Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como podemos ajudar os nossos filhos a permanecerem inocentes

Happy laughing child girl on swing in sunset summer

Yuganov Konstantin / Shutterstock

Michael Rennier - publicado em 09/11/22

Criar os nossos filhos para viver no mundo mas não é particularmente difícil numa cultura que é hostil às crenças religiosas

Quando entrei na escola secundária pública aos 14 anos de idade, depois de ter sido educado em casa durante toda a minha vida, não estava, no mínimo, preparado. Não fazia ideia de como transitar pela escola, nem como me vestir para me adaptar. Não percebi no começo os outros simplesmente riam de mim.

Logo na primeira semana, vesti uma camiseta do meu grupo de jovens cristãos. Não a vesti para ser corajoso ou dar um testemunho público sobre a minha fé – simplesmente era uma camiseta comum que eu tinha. Todos os amigos que fizera até aquele ponto da minha vida eram da minha igreja – não teriam piscado um olho à minha camisa – mas os alunos da escola pública eram muito diferentes.

Suponho que se pode dizer que eu era ingênuo. Eu não estava pronto para socializar num ambiente tão estranho. Olhando para trás, no entanto, estou um pouco contente por ter sido tão inocente. Após alguns meses na escola, comecei a adaptar-me. As mudanças ajudaram-me a adaptar-me melhor aos meus colegas, mas não estou convencido de que valesse inteiramente a perda de inocência. De certa forma, sobrevivi escondendo partes de quem eu realmente era. Talvez eu pudesse ter abordado toda a experiência de forma diferente.

No mundo, mas não dele

É um dos problemas mais difíceis que os católicos enfrentam. Como é que vivemos no mundo mas não nos tornamos como o mundo? Como é que nos viramos numa cultura que não é predominantemente católica – e é cada vez mais hostil a qualquer tipo de crença religiosa?

É um enigma particular para as famílias com crianças pequenas. Queremos protegê-las do mal do mundo, mas não tanto que não possam se virar fora da segurança do ambiente doméstico e eclesiástico.

Alguns pais decidem que a preservação da inocência dos seus filhos requer o seu afastamento total do mundo. Não há televisão, música ou tecnologia. Apenas amigos cristãos e educação religiosa. Eu compreendo a motivação; compreendo mesmo. Pensando na minha experiência escolar, poderia facilmente ter-me afastado permanentemente da minha fé. Quero tanto manter os meus próprios filhos afastados dessa experiência.

Ao mesmo tempo, preocupa-me que se as crianças estiverem tão abrigadas que qualquer encontro com um não-católico as choca, isso causará uma reação negativa. Podem perguntar-se por que razão se escondeu tanto deles e se rebelarem.

A minha própria experiência no escola teve alguns resultados positivos. Sim, foi um pouco difícil, mas os meus pais foram pacientes e ajudaram-me a ultrapassar os momentos mais duros. Emergi com um sentido mais forte de como me mover com confiança num mundo que nem sempre aprecia as crenças cristãs. Certamente, ainda hoje há momentos em que não falo quando devo defender a fé, e a forma como me comporto fica muito aquém daquilo em que pretendo acreditar, mas penso que, com a ajuda dos meus pais e depois de ter cometido muitos erros, fui capaz de preservar pelo menos alguma aparência de inocência enquanto crescia na idade adulta.

O significado de inocência

É bom conhecer o verdadeiro significado da palavra inocência. Vem do latim nocere, que significa dano. O prefixo in nega o verbo, significando que uma pessoa inocente é literalmente, “não prejudicial”.

Parece-me que uma definição prática de pessoa inocente é alguém que está consciente do mal que o pecado causa e procura redimir-se. Uma pessoa inocente mantém uma sensação de bom e mau, tentando ativamente evitar o mau. Note-se que a inocência requer o conhecimento do bem e do mal. Isto significa que a melhor maneira de permanecer inocente não é permanecer ingênuo.

O padre Brown, de G.K. Chesterton, é um grande exemplo de inocência. Ele é um homem bom e um padre católico. Contudo, por ouvir confissões, ele sabe muito mais sobre o pecado do que a pessoa comum. De fato, ele sabe muito mais sobre o pecado do que até mesmo os orgulhosos pecadores não arrependidos parecem saber. Ele não é ingênuo, mas continua a ser muito inocente.

Ainda hesito em fazer passar os meus próprios filhos pela mesma experiência que tive, em parte porque parece que a cultura se tornou mais hostil nestes 30 anos desde que frequentei a escola, e também porque tive amigos que perderam a sua inocência ao passarem por uma experiência semelhante à minha. Não quero tomar nada como garantido.

Cada criança é diferente, por isso é sempre necessário um juízo prudencial. O que é bom para uma criança, não é tão bom para outra. O objetivo não é fazer delas clones perfeitos que projetam a aparência exterior de serem perfeitos, católicos morais e só socializam uns com os outros. O objetivo é preservar a sua inocência para que possam levar vidas felizes e florescentes, quaisquer que sejam as circunstâncias.

Como pai, não posso manter os meus filhos totalmente separados do mundo – esse não é o melhor caminho para a inocência – mas o que posso fazer é, através da palavra e do exemplo, mostrar-lhes como é importante esforçar-se por se tornarem “inofensivas”, como dar prioridade a permanecerem livres do pecado e não se tornarem cativas de vícios. Para mim, isto significa ser pai com prudência, ser transparente e honesto com elas de uma forma apropriada à idade quando se deparam com o mal, e permitir-lhes ver alguns dos meus próprios esforços espirituais contínuos em prol da inocência.

Em última análise, o objetivo é viver no mundo como agentes do bem, para levar um pouco mais de felicidade, alegria e inocência aonde quer que possamos.

Tags:
CriançasFamíliaFilhosValoresVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia