Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 07 Dezembro |
Bem-aventurado Janos Scheffler
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Pe. Lombardi recorda característica incrível de João Paulo II: “Não vi nada semelhante em mais ninguém”

Jan Paweł II i Federico Lombardi SJ

EAST NEWS/ALBUM; Filippo MONTEFORTE/AFP PHOTO/EAST NEWS

Anna Artymiak - publicado em 31/10/22

"Tinha-se a impressão de que tinha saído da realidade", conta o ex-diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé

Federico Lombardi, padre italiano, jesuíta, foi diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé entre 2006 e 2016. Está atualmente a celebrar 50 anos do seu sacerdócio. A Aleteia conversou com ele.

Anna Artymiak: Quais são as suas primeiras recordações da sua infância e juventude, Padre?

P. Federico Lombardi: Nasci durante a guerra, em 1942. Era muito pequeno e por isso não me lembro da guerra; conheço-a das histórias de outras pessoas. Contudo, para ser honesto, a minha memória mais antiga é a de um combate aéreo. Eu tinha cerca de três anos de idade. A minha irmã mais velha segurava-me nos seus braços. Ao fugirmos, refugiámo-nos num canal onde havia água.

Eu cresci num ambiente que era espontânea e naturalmente católico, tanto em termos da paróquia da minha cidade como mais tarde após a guerra, em Turim. Eu era escoteiro. Esta foi uma experiência muito importante para mim. Tal como a minha escola secundária. Depois da escola primária, fui para uma escola secundária dirigida pelos Jesuítas, e isso desempenhou um papel importante na minha formação.

Como era a sua família, Padre?

Era uma família católica praticante e piedosa. O meu pai era engenheiro. Trabalhava como engenheiro elétrico e estava baseado em Turim, embora a minha família fosse da província de Cuneo. Tive três irmãs mais velhas; eu era o quarto filho. Tive muitas tias e tios. Éramos uma família unida e valorizávamos a vida moral.

Devo admitir que desfrutava de uma juventude pacífica numa família que levava uma vida normal e era um ambiente natural para a fé, incluindo uma fé ativa. Tanto o meu pai como as minhas irmãs estavam envolvidos na vida paroquial e nos escoteiros.

Quando descobriu a sua vocação para o sacerdócio?

Quando eu tinha cerca de 17 anos, no final do liceu, a sensação de ser chamado a dedicar radicalmente a minha vida a Deus tornou-se mais forte e mais pronunciada. Para além de todas as coisas boas que abracei e vi à minha volta, este foi um apelo a uma maior e mais plena devoção da minha vida. Algo que também poderia significar um custo para mim: deixar o ambiente propício onde vivi pacificamente entre muitos amigos e bons membros da minha família. Estava interessado em estudar ciência.

Ao frequentar uma escola jesuíta, foi natural e espontâneo para mim juntar-me aos jesuítas, apesar de também ter conhecido os salesianos, pois eles dirigiam um grupo de escoteiros a que eu pertencia.

Senti uma vocação para uma ordem religiosa e não para o sacerdócio. Não é que eu não quisesse ser padre. Conheci muitos padres maravilhosos. Mas se tenho de dizer o que a minha vocação envolvia, era um apelo a servir completamente a Deus e aos outros, mas era um apelo forte e específico à vida de um religioso homem.

Tinha algum modelo específico?

Para mim, os modelos da vida cristã foram os meus pais, que eu tinha em grande estima. Outros eram os capelães dos escoteiros; eram educadores maravilhosos. Além disso, visitava regularmente os pobres com a escola jesuíta que frequentava. Com os voluntários, cuidávamos muito dos doentes. Acompanhamo-los nas suas peregrinações a Lourdes ou Loreto como empurradores de cadeira de rodas.

A ideia de dedicar a nossa própria força e capacidades ao serviço dos outros foi uma parte vital da minha vida. Foi assim que fomos educados. Acompanhar pessoas em cadeiras de rodas a Lourdes foi uma experiência importante, tanto do ponto de vista do serviço e da proximidade a indivíduos que sofrem, como também da oração no contexto espiritual em que se operava.

Como foi a sua formação?

Entrei no noviciado após a graduação do liceu. Os dois anos do noviciado são dedicados a uma formação espiritual completa, não há estudo. Seguem-se três anos de estudos de Filosofia. Éramos 100 estudantes, uma comunidade interessante e internacional. Conheci colegas da Índia, América do Sul e África. Para mim foi um mundo novo, a minha primeira experiência num contexto internacional. Até então, eu tinha crescido entre italianos exclusivamente. Hoje em dia é diferente. Nessa altura, havia muitas crianças italianas.

Depois dos estudos de Filosofia, fiz um curso de 4 anos em Matemática na Universidade de Turim. Isto era bastante normal para os jesuítas. Se os jovens entrassem sem estudos universitários prévios, no período entre a Filosofia e a Teologia, começavam a estudar disciplinas que poderiam ser úteis para o ensino nas escolas. Muitos de nós ensinaram mais tarde matemática, física, química ou as humanidades nas nossas escolas. Eu mostrei uma aptidão considerável em disciplinas científicas. Foi por isso que fui enviado para estudar matemática. Se tivesse de ser eu a escolher, teria preferido a Física.

Depois disso, fui mandado para a Alemanha, para Frankfurt, durante 4 anos de estudos de Teologia. Era também bastante normal que uma das fases de formação de um jesuíta tivesse lugar no estrangeiro, para que pudesse conhecer não só os jesuítas da sua área linguística ou região, mas ter um quadro mais amplo.

Este período foi muito importante para mim. Para além dos meus estudos, juntamente com vários outros colegas italianos, realizamos tarefas de natureza apostólica entre os emigrantes italianos. Era uma comunidade muito grande. Fui designado para cuidar de compatriotas num dos distritos de Frankfurt. Estive envolvido nisto durante quatro anos. Visitei os jovens, as famílias e preparei a Missa. Este foi um aspecto que foi muito importante para mim.

Eu diria que a minha formação e primeira experiência como padre após a ordenação estava ligada ao ambiente expatriado. Isto influenciou muito o meu sacerdócio, no sentido em que senti a necessidade de falar de uma forma que as pessoas me pudessem compreender. Sem grandes teorias, mas em resposta às necessidades das pessoas que partilhavam os seus problemas comigo. Isto permitiu-me experimentar estudos teológicos não como algo alheio à realidade. Sempre senti uma ligação muito forte com a vida de determinadas pessoas e os seus problemas.

Não pedi para ser enviado para Roma

Fomos ordenados durante os nossos estudos de Teologia, no nosso terceiro ano. Depois, houve um quarto ano, quando concluímos os nossos estudos já como padres. Mais tarde, eu deveria ensinar lógica, filosofia e ciências no nosso instituto filosófico.

No entanto, durante este período, o número de estudantes diminuiu muito, enquanto no conselho editorial da revista Civiltà Cattolica, eles estavam muito interessados em ter um novo jovem autor. Quando estive na Alemanha, escrevi dois artigos sobre os emigrantes e os seus problemas. Os editores gostaram deles e pediram-me para vir aqui a Roma. Eu próprio não o pedi.

Foi assim que entrei no mundo dos meios de comunicação, numa revista dedicada à cultura. Escrevi artigos; a minha seção era sociedade e ciência, problemas científicos no mundo de hoje. Fui editor adjunto da revista; uma parte significativa do meu trabalho foi editorial, ou seja, encontrar artigos, corrigi-los, traduzi-los para outras línguas, composição tipográfica, corrigir o conteúdo. Estava no conselho editorial da revista.

Tivemos um editor-chefe, o ilustre P. Sorge SJ. Era um excelente orador, empenhado nos problemas da Igreja e da sociedade na Itália daquela época. Ele deu muitas conferências e escreveu brilhantemente sobre o ensino social católico. Eu, por outro lado, estive principalmente envolvido na edição da revista. Ele dirigia a revista, enquanto eu tratava da parte prática.

Depois, 11 anos mais tarde, tornei-me Provincial dos Jesuítas. A província era muito grande; viajei muito por toda a Itália e também fiz viagens para visitar missionários no Extremo Oriente, em Madagáscar e no Brasil. Era importante para mim conhecer também um pouco a Igreja no mundo.

Depois veio o Vaticano. Quando o meu mandato de seis anos terminou, fui designado para trabalhar na Rádio Vaticano. Nunca escolhi os cargos que me foram confiados.

Qual foi a sua experiência do ano de dois conclaves, como João Paulo II a descreveu?

Eu estava aqui, na revista Civiltà Cattolica. Vivemos os últimos anos de Paulo VI de forma muito intensa. O P. Sorge mantinha contato com o Vaticano, com o Papa. Estávamos envolvidos na relação com o Vaticano e com a vida da Igreja na Itália e no mundo. Lembro-me da morte de Paulo VI e depois dos dois conclaves. A nossa revista é trimestral, pelo que não acompanhou os acontecimentos como um jornal semanal ou diário.

Lembro-me muito bem de quando Wojtyła foi eleito. Penso que estávamos aqui a ouvir a rádio com o P. Fantuzzi. Imediatamente nessa noite contactei os jesuítas na Polônia para encontrar um jesuíta polaco que rapidamente nos escreveria um artigo apresentando o Arcebispo de Cracóvia. Conhecíamos Wyszyński mas estávamos menos familiarizados com Wojtyła. Eu não o conhecia.

Estava ciente de que ele tinha liderado um retiro para Paulo VI, mas não tinha um conhecimento profundo. Fui referido ao P. Drążek, que tinha trabalhado com Wojtyła como capelão estudantil e conhecia-o muito bem. Ele escreveu um artigo para nós muito rapidamente em francês, porque nessa altura não conhecia italiano. Apresentou o arcebispo de Cracóvia, explicando um pouco a sua agenda pastoral. Mais tarde, conheci mais de perto o Papa da Polônia.

Como é que se lembra de João Paulo II?

Há tantos aspectos. Uma das coisas que me impressionou e impressionou muito os outros era a sua concentração na oração diante do Santíssimo Sacramento, também durante as suas viagens.

Ele entrava na igreja, mergulhava na oração e tinha a impressão de ter saído da realidade e de ter um relacionamento com Deus. Todos estavam concentrados no curso da viagem e tinham pressa em seguir em frente. O P. Dziwisz tocava-lhe o ombro, mas ele nunca tinha pressa; concentrava-se na adoração.

Da perspectiva do seu jubileu de ouro, o que significa para si o seu sacerdócio? Como recorda a sua primeira Santa Missa?

Fui ordenado numa igreja jesuíta. Mais tarde, celebrei as minhas primeiras Missas na minha cidade natal e nos seus arredores em dias consecutivos. A minha primeira missa foi no santuário de Nossa Senhora, venerada pela minha mãe e por todos na região. Depois rezei Missa em todas as capelas onde era possível celebrar a Eucaristia com os idosos, no jardim de infância, com os deficientes… Foi uma semana inteira cheia de entusiasmo espiritual e visitas a todas as dimensões da misericórdia e da vida comunitária da minha cidade. Foi um momento lindo e alegre.

Além disso, os dias após a minha ordenação foram a última vez que toda a nossa família esteve junta; uma das minhas irmãs morreu num acidente de carro três meses mais tarde, quando eu já tinha regressado à Alemanha.

Olhando para trás, 50 anos é muito. Não tenho sido pastor a tempo inteiro como são os pastores ou reitores de santuários. Ainda assim, tenho tido muitas oportunidades de exercer o ministério sacerdotal. Ser simplesmente padre dá-lhe a oportunidade e a capacidade de posicionar diferentes condições e pessoas perante o Senhor Jesus na alegria, no sofrimento, nos momentos chave da sua decisão de construir a sua própria vida em relação com Deus, na perspectiva da fé, esperança e amor para com os outros. Pode-se transformar a dimensão material, a realidade quotidiana da experiência humana, numa experiência de relacionamento com Deus. Isto é extremamente belo.

Reconhece-se o grande dom: o Senhor pode passar por si para tocar as pessoas com quem se caminha e se encontra no seu caminho. Através de ti, Jesus dá vida e esperança a estas pessoas. Mesmo o sacerdócio vivido por um religioso como eu, que tem outras tarefas, é um dom tão grande. Mas é sempre uma forma de bênção, de santificação, da graça de Deus que vem. Na realidade, é apenas um canal pelo qual outros passam.

O artigo foi publicado pela primeira vez na versão em língua polonesa em: https://pl.aleteia.org/2022/10/22/ks-lombardi-przypomina-genialna-ceche-jana-pawla-ii-nie-widzialem-czegos-podobnego-u-nikogo-nasz-wywiad/

Tags:
IgrejaPadres
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia