Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 29 Novembro |
Santa Iluminada  Virgem († séc. IV)  
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Por que o Papa Francisco vai ficar quatro dias no Bahrein?

GREECE-VATICAN-RELIGION-POPE-AFP

Photo by ARIS MESSINIS / AFP

Hugues Lefèvre - publicado em 03/11/22

O Papa Francisco partiu nesta quinta-feira 3 de Novembro para o Bahrein, onde permanecerá até 6 de Novembro. Durante esta viagem, participará num fórum inter-religioso com líderes do mundo muçulmano e encontrar-se-á com a pequena comunidade cristã de cerca de 80.000 fiéis neste reino muçulmano. Entenda:

O Papa Francisco dirige-se para o Reino do Bahrein, um pequeno Estado do Golfo Pérsico, na quinta-feira 3 de Novembro para a sua 39ª viagem apostólica ao estrangeiro desde que assumiu a cátedra de Pedro em 2013. Aos 85 anos, o pontífice deverá participar num fórum inter-religioso com líderes do mundo muçulmano e encontrar-se com a pequena comunidade cristã presente neste reino muçulmano, onde vivem mais de 80.000 católicos, principalmente da Ásia.

Três anos após a sua histórica visita aos Emirados Árabes Unidos – nenhum Papa jamais tinha colocado os pés na Península Arábica – o Papa Francisco regressa ao Golfo para honrar o convite do Rei Hamed bin Issa Al Khalifa e para a conclusão do Fórum do Bahrein para o Diálogo sobre o tema: “Oriente e Ocidente para a Coexistência Humana”.

Fórum inter-religioso

Nesta ocasião, voltará a encontrar-se com o Grande Imã de al-Azhar, Ahmed el-Tayeb, com quem assinou em Abu Dhabi, em 2019, o famoso Documento sobre a Irmandade Humana para a Paz Mundial e a Coexistência Comum. Os dois homens conhecem-se bem e cruzam-se regularmente em cimeiras inter-religiosas – a sua última reunião foi em Setembro no Congresso de Líderes Religiosos no Cazaquistão.

“O Papa e o Grande Imã encontraram-se em muitas ocasiões. Isto é consistente com a mensagem que o Papa transmite: a cultura do encontro e da amizade é construída através da fidelidade e do enraizamento. Ambos não estão na lógica das ‘jogadas para a mídia'”, confidenciou o Ir. Emmanuel Pisani, director do Instituto Dominicano de Estudos Orientais, que estará presente no Bahrein.

O diálogo só pode ser aprofundado. Nada pode ser tomado como garantido.

No Fórum do Bahrein, o Papa saudará os membros do Conselho de Sábios Muçulmanos, chefiado por Ahmed el-Tayeb. Fundada em 2014, esta instituição visa promover a paz no seio do Islã e fomentar o diálogo entre líderes muçulmanos de várias correntes. Com o objetivo de serem representativos, os seus 17 membros – incluindo dois xiitas – vêm de 15 países diferentes do Oriente Médio, Sudeste Asiático, Cáucaso e África. Mas nem todas as correntes e escolas do Islã estão representadas – não há líderes iranianos, turcos ou paquistaneses.

Para o irmão Pisani, esta reunião no Bahrein é um seguimento da reunião de Abu Dhabi, que marcou uma fase “decisiva” no diálogo muçulmano-cristão, mas que deve continuar. “O diálogo só pode ser aprofundado. Nada pode ser tomado como garantido”, insistiu ele. Alojado no complexo do Palácio de Al-Sakhir, o Papa Francisco visitará a mesquita do palácio real na sexta-feira à tarde, onde será lida uma passagem do Alcorão e do Livro do Génesis.

À beira do leito da minoria cristã

Em seguida, o chefe da Igreja Católica inaugurará a segunda fase da sua viagem, indo à Catedral de Nossa Senhora da Arábia, onde participará num encontro ecuménico e numa oração pela paz.

É também para alcançar uma periferia do catolicismo que o Papa escolheu ir para o Bahrein. “Há aqui cerca de 80.000 católicos, muitos dos quais são emigrantes da Ásia, especialmente das Filipinas e da Índia”, disse o Bispo Hinder, Administrador Apostólico do Vicariato Apostólico da Arábia do Norte. Existem duas igrejas católicas no reino. A primeira, construída em 1939, foi a primeira igreja a ser construída na Península Arábica, uma região que tinha uma presença cristã antes da chegada do Islã no século VII.

A segunda, Nossa Senhora da Arábia, foi inaugurada no ano passado. Construída em terras cedidas pelo rei, pode acomodar até 2.300 fiéis, tornando-a a segunda maior igreja católica romana do Golfo Pérsico.

Católicos do Bahrein, mas também de outros países da região, como a Arábia Saudita, onde não existem igrejas, vêm orar nesta catedral. “No Golfo, podemos estar felizes por ver dezenas de igrejas, como nos Emirados, mas isto é muito pouco quando sabemos que a Península tem vários milhões de crentes”, analisa Antoine Fleyfel, diretor do Instituto dos Cristãos Orientais. “Na Igreja do Sagrado Coração em Manama, Bahrein, há sextas-feiras com 10 missas e domingos com 8 missas”, relata ele.

A questão dos direitos humanos no Bahrein

Alguns dias após o anúncio oficial da viagem do Papa Francisco ao Bahrein, várias organizações de direitos humanos denunciaram a discriminação religiosa “diária” sofrida pela comunidade xiita neste país. Para estas ONGs, o reino não é um anfitrião credível para a organização de um fórum sobre a coexistência humana, e elas pedem ao Papa que reaja.

Num artigo recente no Le Monde, Husain Abdulla, diretor executivo da ONG “Americans for Democracy & Human Rights in Bahrain”, apontou “um modelo de discriminação estatal” praticado pela dinastia sunita de Al Khalifa, que governa o país desde 1783. Embora 65% dos bahrainis sejam xiitas – de uma população de 1,5 milhão – seriam no entanto “uma minoria alienada em todos os aspectos”.

Questionado por jornalistas durante uma apresentação da viagem a 28 de Outubro, o diretor do Gabinete de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, disse que não sabia se o Papa Francisco iria ou não abordar estas questões durante a sua viagem e recordou que o pensamento do Papa sobre as questões da liberdade religiosa e dos direitos humanos era conhecido.

Tags:
DiálogoMuçulmanosPapa FranciscoViagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia