Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
Bem-aventurado Luís Liguda
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Regime de Vladimir Putin afirma que vai realizar a “dessatanização da Ucrânia”

Praça Vermelha em Moscou

Sergey Bezgodov | Shutterstock

Francisco Vêneto - publicado em 31/10/22

Países podem justificar órgãos que se arrogam autoridade para policiar os pensamentos?

O regime de Vladimir Putin afirmou que pretende realizar a “dessatanização da Ucrânia”, em palavras de Aleksey Pavlov, membro do assim chamado “Conselho de Segurança” do governo. As informações são da agência governamental russa TASS.

Segundo Pavlov, a “dessatanização” é necessária para responder à “proliferação de seitas religiosas” na Ucrânia – e este seria mais um motivo para que as tropas russas deem continuidade à sua “operação militar especial”, eufemismo que o regime de Moscou impôs à mídia e à população russa ao proibir o uso do termo “guerra”. Aliás, quem afirmar que o país está em guerra assume o risco de ser condenado a 15 anos de cadeia.

Cabe registrar que o paranoico regime de Vladimir Putin não é pioneiro na “luta contra as seitas”.

Em 1998, o secularista governo francês criou uma espécie de “tribunal laico” denominado MILS para perseguir objetivo semelhante. Em 2002, esse órgão foi transformado na agência governamental Miviludes, dedicada a combater “desvios sectários” – que, por sua vez, seriam “desvios da liberdade de pensamento”.

O motivo aduzido para a mudança foi a complexidade de se definir o que é uma “seita”, sobretudo num país cujos governos se arrogam a missão iluminista de defender a “liberdade, igualdade e fraternidade” – desde que mais ou menos alinhadas com a sua ideologia. De fato, é no mínimo contraditório pretender policiar os pensamentos dos cidadãos a fim de impedi-los de “desviar-se”.

O mesmo desafio, grosso modo, se apresenta a Aleksey Pavlov na hora de explicar o que seria uma “seita” segundo o policiamento ideológico russo.

Como tentativa, ele afirma que seria um grupo cujos membros têm “opiniões diretamente opostas às das pessoas normais” – o que necessariamente leva a pelos menos duas perguntas capciosas: primeiro, o que viria a ser uma “pessoa normal” para o regime de Vladimir Putin e, segundo, como o regime determinará quais são os pensamentos de uma pessoa a fim de medir se são ou não “diretamente opostos” aos das “pessoas normais”.

Como quer que seja, o afã de policiar as liberdades de pensamento e expressão é típico de regimes propensos a impor “democraticamente” as suas diretrizes do que pode ou não pode ser pensado.

Tags:
IdeologialiberdadePolíticaReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia