Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 08 Dezembro |
Bem-aventurado Luís Liguda
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Francisco agradece o rei da Jordânia por seu papel de protetor dos Lugares Santos

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis during his weekly general Audience

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 11/11/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 11 de novembro de 2022

  1. Antigo auditor geral do Vaticano a processar a Santa Sé
  2. Francisco agradece Abdullah II da Jordânia por seu papel de protetor dos Lugares Santos
  3. O Papa sublinha a “primazia da consciência” sobre “qualquer potência mundana”

1Antigo auditor geral do Vaticano a processar a Santa Sé

Por Camille Dalmas – Falando a vários meios de comunicação social, incluindo o New York Times e a Reuters, numa conferência de imprensa em Roma, a 8 de Novembro, o ex-Auditor Geral do Vaticano Libero Milone anunciou que iria processar a Secretaria de Estado da Santa Sé por demissão injusta. O antigo auditor-geral, que desde a sua demissão forçada em Junho de 2017 afirmou ter sido vítima de um esquema para o impedir de revelar irregularidades financeiras importantes, diz querer defender-se depois de a Santa Sé ter aberto uma investigação contra ele na primavera passada.

Em 2015, Libero Milone foi recrutado pelo Papa Francisco para se tornar Auditor Geral da Santa Sé, a autoridade anti-corrupção do pequeno Estado criada pelo pontífice. Dois anos mais tarde, em Junho de 2017, o ex-presidente da Deloitte Itália foi demitido pelo Papa sem explicação, mas mais tarde foi implicado em suposta espionagem e desvio de fundos. Em setembro de 2017, saiu do seu silêncio e alegou que tinha sido forçado a demitir-se por um falso pretexto e denunciou um complô contra ele para o forçar a demitir-se, para que não pudesse levar a cabo as suas investigações sobre as irregularidades financeiras da Santa Sé. Explicou que a Secretaria de Estado tinha impedido uma auditoria assinada com a empresa PWC em 2016.

Libero Milone também implicou diretamente o Arcebispo Angelo Becciu, na altura chefe da Secretaria de Estado, e a Gendarmeria do Vaticano. Na altura, o Vaticano negou todas estas acusações. O caso foi colocado pelo Papa sob o selo do segredo papal e, por conseguinte, não deu lugar a qualquer investigação. Em 2018, o Arcebispo Becciu foi criado pelo Papa como cardeal. Mas o antigo substituto foi finalmente retirado do poder pelo pontífice em 2020 depois de se terem multiplicado as acusações contra ele na imprensa. Foi então acusado em 2021 pelo tribunal do Vaticano da sua responsabilidade na má gestão das finanças da Secretaria de Estado. O julgamento, que ainda está em curso, é conhecido como o caso do “Edifício Londres”.

Talvez este seja um efeito do processo em curso: no início de 2022, o Papa decidiu levantar o segredo papal sobre a demissão de Libero Milone. Na Primavera, Matteo Bruni, diretor do Gabinete de Imprensa da Santa Sé, confirmou ao NYT que o poder judicial do pequeno país abriu um processo contra o antigo auditor-geral. Segundo Libero Milone, a investigação é uma forma de pressioná-lo a não revelar os segredos que ele tem sobre as finanças do Vaticano.

Em reação a este procedimento, a 8 de Novembro de 2022, o antigo auditor anunciou que iria contra-atacar e processar a Secretaria de Estado por danos à sua reputação profissional e rescisão injusta do seu contrato e do seu colega auditor Ferruccio Panicco. Este último, além disso, liga o progresso do seu câncer de próstata à sua demissão. Os dois homens estão a reclamar mais de 9 milhões de euros de indemnização.

O ex-chefe da Gendarmeria implicado

Durante a conferência de imprensa, Libero Milone também revelou várias descobertas que teria feito durante as suas investigações como auditor-geral. Em particular, acusou um cardeal da Cúria, cujo nome não mencionou, de ter guardado 250.000 euros de doações em dinheiro num saco de plástico no seu escritório e de ter transferido outros 250.000 euros para a sua conta pessoal em vez de para a da entidade do Vaticano a que presidiu. O Papa Francisco ficou furioso ao ouvir a notícia e ordenou a Libero Milone que informasse a pessoa em questão. Este último, envergonhado, teria declarado que estava habituado a fazer o que lhe apetecia no seu país. No entanto, o cardeal teria devolvido o dinheiro ‘emprestado’.

Libero Milone também acusou Domenico Giani, antigo chefe da Gendarmeria Vaticana, de ter utilizado 170.000 euros do Vaticano para financiar a reforma do seu apartamento. Demitiu-se em 2019 após o vazamento de documentos sobre cinco membros da Cúria – vários dos quais se encontram agora no banco dos réus no julgamento do edifício de Londres. Não estando pessoalmente implicado e como sinal de reconhecimento por anos de serviço, foi-lhe atribuída uma medalha pelo Papa Francisco pouco tempo depois.

O Cardeal Becciu nega qualquer conspiração

O advogado do Cardeal Becciu, Fabio Viglione, reagiu às acusações de Libero Milone, insistindo que foi o próprio Papa Francisco que decidiu envergonhar o Auditor Geral. Afirma que o documento encontrado em sua casa pela Gendarmeria do Vaticano indicava “que tinha sido detectada uma vigilância ilegal encomendada pelo Sr. Milone a uma empresa externa para controlar a vida privada dos membros da Santa Sé”.

O advogado explicou ainda que a investigação da PWC tinha sido revogada, como declarado pelo Gabinete de Imprensa da Santa Sé em 2016, devido a dúvidas expressas pela Secretaria de Estado sobre “certas cláusulas” do contrato assinado por Libero Milone. Ameaçou tomar medidas legais contra Milone se ele continuasse a transmitir as suas “versões totalmente infundadas”.

O Papa Francisco substituiu Libero Milone em 2021, nomeando no seu lugar a pessoa que agiu como interino entre 2019 e 2021, Alessandro Cassinis Righini. Righini, que foi interrogado como testemunha no julgamento do edifício de Londres a 30 de Setembro, foi altamente crítico da falta de profissionalismo na gestão financeira da Secretaria de Estado. Em particular, destacou a resistência do Cardeal Becciu a qualquer controle externo.


2Francisco agradece Abdullah II da Jordânia por seu papel de protetor dos Lugares Santos

Por Anna Kurian – Cinco anos após o seu encontro anterior, o Papa Francisco recebeu novamente o Rei Abdullah II da Jordânia e a sua esposa Rania a 10 de Novembro no Vaticano. Na ordem do dia: a situação no Oriente Médio e especialmente em Jerusalém. Durante a sua conversa privada de 25 minutos, segundo o diretor do Gabinete de Imprensa da Santa Sé Matteo Bruni, o Papa agradeceu ao Rei pelo seu papel de protetor dos Lugares Santos e pelo acolhimento oferecido pela Jordânia aos migrantes da região. O papel da Jordânia como guardiã dos santuários muçulmanos e cristãos em Jerusalém data de um século (1924), segundo a Revista Terre Sainte.

O Papa e o monarca também falaram sobre a situação no Oriente Médio. Este tema foi também discutido durante os intercâmbios na Secretaria de Estado, onde Abdullah II foi recebido pelo Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin, bem como pelo Secretário para as Relações com os Estados, D. Paul Richard Gallagher. As partes salientaram “a importância de promover a estabilidade e a paz no Oriente Médio”, com particular referência à “questão palestina” e aos refugiados, de acordo com uma declaração emitida pela Secretaria de Estado. Salientaram também a “necessidade de proteger e encorajar a presença cristã na região”.

Outros tópicos de discussão foram a preservação do status quo nos Lugares Santos de Jerusalém, “um lugar de encontro e símbolo de coexistência pacífica, onde se cultiva o respeito mútuo e o diálogo”; e a promoção do diálogo inter-religioso e ecuménico, “assegurando sempre que a Igreja Católica na Jordânia possa exercer livremente a sua missão. Durante a sua visita, o rei Abdullah II ofereceu ao pontífice uma cópia de um antigo Alcorão, incenso, e um frasco contendo água do local do batismo de Cristo no rio Jordão. O chefe da Igreja Católica presenteou o seu anfitrião com uma medalha de bronze representando a basílica de São Pedro, bem como volumes do seu magistério.

Os dois homens já se tinham encontrado em várias ocasiões, nomeadamente a 30 de Agosto de 2013, 7 de Abril de 2014 e 19 de Dezembro de 2017 durante as anteriores visitas do soberano a Roma, bem como durante a viagem do Papa Francisco à Terra Santa, que começou com uma visita à Jordânia a 24 de Maio de 2014.


3O Papa sublinha a “primazia da consciência” sobre “qualquer potência mundana”

Por Anna Kurian – Ser cristã requer dizer “não” aos “poderes deste mundo”, disse o Papa Francisco quando recebeu a comunidade do Pontifício Colégio Nepomuk em Roma, a 10 de Novembro. Advertiu o seminário tcheco contra a mundanização que se reveste de “causas nobres”. No seu discurso, o Papa meditou sobre o exemplo do seu padroeiro João Nepomuk (1340-1393), que foi morto pelo rei Venceslau IV por querer “permanecer fiel ao segredo da confissão”. Na sua esteira, prestou homenagem à memória de “tantos sacerdotes e bispos” que “tiveram a coragem de dizer ‘não'” a “regimes autoritários ou totalitários”.

A “raiz da coragem e firmeza evangélica” recebida de São João Nepomuk não deve tornar-se “uma placa a ser colocada numa parede, como um objeto num museu”, exortou o chefe da Igreja Católica. Ele sublinhou que “hoje, na Europa e em todos os cantos do mundo, ser cristão […] significa dizer ‘não’ aos poderes deste mundo para confirmar o ‘sim’ ao Evangelho”. Para o pontífice de 85 anos, estes poderes podem ser “políticos” mas também “ideológicos e culturais”. O seu “condicionamento” é então “mais sutil”, observou, “passa pelos meios de comunicação social, que podem exercer pressão, desacreditar, chantagear, isolar, etc.”.

“Pior ainda”, acrescentou o Papa ao deixar as suas notas, estes poderes podem levar “à mundanização”, a “pior coisa que pode acontecer à Igreja”. Ele advertiu: “Fujamos da tentação do protagonismo mundano, que muitas vezes nos ilude, vestindo-nos de causas nobres. O Papa Francisco insistiu na “primazia da consciência sobre qualquer poder mundano”, bem como na “primazia da pessoa humana, a sua dignidade inalienável, que tem o seu centro na consciência […] como uma abertura ao transcendente”.

Convidando o Pontifício Colégio a ser “uma escola de liberdade interior”, salientou que esta liberdade também se manifestava “num senso de humor”. Instou também os padres tchecos desta comunidade, mas também os africanos (Camarões, Tanzânia) e os asiáticos (Índia), a “construírem pontes onde haja divisões, distâncias, mal-entendidos”. Fundado em 1919, o Colégio Nepumoceno foi um refúgio para os opositores do regime comunista no poder na Tchecoslováquia durante a Guerra Fria, particularmente após a repressão da “Primavera de Praga” em 1968. O Cardeal Josef Beran morreu ali em 1969, após sofrer perseguição nazista e comunista. Embora a República Tcheca seja marcada por uma profunda secularização e uma certa distância de Roma, este Colégio tem permanecido um lugar central para a promoção da cultura tcheca no estrangeiro.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoPapa FranciscoTerra Santa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia