é a não discriminação”. Cita uma rapariga de vinte anos que expressou o seu desejo de “deixar a Igreja” porque não quer estar entre aqueles que “julgam” os pares homossexuais.

“O Reino de Deus não é um clube exclusivo”, diz o Presidente da Comissão das Conferências Episcopais da Comunidade Europeia (COMECE) e Vice-Presidente do Conselho das Conferências Episcopais Europeias (CCEE). Este Reino, acrescenta ele, “abre as suas portas a todos, sem discriminação”. “Somos chamados a anunciar a boa nova, não um conjunto de normas ou proibições”, diz o cardeal jesuíta, que nos convida a não reduzir o debate a “sutilezas teológicas” ou “dissertações éticas”.

“Muitos dos nossos irmãos e irmãs dizem-nos que, seja qual for a origem e causa da sua orientação sexual, certamente não a escolheram”, disse o prelado, recordando que os homossexuais são “também frutos da criação”. E nas diferentes fases da criação no Génesis, o Cardeal Hollerich salientou, Deus “viu que era bom”.

Voltando à questão da bênção dos pares homossexuais proposta pelos bispos flamengos belgas, ele acredita que esta questão não é “decisiva”. “Se nos cingirmos à etimologia do “bene-dire”, acha que Deus iria alguma vez “dire-mal” sobre duas pessoas que se amam?” argumenta ele, numa formulação próxima da famosa frase “Quem sou eu para julgar”, pronunciada pelo Papa Francisco em 2013.

Contudo, o relator do sínodo esclarece o seu ponto de vista: “Penso que não há lugar para um casamento sacramental entre pessoas do mesmo sexo, porque não é caracterizado por um fim procriador, mas isso não significa que a sua relação afetiva não tenha qualquer valor”. Sugere discutir “outros aspectos do problema”, partilhando as suas perguntas: “O que determina o crescimento perceptível da orientação homossexual na sociedade? Ou por que a porcentagem de homossexuais em instituições eclesiais é mais elevada do que na sociedade civil”?

“Francisco não é liberal, ele é radical”

Com a abertura da fase continental do sínodo, o prelado diagnostica uma “patologia” na Europa: “Não vemos com clareza a missão da Igreja”. Analisando os resumos da fase local do sínodo, observa que “falamos sempre de estruturas… mas não o suficiente sobre a missão” de anunciar o Evangelho.

Para o Cardeal Hollerich, “não devemos dar mais passos no sentido da ‘liberalidade’, mas empreender o caminho da ‘radicalidade'”. “Na Europa, observa ele, diz-se frequentemente que Francisco é um papa liberal. O Papa Francisco não é liberal: ele é radical. Ele vive a radicalidade do Evangelho”. Do mesmo modo, “no mundo, somos observados e avaliados pela forma como vivemos o Evangelho”.

O cardeal luxemburguês observa também que sobre a relação entre leigos e clero, os debates giram frequentemente em torno do “poder”. Segundo ele, o sínodo alemão foi “muito influenciado por esta questão” mas isto é “profundamente errado”, tanto para aqueles que “desafiam” o poder como para aqueles que “defendem” o poder. “A sinodalidade vai muito além do discurso sobre o poder”, insiste ele.

Mudanças

Hoje, a humanidade enfrenta mudanças “maiores do que a invenção da roda”, observa o Cardeal Hollerich. Contudo, vê uma constante no ser humano: “a angustiada percepção da finitude humana”, mesmo que a civilização do consumo procure “esconder e exorcizar a questão, através do engano do mito da eterna juventude”.

Sobre este pano de fundo, “a nova evangelização de hoje é mostrar a hóstia elevada e dizer ‘quem comer deste pão não morre mais'”, disse o cardeal. “Devemos gritar nas praças: ‘Já não morremos! […]. E se não o gritarmos, limitando-nos a propor uma ética da boa vida, não podemos então lamentar que não haja mais crentes”.

O Cardeal Hollerich diz estar “muito assustado” por uma “concepção funcionalista crescente da vida, segundo a qual, se não funcionar, deita-se fora”. “Assustou-me ver que nos Países Baixos a prática da eutanásia está também a ser alargada aos doentes psicológicos”, diz ele. O mesmo se aplica ao início da vida, acrescenta o prelado, expressando a sua preocupação com o suposto “direito fundamental ao aborto” invocado no Parlamento Europeu.

Finalmente, esboça a Igreja que vê na Europa dentro de vinte anos: “Menor mas também mais viva”. “Em algumas partes do norte da Europa será sobretudo uma Igreja de migrantes”, prevê ele, uma vez que “os nativos ricos são os primeiros a abandonar o navio, como o Evangelho grelha os seus interesses”.


3O Vaticano une-se ao Comité Olímpico Internacional em apelo a seguir o caminho da paz

Por Cyprien Viet – “Estamos convencidos de que só com solidariedade nos nossos corações poderemos enfrentar os muitos desafios que hoje ameaçam a humanidade e o nosso planeta”, diz o chefe do movimento olímpico e três cardeais num texto conjunto. Algumas semanas após o congresso organizado no Vaticano a 29 e 30 de Setembro sobre o tema “desporto para todos”, o Gabinete de Imprensa da Santa Sé publicou um apelo conjunto pela paz a 25 de Outubro de 2022, assinado por vários líderes da Cúria Romana e pelo Presidente do Comité Olímpico Internacional, Thomas Bach.

“O nosso mundo é mais uma vez confrontado com conflitos, agitação e graves desafios”, afirma o apelo, sem mencionar explicitamente a ofensiva russa na Ucrânia ou nomear qualquer país específico. “Os flagelos da guerra, as alterações climáticas e as dificuldades econômicas estão a trazer dor e sofrimento indescritíveis a milhões de pessoas em todo o mundo”, diz o texto.

Usando uma expressão cara ao Papa Francisco, os signatários do texto denunciam uma “guerra mundial em partes” com consequências dramáticas: “Mais de cem milhões de pessoas tiveram de fugir das suas casas, famílias foram separadas, e inúmeras mães, pais, filhos e filhas vivem com medo, impedidos de viver a sua fé, de perseguir os seus sonhos de uma vida melhor, ou mesmo simplesmente de praticar esporte”.

Como a pandemia de Covid-19 “nos recordou como os seres humanos podem ser vulneráveis”, os signatários do texto apelam a um “espírito de solidariedade” e exortam “todos os líderes mundiais a procurar soluções justas e pacíficas para todas as disputas e conflitos”.

“Deus quer paz e unidade para a nossa família humana”. Os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos são um grande símbolo desta unidade porque reúnem indivíduos e povos em competição saudável”, escrevem os autores do texto, apelando a que o esporte seja visto como “um verdadeiro caminho para a paz, baseado na autodisciplina e no empenho no trabalho de equipe na busca da excelência”.

O Papa Francisco não assinou o texto pessoalmente, como é costume evitar envolver o pontífice em petições ou apelos, mesmo por causas justas. Mas para além de Thomas Bach, o presidente do COI, que se encontrou com o Papa a 30 de Setembro, o texto foi assinado por três cardeais. São eles o Cardeal português José Tolentino de Mendonça, Prefeito do novo Dicastério da Cultura e Educação, o Cardeal americano Kevin Farrell, Prefeito do Dicastério para os Leigos, Família e Vida, e o Cardeal canadiano Michael Czerny, Prefeito do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoGuerraPaz
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia