Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 08 Dezembro |
Bem-aventurado Luís Liguda
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

A Escatologia na TL marxista e no nosso livro

shutterstock_1540652960.jpg

Shutterstock

"Yo Soy el que Soy"

Vanderlei de Lima - publicado em 30/10/22

Escatologia vem do grego schatón (último) e logos (discurso); já Novíssimos tem sua origem no latim novissima (últimas)

Alguns cursos com orientação doutrinária da Teologia da Libertação extremada assustam fiéis leigos ao tratarem da Escatologia. Abordemos, de modo sucinto, a questão.

Comecemos por relembrar os termos em foco. Escatologia vem do grego schatón (último) e logos (discurso); já Novíssimos tem sua origem no latim novissima (últimas). Assim, tanto Escatologia quanto Novíssimos querem dizer “estudo das últimas coisas” da nossa vida. Dizem respeito, portanto, a algo que se inicia aqui, mas só se consuma no além ou no Reino de Deus por excelência que não é deste mundo (cf. Jo 18,36), pois não temos aqui morada definitiva (cf. Hb 13,14; São Paulo VI. Credo do Povo de Deus n. 28). De mais a mais, o próprio Senhor Jesus rejeitou o materialismo diabólico (cf. Mt 4,1-11).

Ora, a Teologia da Libertação (TL) extremada ou marxista não se interessa tanto pelo além – o transcendente –, mas foca muito no aquém – no imanente, segundo nota Dom Estêvão Bettencourt, OSB: “As noções de vida póstuma e bem-aventurança celeste, que são essenciais para a mensagem cristã, são ofuscadas no conceito de libertação entendida no sentido temporal e material. […] A história, para Marx, não desemboca na vida transcendental póstuma (celeste), mas numa sociedade sem classes. Ora, a TdL praticamente se confina a este termo meramente terrestre, desdenhando as perspectivas transcendentais da escatologia bíblica” (Teologia da Libertação. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, p. 14-15, opúsculo 32). 

Como se vê, só esta afirmação já aponta a falha grave da Escatologia apresentada pela TL marxista. Todavia, os erros não param aí. Há outros pontos distorcidos pelos adeptos dessa corrente teológica que tanto mal causa à fé. Alguns deles defendem a falsa doutrina monista (corpo e alma não se separam, mas morrem juntos e juntos ressuscitam logo após a morte). Outros teólogos – sabendo que a alma é, por sua natureza espiritual, imortal – ensinam o que poderíamos chamar de transformismo; ou seja, o ser humano passaria, já a partir da morte, por uma transformação: de corpo mortal a ressuscitado. Aí se daria, portanto, o purgatório, a ressurreição da carne e o juízo final. 

Este pensamento é ilógico e destoa da fé católica. É ilógico porque como pode alguém, falecido em 2022, ver irmãos que ainda sequer nasceram e não têm, por conseguinte, matéria para apresentar ao Juiz universal? É oposto à doutrina católica, pois esta ensina que, na morte, há a separação do corpo material e da alma espiritual. Aí, a alma volta para Deus e o corpo para a natureza física: é sepultado ou incinerado. Ocorre, então, o juízo particular. Depois dele, a alma sem o corpo vai para o céu, para o inferno ou para o purgatório e aguarda a ressurreição da carne e o juízo universal no fim dos tempos (cf. Catecismo da Igreja Católica n. 1020-1065; São Paulo VI. Credo do Povo de Deus n. 28-30, e Congregação para a Doutrina da Fé. Recentioris Episcoporum Synodi). 

Para finalizar, três pontos vêm ao caso. 1) Parte da Escatologia da TL marxista é de raiz protestante (cf. Justo Collantes, SJ. La fe de la Iglesia católica: las ideas e los hombres en los documentos doctrinales del Magisterio. 3ª ed. Madri: BAC, 1983, p. 805-806). Ora, em 12/10 último, Dom Orlando Brandes, arcebispo de Aparecida, SP, afirmou, com acerto, que “nós precisamos ter uma identidade religiosa. Ou somos evangélicos ou somos católicos. Nós precisamos ser fiéis a nossa identidade católica” (Estadão on-line). Que isso possa servir de reflexão a esses teólogos. 2) Os teólogos, por mais doutos que sejam, não estão acima das verdades de fé (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 94-95). Caso julguem estar, acabam por criar um magistério paralelo, conforme denunciado na obra O Magistério dos Bispos, on-line, da CNBB. 3) O sensus fidei ou sentido da fé (cf. Lumen Gentium, 12) presente no Povo de Deus o leva a fugir dessas doutrinas errôneas, ainda que nem sempre possa sadiamente corrigi-las, seja por falta de didática, seja porque o sacerdote professor – muito clericalista e nada sinodal – se julga incorrigível. 

Eis, pois, a utilidade do nosso livro Para ser feliz nesta e na outra vida (Cultor de Livros, 2021). Ele trata da Escatologia à luz do Magistério da Igreja e de teólogos católicos sem mesclas de TL extremada ou marxista.

Tags:
BíbliaDoutrinaHistória da Igreja
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia