Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Santa Sé e Omã a estabelecer relações diplomáticas

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-at-Bahrain-National-Stadium-in-Riffa-near-the-capital-Manama-AFP

Photo by VATICAN MEDIA / AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 07/11/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 7 de novembro de 2022

  1. A Santa Sé e Omã a estabelecer relações diplomáticas
  2. Bahrein: “A unidade do mundo muçulmano será útil para a unidade do mundo”, diz o presidente de Sant’Egidio
  3. Ucrânia: Cardeal Parolin nota uma inflexão positiva do lado de Moscou

1A Santa Sé e Omã a estabelecer relações diplomáticas

Por Camille Dalmas – Sayyid Badr Hamad Al Busaidi, Ministro do Exterior do Sultanato de Omã, e o Arcebispo Paul Richard Gallagher, Secretário para as Relações com os Estados da Secretaria de Estado, “concordaram em estabelecer relações diplomáticas” entre os seus dois países durante uma conversa telefônica – o Times of Oman, um órgão de comunicação social estatal de Omã, noticiou a 4 de Novembro. Durante a conversa, os dois representantes prometeram “promover uma cooperação construtiva e interesses mútuos para o bem-estar e harmonia entre as nações”. A Santa Sé confirmou a notícia, explicando que a chamada teve lugar a 3 de Novembro.

A Santa Sé e Omã tinham-se aproximado em Setembro de 2017 durante a libertação do Padre Tom Uzhunnalil, um salesiano indiano raptado em Março de 2016 no Iémen. A operação foi possível graças à ajuda prestada pelo Sultanato de Omã e foi acolhida pela Santa Sé, que, juntamente com o governo indiano, tentava há 18 meses libertar o padre, que tinha sido raptado durante um ataque assassino em Aden numa clínica dirigida por freiras Missionáriss da Caridade.

Ao estabelecer relações diplomáticas com Omã, a Santa Sé terá agora relações diplomáticas com 184 Estados. A Arábia Saudita será o único país sem laços diplomáticos oficiais com o Vaticano na Península Arábica.

Os países que atualmente não têm relações diplomáticas com a Santa Sé são – para além da Arábia Saudita e Omã – o Butão, Brunei, China, Comores, Coreia do Norte, Laos, Maldivas, Somália, Tuvalu e Vietnã. No Brunei, Comores, Laos e Somália, no entanto, a Santa Sé tem delegados apostólicos, e no Vietnã, um “representante papal”.

Outra pequena comunidade católica no Golfo

De acordo com as estatísticas da CIA em 2020, quase 86% da população Omani é muçulmana, sendo 45% membros do ramo Ibadita do Islã – presente quase exclusivamente neste reino – e mais de 35% sunitas e 5% xiitas.

Um pouco mais de 6% da população é cristã, 70% da qual é constituída por uma pequena comunidade católica, presente desde a chegada dos portugueses, que conta atualmente com 138.000 pessoas. As comunidades cristãs também já viviam nesta região antes da chegada do Islã. Tal como noutros países do Golfo Pérsico, a população cristã é hoje constituída principalmente por expatriados da Índia e das Filipinas.

Dentro da Igreja Católica, o Sultanato de Omã depende do Vicariato Apostólico da Arábia do Sul, tal como o Iémen e os Emirados Árabes Unidos. O atual vigário é o Bispo Capuchinho italiano Paolo Martinelli, nomeado a 1 de Maio pelo Papa Francisco.

O Sultanato também tem uma pequena comunidade evangélica (1%), bem como uma grande comunidade hindu (5%), e uma comunidade budista (1%).


2Bahrein: “A unidade do mundo muçulmano será útil para a unidade do mundo”, diz o presidente de Sant’Egidio

Por Hugues Lefèvre – “A unidade do mundo muçulmano será útil para a unidade do mundo”, considera Marco Impagliazzo, presidente da comunidade de Sant’Egidio, uma associação católica empenhada no diálogo inter-religioso e na promoção da paz, no dia 4 de Novembro. Presente no Bahrein por ocasião dos encontros inter-religiosos que constituem o núcleo da viagem do Papa Francisco, o historiador italiano insiste no papel que os líderes religiosos devem desempenhar para “encontrar outras formas de alcançar a paz”.

Há apenas alguns dias, o senhor organizou um grande evento inter-religioso em Roma, na qual participou o Presidente francês Emmanuel Macron. O que está a acontecer aqui no Bahrein é uma encarnação concreta do que foi dito em Sant’Egidio?

Em parte, sim, mesmo que a reunião de Sant’Egidio tenha sido realizada a nível global. Aqui, é mais uma questão de um encontro entre o Ocidente e o Oriente, e mais precisamente entre o Ocidente e o Islã. Talvez a mensagem aqui seja mais restrita, no que nos preocupava falar do mundo inteiro, com delegações vindas de todo o lado, por exemplo dos movimentos populares na América Latina.

No seu discurso final no Fórum do Bahrein, o Papa disse que um homem religioso não deveria “apoiar alianças contra ninguém”. Não foi isso que Emmanuel Macron perguntou aos líderes religiosos em 23 de Outubro em Roma, quando os encorajou a encontrar caminhos paralelos à diplomacia tradicional?

Sim, penso que existe uma necessidade de todos os caminhos para a paz. O Presidente Macron usou uma imagem: a paz é “impura”. Ele tem razão, porque para encontrar a paz, é preciso envolver-se nas situações mais difíceis, como a guerra. Penso que dia após dia vemos a grande responsabilidade de homens e mulheres de religião em encontrar outras formas de alcançar a paz e de viver juntos, formas que os políticos e os Estados não encontraram.

Como encara o Conselho dos Sábios Muçulmanos e as palavras do Grande Imã Ahmed al-Tayyeb, que no Fórum se dirigiu aos xiitas?

Há anos que sigo o progresso do Conselho dos Sábios Muçulmanos. O Grande Imã al-Tayyeb e nós, Sant’Egidio, começámos este percurso juntos em Florença em 2015. Considero que o discurso do Grande Imã é sempre mais “avançado” sobre a questão da cidadania, sobre a questão das mulheres e também sobre outras questões. Penso que o diálogo que ele iniciou abrirá outros caminhos entre sunitas e xiitas. Há uma grande necessidade no mundo muçulmano, porque muitos países estão divididos. E não só o Iraque, não só o Líbano, não só o Bahrein, mas há muitas divisões em todo o mundo muçulmano. E a unidade do mundo muçulmano será útil para a unidade do mundo.

A multiplicação deste tipo de reuniões pode ter efeitos sobre as comunidades de base?

Sim, penso que quanto mais dialogamos, mais damos a imagem de uma nova sociedade que deixa para trás o “choque de civilizações”. O Grande Imã falou sobre conhecer-se, sobre como se encontrar. Estas reuniões são imagens importantes para dar aos fiéis de diferentes religiões a ideia de que é possível viver e caminhar juntos.


3Ucrânia: Cardeal Parolin nota uma inflexão positiva do lado de Moscou

Por Hugues Lefèvre – Entrevistado por jornalistas por ocasião do Fórum do Bahrein onde acompanha o Papa Francisco, o Secretário de Estado Pietro Parolin disse ter visto “pequenos sinais” de uma mudança positiva em Moscou. Em particular, congratulou-se com a decisão de Vladimir Putin de retomar o acordo sobre a exportação de cereais ucranianos.

O Secretário de Estado explicou também que o Papa tinha pedido ao Presidente ucraniano Volodymir Zelensky para estar “aberto a propostas sérias de paz, pois de outra forma não haverá saída”.

O pontífice, assegurou o cardeal italiano, continua “muito preocupado com a situação” na Ucrânia. “Cada vez que teve de falar, voltou sempre para expressar não só o seu apelo ao fim da guerra e à abertura de negociações de paz, mas também a sua preocupação pessoal…” insistiu ele.

O último contato entre Moscou e a Santa Sé foi a 23 de Setembro, quando o Cardeal Parolin se encontrou com o Ministro do Exterior, Sergei Lavrov. O Secretário de Estado explicou que tinha manifestado a preocupação do Papa ao russo e assegurou-lhe “a vontade da Santa Sé de ajudar de todas as formas possíveis”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DiálogoDireto do VaticanoPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia