Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: a 100ª visita do Papa a Santa Maria Maggiore

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Papa Francisco em Santa Maria Maggiore

Sala Stampa della Santa Sede

I. Media - publicado em 03/11/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 3 de novembro de 2022
  1. Pela 100ª vez no seu pontificado, o Papa Francisco foi rezar em Santa Maria Maggiore
  2. O Papa Francisco adverte que após a morte, “tudo isto desaparecerá”

1Pela 100ª vez no seu pontificado, o Papa Francisco foi rezar em Santa Maria Maggiore

Por Camille Dalmas – Na véspera da sua viagem ao Bahrein, o Papa Francisco visitou a Basílica de Santa Maria Maggiore para rezar diante do ícone da Virgem Salus Populi Romani, o Gabinete de Imprensa da Santa Sé anunciou a 2 de Novembro. Esta foi a sua centésima visita à grande basílica romana, onde está habituado a rezar antes e depois de cada viagem fora da Itália, bem como periodicamente em ocasiões importantes.

Para a ocasião, uma coroa de flores marcada com o número 100 foi colocada no portal da Capela Paolina, onde se encontra o ícone da Virgem “Salvação do povo romano”. O pontífice, que ainda sofre de uma lesão no joelho apesar de algumas melhorias nas últimas semanas, fez o percurso numa cadeira de rodas.

Santa Maria Maggiore, o lugar mais visitado por um Papa

O Papa veio pedir a proteção de Maria na sua próxima viagem ao pequeno reino do Golfo, a 39ª do seu pontificado. Provavelmente regressará à Basílica depois da viagem. No total, mais de três quartos das visitas de Francisco à igreja, que tem vista para o Monte Esquilino, foram como parte de uma viagem.

Santa Maria Maggiore (Santa Maria Maior) é uma das quatro basílicas principais de Roma, juntamente com São Pedro, São Paulo Fora dos Muros e São João de Latrão. Fundada no século IV, é a primeira igreja em Roma dedicada à Virgem Maria.

O Papa também visitou frequentemente esta basílica por ocasião de Corpus Christi, sessenta dias após a Páscoa, e para a festa da Imaculada Conceição, a 8 de Dezembro. Segundo o site do Vaticano Il Sismografo, este grande número de visitas faz dele o lugar mais visitado por um Papa na história.

Primeira visita a 14 de Março de 2013

As outras visitas ocorreram em momentos importantes do pontificado de Francisco, a primeira das quais ocorreu no dia seguinte à sua eleição, a 14 de Março de 2013. A 4 de Maio, veio a tomar posse dela como Bispo de Roma. Em 1 de Janeiro de 2014, regressou por ocasião da Solenidade de Maria, Mãe de Deus. Dois anos mais tarde, a 1 de Janeiro de 2016, foi lá para abrir a Porta Santa, por ocasião do Jubileu da Misericórdia.

Em 28 de Janeiro de 2018, veio testemunhar a trasladação do ícone, uma tradição que tem lugar todos os anos no último domingo de Janeiro. Assistiu à outra grande festa tradicional da Basílica no dia 5 de Agosto de 2020, o dia da dedicação da Basílica a Nossa Senhora.

A visita de 15 de Março de 2020 será lembrada durante muito tempo: no meio da pandemia, numa Roma confinada, veio pedir a intercessão de Nossa Senhora, rezando pelo fim da epidemia. Regressou a 14 de Julho de 2021 para agradecer à Mãe de Deus após a sua cirurgia bem sucedida alguns dias antes. Finalmente, a 31 de Maio de 2022, no contexto da guerra na Ucrânia, veio rezar um terço pela paz.


2O Papa Francisco adverte que após a morte, “tudo isto desaparecerá”

Por Camille Dalmas – “De simples discípulos do Mestre, tornamo-nos mestres da complexidade, que discutem muito e fazem pouco”, o Papa Francisco advertiu durante a sua homilia na Missa de sufrágio para os cardeais e bispos falecidos durante o ano passado, celebrada na Basílica de São Pedro, em Roma, a 2 de Novembro de 2022, a comemoração de finados. Falando sobre o Juízo Final que aguarda cada homem após a sua morte, o Pontífice recordou que “perante o tribunal divino, o único mérito e acusação é a misericórdia para com os pobres e os excluídos”.

A cerimônia foi presidida no altar da Cátedra pelo Cardeal Giovanni Battista Re, decano do Colégio Cardinalício, tendo o Papa permanecido novamente sentado durante toda a celebração. Foi uma cerimônia em homenagem aos 9 cardeais e 148 bispos que morreram desde 2 de Novembro de 2021.

Na sua homilia, o pontífice, falando diante de muitos cardeais e bispos da Cúria, exortou-nos a não “perder de vista o sentido da viagem” que é a vida. Recordou que, no momento da morte, “as melhores carreiras, os maiores sucessos, os títulos e prémios mais prestigiados, a riqueza acumulada e os ganhos terrenos, desaparecerão todos num instante”.

Não “dilua o sabor do Evangelho”

“A morte vem para fazer a verdade sobre a vida e remove todas as circunstâncias atenuantes”, insistiu o Papa Francisco. “Diante do tribunal divino, o único mérito e acusação é a misericórdia para com os pobres e os excluídos”, salientou, recordando que neste mundo, Deus “habita entre os mais insignificantes”.

“A sua medida é um amor que ultrapassa as nossas medidas, e o seu critério de julgamento é a gratuidade”, disse o Pontífice. Insistiu que cada cristão sabe o que tem de fazer: “amar gratuitamente e infinitamente, sem esperar reciprocidade, os que estão na Sua lista de preferências, os que não podem nos dar nada em troca, os que não nos atraem”.

O chefe da Igreja Católica instou a não “diluir o sabor do Evangelho”, criticando duramente aqueles que, “por conveniência ou conforto”, se comprometem sempre a não cuidar dos migrantes, dos pobres ou dos doentes. “Por sermos simples discípulos do Mestre, estamos a tornar-nos mestres da complexidade, que discutem muito e fazem pouco”, lamentou ele.

Aqueles que procuram respostas na internet

Em particular, o pontífice criticou aqueles “que procuram respostas mais em frente do computador do que em frente do Crucifixo, na internet e não aos olhos dos nossos irmãos e irmãs”. Insistiu que são rápidos a debater, mas “nem sequer sabem o nome de uma pessoa pobre”.

Criticando este enfoque sobre “análises refinadas” e “justificativas individuais ou sociais”, Francisco recordou, citando Bento XVI, que “o programa do cristão é um coração que vê”, e insistiu que o tempo de ação para a salvação deve começar “agora”.

O Papa deu o exemplo de um pastor luterano que cuida de crianças na Ucrânia, de quem recebeu uma carta naquela manhã. Este homem “faz o que Deus lhe pede”, descrevendo a sua ação como um “sinal” de que Deus continua “a inspirar os valores do Reino”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Direto do VaticanoMariaPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia