Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 05 Dezembro |
São Saba
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O incentivo do Papa aos jogadores da Copa do Mundo

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
kontrowersje wokół mistrzostw świata w Katarze

ADRIAN DENNIS/AFP/East News

I.Media para Aleteia - publicado em 24/11/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 24 de novembro de 2022

    1. Papa quer que a Copa do Mundo do Qatar seja uma oportunidade para a fraternidade
    2. O Papa Francisco expressa compaixão pelo “povo ucraniano martirizado” ao lembrar o genocídio de Holodomor
    3. Íntegra da catequese do Papa de 23 de novembro

    1Papa quer que a Copa do Mundo do Qatar seja uma oportunidade para a fraternidade

    Por Hugues Lefèvre – À margem da audiência geral, o Papa Francisco enviou suas saudações aos jogadores que atualmente competem na Copa do Mundo no Qatar, em 23 de novembro de 2022. O pontífice argentino espera que este evento seja uma “oportunidade de encontro e harmonia entre as nações”.

    Três dias após o pontapé inicial da Copa do Mundo no Qatar, o Papa Francisco enviou uma mensagem a todos os participantes e espectadores deste evento que terminará no dia 18 de dezembro.

    “Desejo enviar minhas saudações aos jogadores, torcedores e espectadores que estão acompanhando a Copa do Mundo no Qatar de diferentes continentes”, disse ele à multidão reunida na Praça São Pedro para ouvir sua catequese de quarta-feira.

    “Que este importante evento seja uma ocasião de encontro e harmonia entre as nações, promovendo a fraternidade e a paz entre os povos”, acrescentou ele, depois pediu para rezar pela paz no mundo. Ele então teve um pensamento especial “pelos terríveis sofrimentos do querido e martirizado povo ucraniano”.

    O Papa envia regularmente suas saudações aos esportistas por ocasião de grandes competições mundiais. Em fevereiro passado, por exemplo, ele cumprimentou todos os participantes dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Inverno em Pequim.

    Fã de futebol e torcedor do clube San Lorenzo, na Argentina, o Papa Francisco não vê televisão desde 15 de julho de 1990 e sua promessa à Virgem de Carmen. Em 2015, em entrevista ao jornal argentino La Voz del Pueblo, ele confidenciou que acompanha o futebol de uma maneira diferente. “Há um guarda suíço que me conta todas as semanas os resultados e como estamos nos saindo na liga”, disse ele.


    2O Papa Francisco expressa compaixão pelo “povo ucraniano martirizado” ao lembrar o genocídio de Holodomor

    Por Cyprian Viet – “Rezemos pela paz no mundo e pelo fim de todos os conflitos, com um pensamento especial para o sofrimento do querido povo ucraniano mártir”, disse o Papa Francisco no final da audiência geral na Praça de São Pedro, na quarta-feira. O pontífice expressou sua solidariedade com a Ucrânia por ocasião da comemoração em 26 de novembro do Holodomor, a campanha de extermínio da população ucraniana orquestrada por Stalin na década de 1930.

    Expressando sua proximidade com “a Ucrânia mártir”, no contexto – lembra o blog Il Sismografo – de sua 100ª intervenção pública sobre o assunto desde o início da ofensiva russa em fevereiro passado, o Papa disse algumas palavras sobre o Holodomor, sem mencionar a Rússia, mas traçando um paralelo explícito com a situação atual vivida pelos ucranianos.

    “Este sábado é o aniversário do terrível genocídio do Holodomor, o extermínio por fome em 1932-1933 provocado artificialmente por Stalin. Oremos pelas vítimas deste genocídio e oremos pelos muitos ucranianos, crianças, mulheres, idosos, que sofrem o martírio da agressão”, disse o Papa Francisco.

    Os contínuos ataques metódicos da Rússia à infra-estrutura energética e aos recursos de água potável estão levando muitos ucranianos a acusar a Rússia de intenção genocida, reavivando o trauma do Holodomor. Esta vasta campanha de coletivização de terras e confisco de alimentos orquestrada pela URSS resultou em um número de mortes que varia de 2,6 a 5 milhões, dependendo da fonte.

    O uso da palavra “genocídio” pelo Papa duas vezes neste apelo representa uma mudança significativa no discurso papal sobre o Holodomor. Em 2003, em uma mensagem ao Cardeal Husar, então chefe da Igreja Católica Grega Ucraniana, por ocasião do 70º aniversário da tragédia, João Paulo II se referiu à “grande fome causada na Ucrânia pelo regime soviético”, usando os termos “eventos dramáticos” ou “eventos tristes”, mas não usou a palavra “genocídio”.

    Como parte da disputa – que se tornou uma guerra aberta – com a Rússia, a denúncia da natureza genocida desta política soviética tem sido parte da defesa internacional da Ucrânia desde 2006, quando as autoridades de Kiev, sob o Presidente Viktor Yushchenko, se afastaram da órbita russa em direção à União Européia e aos Estados Unidos. Tornou-se um marcador da identidade nacional ucraniana, assim como a Armênia está unida na denúncia do genocídio perpetrado pelos otomanos a partir de 1915.

    A proximidade do Papa com a Indonésia

    Durante a audiência, o Papa também expressou sua proximidade com a população da ilha de Java, Indonésia, atingida por um forte terremoto em 21 de novembro. “Eu rezo pelos mortos e feridos”, disse o pontífice argentino. O tremor, medindo 5,4 na escala Richter, matou pelo menos 268 pessoas, de acordo com um relatório provisório.

    No final de seus apelos, o Papa Francisco também mencionou a beatificação em Uganda, em 20 de novembro, do “Padre Giuseppe Ambrosoli, missionário comboniano, sacerdote e médico”. Ele nasceu na diocese de Como e morreu em Uganda em 1987, depois de passar sua vida pelos doentes, nos quais ele viu o rosto de Cristo. Que seu extraordinário testemunho ajude cada um de nós a sermos dignos de uma Igreja em movimento”, disse o Papa, antes de aplaudir o novo Beato.


    3Íntegra da catequese do Papa Francisco de 23 de novembro

    Catequeses sobre o discernimento 9. A consolação

    Estimados irmãos e irmãs, bom dia!

    Continuemos as catequeses sobre o discernimento do espírito: como discernir o que acontece no nosso coração, na nossa alma. E depois de ter considerado alguns aspetos da desolação – aquela escuridão da alma – falemos hoje sobre a consolação, que seria a luz da alma, e que é outro elemento importante para o discernimento, e que não se deve dar por certo, pois pode prestar-se a equívocos. Devemos compreender o que é a consolação, como procurámos entender bem o que é a desolação.

    O que é a consolação espiritual? É uma experiência de alegria interior, que permite ver a presença de Deus em tudo; ela revigora a fé e a esperança, assim como a capacidade de fazer o bem. A pessoa que vive a consolação não se rende diante das dificuldades, pois experimenta uma paz mais forte do que a provação. Portanto, trata-se de um grande dom para a vida espiritual e para a vida no seu conjunto. E viver esta alegria interior.

    A consolação é um movimento íntimo, que toca o fundo de nós próprios. Não é vistosa, mas suave, delicada, como uma gota de água sobre uma esponja (cf. Santo Inácio de Loyola, Exercícios espirituais, 335): a pessoa sente-se abraçada pela presença de Deus, de uma maneira sempre respeitosa da própria liberdade. Nunca é algo desafinado, que procura forçar a nossa vontade, mas também não é uma euforia passageira: pelo contrário, como vimos, até a dor – por exemplo, por causa dos próprios pecados – pode tornar-se motivo de consolação.

    Pensemos na experiência de Santo Agostinho, quando fala com a mãe Mónica sobre a beleza da vida eterna; ou na perfeita alegria de São Francisco – de resto associada a situações muito difíceis de suportar; e pensemos em tantos santos e santas que souberam fazer maravilhas, não porque se julgavam hábeis e capazes, mas porque foram conquistados pela docilidade pacificadora do amor de Deus. Trata-se da paz, que Santo Inácio sentia em si com admiração quando lia a vida dos santos. Ser consolado é estar em paz com Deus, sentir que tudo está arrumado em paz, tudo é harmónico dentro de nós. Trata-se da paz que Edith Stein experimenta após a conversão; um ano depois de ter recebido o Batismo, escreve – assim diz Edith Stein: «Na medida em que me abandono a este sentimento, pouco a pouco uma nova vida começa a preencher-me e – sem tensão alguma da minha vontade – a impelir-me rumo a novas realizações. Este fluxo vital parece brotar de uma atividade e de uma força que não são minhas e que, sem fazer qualquer violência às minhas, se tornam ativas em mim» (Psicologia e scienze dello spirito, Città Nuova, 1996, 116). Ou seja, uma paz genuína, uma paz que faz brotar os bons sentimentos em nós.

    A consolação refere-se, acima de tudo, à esperança, propende para o futuro, põe a caminho, permite tomar iniciativas até àquele momento adiadas, ou nem sequer imaginadas, como o Batismo para Edith Stein.

    A consolação é uma paz deste como esta mas não para permanecer sentados ali, gozando-a, não; ela dá-te a paz e atrai-te para o Senhor e põe-te a caminho para realizar, fazer coisas boas. Em tempo de consolação, quando estamos consolados, vem-nos vontade de praticar tanto bem, sempre. Ao contrário, quando há um momento de desolação, vem-nos vontade de nos fecharmos em nós mesmos e de não fazer nada. A consolação impele-nos para a frente, para o serviço aos outros, da sociedade, das pessoas. A consolação espiritual não é “pilotável” – não podes dizer agora que venha a consolação, não, não é pilotável – não é programável a bel-prazer, é uma dádiva do Espírito Santo: permite uma familiaridade com Deus, que parece anular as distâncias. Santa Teresa do Menino Jesus, visitando com 14 anos a basílica de Santa Cruz de Jerusalém, em Roma, procura tocar o prego ali venerado, um daqueles com que Jesus foi crucificado. Teresa sente esta sua ousadia como um transporte de amor e de confidência. E em seguida escreve: «Fui verdadeiramente demasiado audaz. Mas o Senhor vê o fundo do coração, sabe que a minha intenção era pura […]. Agi com Ele como uma criança, que acredita que tudo lhe é permitido, e considera os tesouros do Pai como seus» (Manuscrito autobiográfico, 183). A consolação é espontânea, leva-te a fazer tudo espontaneamente, como se fôssemos crianças. As crianças são espontâneas, e a consolação leva-te a ser espontâneo com uma doçura, com uma paz muito grande.  Uma jovem de 14 anos oferece-nos uma maravilhosa descrição da consolação espiritual: temos uma sensação de ternura em relação a Deus, que nos torna audazes no desejo de participar na sua própria vida, de fazer o que lhe agrada, porque nos familiares d’Ele, sentimos que a sua casa é a nossa, sentimo-nos acolhidos, amados, restabelecidos. Com esta consolação, não nos rendemos diante das dificuldades: com efeito, com a mesma audácia, Teresa pedirá ao Papa a autorização para entrar no Carmelo, não obstante fosse demasiado jovem, e será atendida. O que significa isto? Quer dizer que a consolação nos torna audazes: quando vivemos tempos obscuros, de desolação, e pensamos: “Não sou capaz de fazer isto”. A desolação põe-te abaixo, faz-te ver tudo escuro: “Não, não posso fazer, não o farei”. Ao contrário, em tempo de consolação, vês as mesmas coisas de maneira diferente e dizes: “Não, vou em frente, consigo”. “mas, tens a certeza”. “Sinto a força de Deus e vou em frente”. E assim a consolação impele-te a ir em frente e a fazer   coisas que em tempo de desolação não serias capaz; impele-te a dar o primeiro passo. Este é o aspeto   bonito da consolação.

    Mas, estejamos atentos. Devemos distinguir bem a consolação que vem de Deus das falsas consolações. Na vida espiritual ocorre algo semelhante ao que acontece nas produções humanas: há originais e há imitações. Se a consolação autêntica for como uma gota sobre uma esponja, será suave e íntima; as suas imitações serão mais barulhentas e vistosas, são mero entusiasmo, são fogos de palha, sem consistência, levam a fechar-se em si mesmas, e a não se preocupar com os outros. No final, a falsa consolação deixa-nos vazios, distantes do centro da nossa existência. Por isso, quando nos sentimos felizes, em paz, somos capazes de fazer qualquer coisa. Mas não confundamos aquela paz com um entusiasmo passageiro, pois há o entusiasmo hoje, depois diminui e deixa de haver.

    Por isso, é necessário fazer discernimento, até quando nos sentimos consolados. Pois a falsa consolação pode tornar-se um perigo, se a procurarmos como um fim em si mesma, de modo obsessivo, e esquecermos o Senhor. Como diria São Bernardo, procuram-se as consolações de Deus, não se procura o Deus das consolações. Devemos procurar o Senhor e, com a sua presença, o Senhor consola-nos, faz-nos ir em frente. E não procurar Deus que nos traga consolações: não; não está bem, não devemos estar interessados nisto. É a dinâmica da criança de que falamos na última vez, que só procura os pais para obter algo deles, mas não por eles próprios: vão por interesse. “Pai, mãe”. E as crianças sabem fazer isto, sabem jogar e quando a família é dividida, e têm este hábito de procurar aqui e ali, isto não faz bem, não é consolação, é interesse. Também nós corremos o risco de viver a relação com Deus de maneira infantil, procurando o nosso interesse, procurando reduzir Deus a um objeto para nosso uso e consumo, perdendo o dom mais belo, que é Ele próprio. Assim, vamos em frente na nossa vida, que procede entre as consolações de Deus e as desolações do pecado do mundo, mas sabendo distinguir quando é uma consolação de Deus, que te dá paz até ao fundo da alma, de quando é um entusiasmo passageiro que não é negativo, mas não é a consolação de Deus.

    Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

    Já é membro(a)? Por favor,

    Grátis! - Sem compromisso
    Você pode cancelar a qualquer momento

    1.

    Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

    2.

    Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

    3.

    Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

    4.

    Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

    5.

    Acesso exclusivo à nova área de comentários

    6.

    Anúncios limitados

    Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
    Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
    Tags:
    Direto do VaticanoEsportePapa Francisco
    Apoiar a Aleteia

    Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

    • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
    • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
    • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
    • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
    • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
    • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

    Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

    Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

    PT300x250.gif
    Oração do dia
    Festividade do dia





    Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


    Top 10
    Ver mais
    Boletim
    Receba Aleteia todo dia