Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 29 Novembro |
Santa Iluminada  Virgem († séc. IV)  
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Sudão do Sul: “As crianças queixam-se da fome”, diz irmã portuguesa

ACN-20200929-105163-1.jpg

Aid to the Church in Need

John Joseph Gazi, catéchiste, priant avec des enfants du camp de réfugié de Bidi Bidi (Ouganda).

Reportagem local - publicado em 06/11/22 - atualizado em 03/11/22

A violência entre grupos armados e a fome das populações são dois dos problemas mais graves. Entenda:

O anúncio de que o Santo Padre está a ponderar uma visita ao Sudão do Sul, já em fevereiro do próximo ano, foi recebido pela comunidade católica local “com muita alegria”, como testemunhou a Irmã Beta Almendra, em missão em Wau, a segunda cidade mais populosa deste país africano.

Uma alegria que se compreende depois de a visita agendada para os primeiros dias de julho deste ano ter sido adiada por motivos de saúde e por o país continuar a precisar muito de atenção por parte da comunidade internacional.

A violência entre grupos armados e a fome das populações são dois dos problemas mais graves do Sudão do Sul. Calcula-se que cerca de um terço da sua população encontra-se numa situação de insegurança alimentar severa. Isto significa que há cerca de 7 milhões de pessoas que passam fome neste país.

Problemas

A epidemia do Coronavírus, primeiro, e depois a guerra na Ucrânia, vieram complicar ainda mais esta situação. Diz Beta Almendra, em declarações à Fundação AIS, que “a falta de apoios é enorme”, e isso começa a fazer-se sentir no terreno. “Há organizações não governamentais que se estão a retirar”, diz a religiosa, dando como explicação a conjuntura internacional.

“Há outros países com outras prioridades, mas nós, aqui, no Sudão do Sul, ainda não estamos estáveis, não conseguimos caminhar sozinhos.” A fome é uma realidade incontornável: “É difícil para esta gente ter um prato por dia para comer. É mesmo isto: ter um prato por dia para comer”, descreve a irmã comboniana.

A religiosa portuguesa, de 52 anos de idade, natural da Ericeira, no Patriarcado de Lisboa, está ligada a projectos educacionais em Wau e fala de uma população muito pobre, que tem “uma vida muito dura”. E dá como exemplo o que se passa nas escolas onde colabora. “Quantos e quantos se queixam de fome, que não têm nada para comer, que vão para casa e não comem…”

Fome

A falta de apoios está a reflectir-se nesta situação. “Numa das escolas em que estou, em que lecciono, dava-se comida uma vez por dia, e era, para muitos dos alunos, a única vez em que comiam feijão ou arroz, [coisas] muito simples, mas a escola teve de cortar [com essas refeições] porque os apoios externos não chegam e não há dinheiro para comprar a comida para os alunos.” Como resultado imediato, diz a Irmã Beta Almendra, há mais casos de “doenças e o os resultados [escolares] são mais baixos.” “É uma consequência realmente muito concreta…”

A fome é uma das principais consequências da turbulência política em que o mais novo país do mundo tem vivido. Depois da independência, celebrada em 2011, praticamente caiu-se na guerra civil entre partidários de Salva Kiir e Riek Machar, respectivamente o presidente e o ex-vice-presidente do país, e que representam também as duas principais etnias: Kiir pertence à comunidade Dinka, e Machar é um Nuer. Esta guerra, que se precipitou a partir de 2013, já terá provocado cerca de 400 mil mortos e mais de dois milhões de deslocados.

Guerra

Neste momento, em Wau, diz a irmã comboniana, não há guerra. “Vivo uma situação realmente tranquila, de paz. Não ouvimos falar de tiros, não ouvimos falar de guerras, não ouvimos falar de conflitos… Mas fora daqui, sim, fora de Wau, fora desta zona, sim.”

O anúncio de que o Papa está a ponderar mesmo fazer a viagem ao Sudão do Sul já em fevereiro aconteceu recentemente, a 15 de setembro, durante o regresso do Cazaquistão. Falando aos jornalistas a bordo do avião que o conduzia a Itália, o Santo Padre confidenciou estar a planear de novo um périplo africano que o levará não só ao Sudão do Sul como, caso seja possível – e o joelho o permitir – também à República Democrática do Congo, viagens que deveria ter realizado em julho deste ano. Para a visita ao Sudão do Sul o Papa já conversou até com o Arcebispo de Cantebury, Justin Welby, que o deverá acompanhar.

(Com AIS)

Tags:
ÁfricaGuerraPobreza
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia