Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Um diálogo de grande liberdade com o Papa

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-November-16-2022

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 16/11/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 16 de novembro de 2022
  1. Escritor reconta o seu diálogo “muito livre” com o Papa
  2. Ataque em Istambul: Papa Francisco “profundamente entristecido”

1Escritor reconta o seu diálogo “muito livre” com o Papa

Por Anna Kurian – “Tivemos uma conversa de alto nível, espiritual e intelectualmente, e ao mesmo tempo numa grande liberdade, com muito humor”, confidenciou o escritor franco-belga Éric-Emmanuel Schmitt, que foi recebido pelo Papa Francisco durante meia hora no dia 14 de Novembro. O romancista e filósofo de 62 anos, membro da Académie Goncourt, esteve em Roma como parte de um projeto de livro sobre a Terra Santa, iniciado pela Editora do Vaticano (LEV).

“Vi um homem que nem a idade nem a doença tinham obscurecido, ele era totalmente luminoso”, disse Eric-Emmanuel Schmitt no dia seguinte à sua audiência com o Papa. “Ele acompanhou-me até à porta enquanto as suas ancas estavam com dores terríveis, mas podia-se ver que ele tinha dominado esta dor e estava completamente dedicado à sua tarefa. Ele tem o cristianismo sobre os ombros”.

O que levou a este encontro entre o sucessor de Pedro e o autor de “O Evangelho segundo Pilatos?” Uma chamada de Lorenzo Fazzini, diretor editorial da LEV, propondo que o escritor viaje para a Terra Santa, conheça muitas pessoas facilitadas pelo Vaticano, e escreva um Diário da viagem. “Aceitei a proposta com entusiasmo”, diz o escritor cristão, que nunca antes tinha posto os pés na terra do nascimento de Cristo.

Eric-Emmanuel Schmitt passou um mês na Terra Santa, particularmente em Jerusalém, em Setembro. Posteriormente, Roma pediu-lhe que falasse com o pontífice sobre a sua estadia. O escritor recorda uma conversa “fascinante”. “Refletimos juntos sobre Jerusalém, sobre esta incrível cidade que é um lugar legítimo de peregrinação dos três monoteismos. Falámos sobre as três religiões, o que é diferente nelas. Ele falou delas com grande respeito e clareza”, disse ele.

São Francisco de Assis, Charles de Foucauld, Pascal

O doutor em filosofia confessa que estava “particularmente feliz por conhecer este Papa”, que “o conquistou” desde o início do seu pontificado, escolhendo o nome de Francisco. “Porque São Francisco de Assis é para mim uma figura sobre a qual eu medito continuamente”, explica ele.

Congratulando-se com as declarações do Papa sobre “a nossa desumanidade, denunciando o que fazemos ou não fazemos com os migrantes”, Éric-Emmanuel Schmitt também “aplaude” o compromisso ecuménico e interreligioso do pontificado. “Este universalismo que o Papa tem, esta forma verdadeiramente cristã de chegar aos outros, mesmo que sejam diferentes e acreditem noutra coisa, toca-me profundamente”.

Outra figura que os reúne é São Charles de Foucauld, a quem o Papa canonizou a 15 de Maio. “Quando falámos dele na segunda-feira, o seu rosto iluminou-se incrivelmente”, recorda Éric-Emmanuel Schmitt. Ele próprio encontrou fé ao seguir os passos de Charles de Foucauld no deserto, para um roteiro que iria escrever sobre o ermitão. “Entrei no Saara como ateu e saí como crente. Seguindo os seus passos geográficos, perdi-me e vivi uma noite mística. Chamei-lhe a minha ‘noite de fogo’, usando a expressão de Pascal. E para entrar: “Com o Papa Francisco falamos também de Pascal, que ele pode citar de cor”.

“Para mim”, conclui o autor best-seller, “este é um papa que está a imprimir uma imagem correta do que é o cristianismo”. “O fato de não estar à procura de brilho, pompa, esplendor, mas sim de uma pequena capela como Charles de Foucauld… esta é a própria imagem da fé”. Da mesma forma, vê em Francisco uma concepção da missão cristã que partilha: “Não é uma questão de conversão mas de testemunhar aos outros, e depois, ou faz o seu caminho ou não o faz”.


2Ataque em Istambul: Papa Francisco “profundamente entristecido”

Por Anna Kurian – O Papa Francisco reza para que “nenhum ato de violência” desencoraje os esforços do povo turco pela paz, após o ataque que matou pelo menos seis pessoas no dia 13 de Novembro em Istambul. Num telegrama divulgado pelo Gabinete de Imprensa da Santa Sé, o Papa expressou as suas condolências às vítimas e suas famílias.

O Papa ficou “profundamente entristecido” por saber da “perda de vidas humanas” na explosão da bomba na Avenida Istiklal, lê-se na mensagem em inglês assinada pelo Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin e enviada ao Núncio Apostólico na Turquia, Arcebispo Marek Solczyński.

O chefe da Igreja Católica assegura aos enlutados e feridos – 81 de acordo com os últimos números, muitos deles muito seriamente – da sua “proximidade espiritual”. E espera “que nenhum ato de violência desencoraje os esforços do povo turco para construir uma sociedade baseada nos valores da fraternidade, da justiça e da paz”.

Segundo o Le Monde, uma mulher de nacionalidade síria, detida pela polícia turca, admitiu ter agido sob as ordens de uma organização curda, que mais tarde negou qualquer envolvimento.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
DiálogoDireto do VaticanoPapa FranciscoTerrorismo
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia