Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 20 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Fim da vida: acompanhando a dimensão espiritual do paciente

PALLIATIVE

Shutterstock | Photographee.eu

Elisabeth De Courrèges - publicado em 08/11/22

Elisabeth de Courrèges, uma terapeuta ocupacional, discute a delicada questão do apoio espiritual às pessoas no fim da vida

A fé pode mover montanhas? Sim, e também pode mover corações os dos pacientes.

Conduzida energicamente por duas freiras de hábitos azuis e brancos, a grande cama sobre rodas, com o seu paciente sorridente e os seus imaculados lençóis brancos, faz o seu caminho pelo hospital.

Desde o início do meu estágio numa unidade de cuidados paliativos em Lille, este alvoroço não é nada de especial. É até bastante habitual nesta unidade de cuidados paliativos ligada a uma comunidade religiosa. Embora os cuidados sejam prestados por profissionais de uma variedade de disciplinas, as irmãs, discreta e simplesmente, participam de tudo. Eles encontram os doentes, apresentam-se, falam sobre a vida, sobre a fé, ouvem, rezam.

O que têm as freiras a ver com os cuidados com os doentes ou com o fim da vida? O que significam estas idas e vindas para a capela num cronograma já completo de cuidados e tratamentos? Qual é o interesse de externalizar uma dimensão espiritual tão íntima e interior da vida?

O próprio princípio e essência dos cuidados paliativos: o acompanhamento da pessoa em todas as suas dimensões.

Não há aqui qualquer proselitismo ou oportunismo. É simplesmente uma recordação do que, desde a sua criação, tem sido o princípio e a essência dos cuidados paliativos: o acompanhamento da pessoa em todas as suas dimensões.

Ao mesmo tempo que cuidamos de um corpo, uma psique e das relações, acompanhamos um indivíduo com uma vida interior à qual deve ser dada a mesma atenção. Só então poderemos identificar com um pouco mais de precisão o mistério da pessoa que estamos a acompanhar.

Naturalmente, existe a arte e a forma de fazer isso: em primeiro lugar, ser o interlocutor designado, seja oficialmente (religioso, voluntário, capelão) ou não, quando o paciente aborda o assunto à sua frente de forma bastante consciente. Deve-se então estar preparado. Sem impor nada. Apenas ouvir suas perguntas, reflexões, revoltas e levá-las profundamente em consideração.

Espiritualidade, uma dimensão essencial da vida humana

A vida humana é expressa através de um estado de saúde, um lugar na sociedade… mas também através da espiritualidade. Seria errado negá-la, enterrá-la ou rejeitá-la. Pois a espiritualidade influencia o corpo, as relações e a psique. “Um grito de angústia espiritual é um grito que nos lembra o quanto a pessoa ainda está viva”, disse-me uma vez um voluntário numa unidade de cuidados paliativos.

Agora formada e trabalhando como voluntária na Armênia, descobri que aqui o assunto não é tabu: na equipe em que me juntei, preocupamo-nos e rezamos. Cada um à sua maneira, com uma religião, uma fé ou apenas uma vida interior. Desta forma, permitimos que os doentes expressem também a sua vida espiritual.

Aqui, uma unidade médica para crianças abandonadas, no dia 2 de Novembro, Dia de Finados, as religiosas foram rezar no túmulo de cada um dos seus pequenos protegidos. Nesse dia lembrei-me das palavras de Jesus, expressas num grito no fim da Sua vida, quando Ele entregou o Seu corpo, Alma e Espírito unidos: “Está consumado”.

Tags:
DoençaIdososMorteSentido da vida
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia