Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Os santos que viram almas do purgatório pedindo ajuda

PURGATÓRIO

Renata Sedmakova | Shutterstock

Anne Bernet - publicado em 04/11/22

Durante todo o mês de Novembro, dedicado às almas do Purgatório, a Igreja reza pelas almas sofredoras que esperam a alegria do Céu. Muitos santos têm visto almas atormentadas pelos seus pecados pedindo-lhes, do Purgatório, que rezem por eles

Quando seminaristas, Dom Bosco e o seu melhor amigo, Luigi Romollo, prometem um ao outro que o primeiro dos dois a morrer voltará para informar o outro do seu destino eterno. Este juramento solene foi um tanto infantil, pois ambos sabiam que a Igreja condena as tentativas de comunicação com os mortos, mas era motivado pelo desejo de aliviar o possível sofrimento expiatório do seu ente querido. Na primeira metade do século XIX, as mortes prematuras não eram excepcionais; a morte era onipresente e, nos círculos católicos, o pensamento do fim da vida era constante.

A missa de Dom Bosco

O primeiro a morrer foi Luigi, em 1839, poucos meses antes da sua ordenação. A dor de Dom Bosco era imensa, mas ele não tinha esquecido o juramento trocado com o falecido. Na noite após a morte de Romollo, enquanto os seminaristas dormiam, ouviu-se uma voz alta através do dormitório, acordando todos; que gritou: “Bosco! Bosco! Estou salvo!” Todos reconheceram a voz do seu camarada falecido e sentiram um medo salutar, incluindo Dom Bosco.

Os dois homens prometeram um ao outro que, assim que fossem informados da morte do amigo, o sobrevivente celebraria uma missa para o repouso da sua alma.

Dom Bosco cedo compreendeu que não era necessário pedir notícias para as receber, quer na forma de um sonho, quer na noite em que o pequeno Domingos Sávio apareceu-lhe num esplêndido jardim e lhe explicou a necessidade de passar por este tipo de imagem para dar aos vivos uma ideia do esplendor da eternidade abençoada, ou através da comunicação verbal. Depois de se tornar padre, um dos colegas padres de Dom Bosco morre subitamente.

Os dois homens prometeram um ao outro que, assim que fossem informados da morte do seu amigo, o sobrevivente celebraria uma missa para o repouso da sua alma. No dia da sua morte, Dom Bosco já tinha celebrado a sua própria missa e assim adiou a celebração para o dia seguinte. No entanto, durante a noite, o falecido aparece-lhe, prostrado, em lágrimas, com dores terríveis, e censura-o amargamente por ter esquecido a sua promessa, uma vez que o abandonou “durante tanto tempo” nos tormentos do Purgatório.

Quando Dom Bosco responde que está a fazer o seu melhor, mas que não passaram doze horas desde que o seu visitante expirou, este último parece atordoado. Um pequeno detalhe que tendemos a esquecer: na eternidade, não há mais tempo e uma hora no Purgatório é provável que pareça dez anos do nosso lado da realidade… Escusado será dizer que, ao amanhecer, Dom Bosco celebra a missa prometida, com o fervor do santo que ele é, e a dedica ao seu amigo.

Uma missão expiatória: aliviar as almas em sofrimento

De facto, este tipo de aparições de almas sofredoras, que Deus permite para nos recordar a realidade do mundo invisível, da eternidade feliz ou infeliz, também nos permite levar alívio àqueles que “definham no Purgatório”, como canta um hino latino dos falecidos. É altamente improvável que os nossos mortos voltem para nós desta forma para pedir a nossa ajuda, mesmo que seja um dever rezar por eles e oferecer missas para apressar a sua entrada no Céu, uma ajuda que eles nos devolverão cem vezes e que, além disso, tornará possível suavizar e encurtar o nosso próprio purgatório. Mas não é menos verdade que, na história da Igreja, as almas em sofrimento manifestaram-se a santos e místicos capazes de assumir livremente, por amor a Cristo e aos seus irmãos e irmãs, uma missão expiatória extremamente dolorosa.

A fim de abrir as portas do Céu ao seu irmão mais novo, um pagão, que morreu aos sete anos de idade de câncer, Santa Perpétua, em 204, tendo tido uma visão da criança a morrer de sede, tristeza e angústia na escuridão, oferece-lhe os múltiplos caminhos sofridos nas masmorras sufocantes da prisão de Cartago, na expectativa do seu martírio.

Margarida Maria e Padre Pio

Margarida Maria Alacoque teve uma experiência mais aterradora quando um religioso devorado pelas chamas lhe apareceu e lhe implorou, a fim de a resgatar de um dos andares mais baixos do Purgatório, que assumisse todos ou parte dos seus tormentos. Depois de pedir permissão à sua superiora, a freira aceitou. Durante três meses, que diria terem sido os piores da sua vida, quando já estava habituada à penitência e ao sofrimento, físico, moral e espiritual, Margarida Maria rezou, ofereceu e expiou por este beneditino que não tinha sido fiel aos seus votos e às exigências do seu sacerdócio.

Após três meses assustadores, durante os quais ele a seguiu passo a passo, ela teve o alívio de o ver arrancado da sua prisão de fogo, a correr, resplandecente, em direção ao Paraíso que o mensageiro do Sagrado Coração lhe tinha finalmente aberto. O Padre Pio também ofereceu e sofreu para entregar almas presas no Purgatório.

Mas fique tranquilo! Não é necessário ir a estes extremos, que estão para além do nosso entendimento, para aliviar os mortos. Durante este mês de Novembro, e o resto do ano também, basta-nos levar nas nossas orações aqueles que amamos e por quem ainda podemos fazer muito, e aqueles milhões de estranhos que iremos encontrar, agradecidos, um dia, por quem nunca ninguém implora a misericórdia divina.

Tags:
MortePurgatórioSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia