Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 29 Novembro |
Santa Iluminada  Virgem († séc. IV)  
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Papa vai ao Bahrein como “semeador da paz”

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-speaks-with-Bahrains-King-Hamad-bin-Isa-al-Khalifa-AFP

Photo by Marco BERTORELLO / AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 04/11/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 4 de novembro de 2022

  1. No Bahrein, o Papa Francisco como “semeador da paz” e defensor dos direitos humanos
  2. Especialista em pobreza nomeado membro da Pontifícia Academia de Ciências Sociais

1No Bahrein, o Papa Francisco como “semeador da paz” e defensor dos direitos humanos

Por Hugues Lefèvre – Foi como um “semeador de paz” que o Papa Francisco confiou em vir ao Bahrein, disse o próprio Santo Padre durante o seu primeiro discurso proferido às autoridades do país reunidas no palácio al-Sakhir. Condenando veementemente a guerra no Iémen, um conflito em que os poderes xiitas e sunitas se chocam, o Papa Francisco também apelou ao respeito dos direitos humanos enquanto o reino do Bahrein está sob alerta das ONGs, que acusam o regime sunita de discriminar a população xiita. Referindo-se à crise ambiental, o Papa Francisco também apelou à dignidade dos trabalhadores desta região do mundo onde milhões de estrangeiros estão empregados.

Foi um discurso exigente e denso que o Papa Francisco proferiu no pátio do palácio real de al-Sakhir, um majestoso complexo construído no início do século XX, no meio desta ilha deserta encravada entre a Arábia Saudita e o Qatar. Em frente do Rei Hamed ben Issa Al Khalifa e das outras autoridades do país, membros da sociedade civil e do corpo diplomático, o pontífice de 85 anos começou por saudar o “mosaico original” que o pequeno Estado do Golfo forma. Uma terra onde “arranha-céus imponentes tocam os ombros com mercados orientais tradicionais”, observou, aludindo também à “Árvore da Vida”, a árvore de acácia centenária que se tornou o emblema do país.

O segredo da sua longevidade vem das “suas raízes” que se estendem por várias dezenas de metros, disse o Papa, indicando que o Bahrein sempre foi um lugar de encontro entre os povos. “Esta é a água vital da qual as raízes do Bahrein ainda hoje saem”, disse, elogiando a diversidade étnica e religiosa do país do Golfo, cuja metade da população vem do estrangeiro.

Mas ao instar os bahrainis a cultivar o “espírito de aldeia”, o chefe da Igreja Católica também fez questão de relembrar formalmente os princípios contidos na Constituição do reino.

“Não deve haver discriminação alguma com base no sexo, na proveniência, na língua, na religião ou no credo”, citou, explicando que os compromissos desta Constituição “hão de traduzir-se constantemente na prática, para que a liberdade religiosa se torne plena, não se limitando à liberdade de culto; para que igual dignidade e paridade de oportunidades sejam reconhecidas concretamente a todo o grupo e a toda a pessoa; para que não haja discriminações e os direitos humanos fundamentais não sejam violados, mas promovidos”.

Estas palavras fortes podem ser interpretadas como uma resposta aos numerosos alertas emitidos pelas ONGs antes da visita papal sobre a discriminação pelo regime sunita contra a comunidade xiita, que se encontra em maioria no Bahrein. Há alguns dias, a Anistia Internacional denunciou a detenção de prisioneiros políticos xiitas, bem como “uma repressão sistemática da liberdade de expressão”. A ONG pediu ao Papa para “dar destaque às violações dos direitos humanos neste país”.

Iémen “martirizado”

Outro ponto alto do discurso do Papa foi a sua condenação direta da guerra no Iémen, um conflito que se arrasta desde 2014 e perante o qual o Bahrein coloca-se como aliado da Arábia Saudita. “Dirijo um pensamento especial e sincero ao Iémen, martirizado por uma guerra esquecida que, como qualquer guerra, não conduz a nenhuma vitória, mas apenas a derrotas amargas para todos”, o papa afirmou, levando nas suas orações civis, crianças, idosos e doentes.

Na primeira viagem do Papa ao Golfo Pérsico, quando visitou os Emirados Árabes Unidos em Fevereiro de 2019 para assinar o Documento sobre a Irmandade Humana com o Grande Imã de al-Azhar, Ahmed al-Tayyeb, o pontífice já tinha mencionado o Iémen no seu discurso. Ele citou-o, juntamente com a Líbia, Iraque e Síria, como um exemplo dos efeitos nocivos da aprovação dos conflitos pelas autoridades religiosas.

Questionado no avião de regresso dos Emirados Árabes Unidos por um jornalista, o Papa disse ter sentido do lado dos Emirados “boa vontade para lançar processos de paz” em relação ao Iémen. No entanto, nenhum processo de paz foi iniciado desde então.

Na sequência das suas numerosas intervenções sobre a guerra na Ucrânia ou na sua encíclica Fratelli tutti, o Papa propôs novamente “transformar as despesas militares maciças em investimentos para lutar contra a fome, a falta de cuidados, de saúde e de educação”.

O ambiente e o destino dos trabalhadores

Neste reino que fez a sua fortuna com a exploração dos seus enormes recursos de hidrocarbonetos, Francisco não omitiu a menção ao ambiente. O autor da encíclica “Laudato si” entristeceu-se com os ecossistemas “devastados” e os mares “poluídos” causados pela “ganância insaciável do homem”.

Referindo-se à próxima COP 27, que começa a 6 de Novembro no Egito, o Papa exortou todos a não se cansarem de “trabalhar nesta emergência dramática”, fazendo “escolhas concretas e clarividentes […] antes que seja tarde demais”.

Lamentou também “a urgência da crise mundial do trabalho”, apontando o flagelo do desemprego mas também o do trabalho que “escraviza”. “Em ambos os casos, já não é o homem que […] está no centro, está reduzido a um meio de produzir dinheiro”, condenou, enquanto milhões de trabalhadores precários, principalmente da Ásia, estão agora empregados na Península Arábica.

O Papa apelou então por “condições de trabalho seguras e dignas” capazes de promover “a vida cultural e espiritual”. Felicitou o Bahrain por ter sido o primeiro estado do Golfo a abrir uma escola para raparigas e a abolir a escravidão (em 1937). Encorajou o reino a ser um “farol” para a promoção dos direitos e condições justas e melhores para os trabalhadores de “toda a região”.


2Especialista em pobreza nomeado membro da Pontifícia Academia de Ciências Sociais

Por Cyprien Viet – A acadêmica britânica Sabine Alkire, 53 anos, foi nomeada membro da Pontifícia Academia de Ciências Sociais pelo Papa Francisco. A diretora de um centro de pesquisa em Oxford é conhecida por ter desenvolvido o método Alkire-Foster, um índice para avaliar a pobreza.

Nascida em 1969 em Göttingen, Alemanha, Sabine Alkire é uma especialista no pensamento da economista e filósofa indiana Amartya Sen, a quem dedicou a sua tese de doutorado, defendida em 1999 na Universidade de Oxford, Reino Unido. É também licenciada em sociologia e teologia, com especialização em islamismo. Atualmente ensina estudos sobre pobreza e desenvolvimento humano na Universidade de Oxford, onde dirige a Oxford Poverty and Human Development Initiative (OPHI), uma instituição fundada em 2007.

O método Alkire-Foster

Juntamente com o economista James Foster, desenvolveu um instrumento de avaliação da pobreza chamado método Alkire-Foster, que é utilizado para construir um índice multidimensional de pobreza para identificar os níveis de privação sofridos pelas pessoas pobres e assim ajudar os políticos a estabelecer estratégias mais direcionadas.

Considerada uma das maiores especialistas mundiais em análise política anti-pobreza, Sabine Alkire tem colaborado com muitas universidades americanas, incluindo a Universidade de Notre Dame em Indiana, considerada a universidade católica mais prestigiada do país.

A Academia Pontifícia das Ciências Sociais, criada por João Paulo II a 1 de Janeiro de 1994, atua como um grupo de reflexão para enriquecer o ensinamento do Papa sobre a doutrina social da Igreja nos campos da sociologia, economia, direito e ciência política. Conta atualmente com cerca de quarenta membros, incluindo o antigo primeiro-ministro italiano Mario Draghi, o economista americano Joseph Stiglitz e o geógrafo francês Gérard-François Dumont.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DiálogoDireto do VaticanoMuçulmanosPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia