Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O conflito explícito entre o Vaticano e uma igreja local

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis celebrate Holy Mass on the occasion of the VI World Day of the Poor

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 25/11/22

Seu boletim Direto do Vaticano de 25 de novembro de 2022

    1. O conflito explícito entre o Vaticano e uma igreja local
    2. Papa exorta os teólogos a inovarem
    3. Edifício de Londres: Cardeal Becciu será processado por associação criminosa?

    1O conflito explícito entre o Vaticano e uma igreja local

    Por Cyprien Viet – “Todos os dias recebemos testemunhos espontâneos reclamando do escândalo causado ao povo por esta proposta inesperada que rompe com a Tradição Católica”, disse o Cardeal Ouellet aos bispos alemães em uma visita ad limina ao Vaticano em 18 de novembro. Durante uma reunião fechada, o prefeito do dicastério para bispos levantou o risco de uma “cisão latente” levantada por certas propostas da Via Sinodal Alemã, notadamente no que diz respeito ao acesso das mulheres aos ministérios ordenados.

    O texto desta intervenção foi publicado por L’Osservatore Romano e a edição alemã do Jornal do Vaticano em 24 de novembro, juntamente com o do Presidente do episcopado alemão, Dom Georg Bätzing, e do Prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé, Cardeal Luis Ladaria Ferrer. Esta publicação no jornal da Santa Sé é um raro exemplo de comunicação sobre um conflito explícito entre o Vaticano e uma igreja local.

    “Estou bem ciente de que sua intenção não é conseguir uma ruptura com a comunhão universal da Igreja, nem favorecer uma vida cristã de cima para baixo, de acordo com o Zeitgeist [espírito dos tempos] em vez do Evangelho”, disse o cardeal canadense em um discurso altamente crítico, expressando preocupação com os efeitos da pressão da mídia sobre as propostas do Caminho Sinodal. O amplo processo, iniciado em 2019 em resposta aos escândalos de abuso sexual nas dioceses alemãs, resultou em várias resoluções apelando para profundas transformações na organização da Igreja, inclusive no nível doutrinário.

    O Cardeal Ouellet observou com pesar que “a agenda de um grupo limitado de teólogos há algumas décadas se tornou subitamente a proposta majoritária do episcopado alemão: abolição do celibato obrigatório, ordenação dos viri probati, acesso das mulheres ao ministério ordenado, reavaliação moral da homossexualidade, limitação estrutural e funcional do poder hierárquico, consideração da sexualidade inspirada na teoria do gênero, propostas de grandes mudanças no Catecismo da Igreja Católica, etc.”.

    A votação de uma proposta sobre o acesso das mulheres ao ministério ordenado, numa ruptura flagrante com o veto posto em prática em 1994 por João Paulo II em sua Carta Apostólica Ordinatio Sacerdotalis, “revela um problema de fé no Magistério e um certo racionalismo intrusivo que não está de acordo com as decisões tomadas”, disse o Cardeal Ouellet.

    “Este exemplo simbólico, somado às outras mudanças morais e disciplinares defendidas, mina a responsabilidade dos bispos em seu ministério primário e lança uma sombra sobre todo o esforço da assembleia, que parece ser fortemente influenciada por grupos de pressão e, portanto, é julgada por muitos como uma iniciativa arriscada, destinada a desapontar e fracassar porque ‘saiu dos trilhos'”, observou também o prefeito do Dicastério para os bispos.

    Para o cardeal canadense, “é de se esperar que a contínua disseminação desta proposta não resolva os problemas que ela procura resolver: o êxodo maciço dos fiéis da Igreja, o êxodo dos jovens, as chamadas “causas sistêmicas” dos abusos, a crise de confiança dos fiéis”.

    Um pedido de moratória rejeitado pelo episcopado alemão

    “O fato de que a carta de orientação do Papa Francisco de junho de 2019 foi recebida como uma referência espiritual, mas não realmente como um guia para o método sinodal teve consequências importantes”, lamentou o Cardeal Ouellet, lembrando que naquele texto o Papa Francisco, “em comunhão com seu predecessor Bento XVI”, havia notado “a deterioração da vida cristã no país”, apelando a todos os católicos na Alemanha “a confiar em Cristo como a chave para a renovação”.

    Entretanto, o Cardeal Ouellet sublinhou a “atenção, compromisso, criatividade, sinceridade e audácia” demonstrada no Caminho Sinodal Alemão e disse que queria “prestar uma sincera homenagem ao enorme esforço de autocrítica institucional”, reconhecendo aspectos positivos como “um acentuado senso de justiça e da obrigação moral de reparação para com as vítimas de abusos, a promoção do sacerdócio batismal, a atitude de reconhecimento dos carismas”.

    No entanto, ele considerou que “é necessária uma moratória sobre as propostas apresentadas, e que uma revisão substancial deverá ser realizada posteriormente, à luz dos resultados do Sínodo Romano”. O Cardeal Ouellet explicou que “a razão fundamental desta moratória é a preocupação pela unidade da Igreja, que repousa na unidade dos bispos em comunhão e em obediência a Pedro”.

    Este pedido de moratória foi explicitamente rejeitado pelo Presidente da Conferência Episcopal Alemã, Dom Georg Bätzing, em uma coletiva de imprensa realizada em Roma, em 19 de novembro. O Bispo de Limburg, assegurando que queria permanecer em comunhão com Roma, havia declarado que tal moratória “não era uma opção”.


    2Papa exorta os teólogos a inovarem

    Por Anna Kurian – Os teólogos devem “procurar ir mais longe” na pesquisa, disse o Papa Francisco ao receber membros da Comissão Teológica Internacional em 24 de novembro de 2022 no Vaticano. Ele pediu ao corpo, criado por Paulo VI em 1969, para aumentar o número de mulheres entre suas fileiras.

    O Papa distinguiu várias vezes o teólogo do catequista em seu discurso. A missão deste último é “dar a doutrina correta, a doutrina sólida, não as possíveis novidades”, explicou, ordenando nunca ensinar às crianças “com novas doutrinas que não são seguras”.

    O teólogo, por outro lado, “arrisca ir além” porque “procura tornar a teologia mais explícita”, continuou o chefe da Igreja Católica. E caberá “ao Magistério detê-lo” se necessário, acrescentou o pontífice de 85 anos, recomendando que os professores de teologia deem lições que “provoquem espanto naqueles que os seguem”.

    O Papa também sugeriu que a Comissão “aumente o número de mulheres”, não por “moda”, mas “porque elas têm uma maneira diferente de pensar dos homens, elas fazem da teologia algo profundo e mais saboroso”. Atualmente, a comissão tem cinco mulheres, incluindo três freiras e duas leigas, entre as cerca de trinta teólogas que compõem a comissão.

    Críticas ao tradicionalismo

    Recomendando fidelidade criativa à Tradição, ele criticou mais uma vez o “tradicionalismo” e o “atraso” que estão confinados a uma dimensão “horizontal”. Ele também se referiu a “certos movimentos eclesiais” que permanecem “fixos a uma época”, comparando-os a movimentos nascidos no final do Concílio Vaticano I, que buscavam “ser fiéis à tradição” e que hoje ordenam as mulheres. “Ou a fé cresce ou morre”, advertiu ele.

    O sucessor de Pedro também encorajou os teólogos a “se abrirem prudentemente à contribuição de várias disciplinas”, inclusive consultando especialistas “não-católicos”, como previsto nos estatutos da comissão. Finalmente, para o processo sinodal de 2021-2024, ele lhes pediu para trabalharem em “colegialidade”.

    Para o período de cinco anos 2021-2026, os membros desta comissão, presidida pelo prefeito do dicastério para a Doutrina da Fé – atualmente Cardeal Ladaria Ferrer – estão examinando o Conselho de Nicéia em vista dos 1700 anos de sua celebração (325-2025), das questões antropológicas atuais e do aprofundamento da teologia da criação.


    3Edifício de Londres: Cardeal Becciu será processado por associação criminosa?

    Por Isabella de Carvalho e Camille Dalmas – Novas provas apresentadas pelo promotor de justiça do Vaticano Alessandro Diddi na 37ª audiência do chamado “edifício de Londres” na quinta-feira poderiam levar à abertura de novo processo contra o Cardeal Angelo Becciu por “associação criminosa”. Estes elementos são fruto de uma investigação, paralela ao julgamento atual, que diz respeito diretamente ao ambiente familiar do cardeal na Sardenha.

    Enquanto se aguardava particularmente a audiência de Monsenhor Alberto Perlasca, principal testemunha no julgamento, o promotor de justiça Alessandro Diddi escolheu este momento para apresentar novos elementos relativos ao Cardeal Becciu, transmitidos pelo tribunal de Sassari na Sardenha através de uma comissão rogatória. Esses documentos, que não estão incluídos no processo porque dizem respeito a outro caso, foram coletados a pedido do Vaticano pela Guardia di Finanza italiana durante uma investigação realizada em Ozieri, a cidade natal do cardeal sardo.

    O Cardeal Becciu e seus advogados pareceram surpresos com a perspectiva de novos procedimentos. O advogado do cardeal, Fabio Viglione, disse em uma declaração após a audiência que não tinha conhecimento de nenhum outro processo contra ele.

    A investigação em questão diz respeito à cooperativa SPES, uma empresa de solidariedade ligada à Cáritas desta pequena diocese sarda, cujo gerente é o irmão do cardeal, Antonino Becciu. O cardeal é acusado no atual julgamento de ter obtido um pagamento de 100.000 euros da Secretaria de Estado para a cooperativa SPES.

    O Cardeal Becciu tinha assegurado em seu interrogatório que era um simples gesto de caridade para ajudar a relançar uma padaria solidária dirigida pela SPES, que fornece pão à população desta região pobre da Itália. Entretanto, os investigadores italianos dizem ter identificado 927 faturas falsas emitidas pela cooperativa.

    A investigação, disse o promotor de justiça, também mostraria que o antigo bispo de Ozieri, Monsenhor Sergio Pintor, havia perdido o controle da Cáritas local para parentes do Cardeal Becciu e não estava ciente das transações financeiras que a cooperativa SPES estava operando.

    Outras pessoas envolvidas na investigação de uma possível associação criminosa poderiam ser membros da família ou parentes do Cardeal. Extratos de conversas de mensagens instantâneas envolvendo Antonino Becciu, seu companheiro ou uma amiga próxima do cardeal, Maria Luisa Zambrano, constituiriam “prova de forte interferência da Cúria Romana nas atividades da diocese”, segundo Alessandro Diddi.

    As discussões também mostram que Cecilia Marogna, outra personalidade de origem sarda agora no banco dos réus, conhecia os parentes do cardeal, com Antonino Becciu até mesmo chamando-a de “Ladrogna” – uma variação da palavra “ladra”, que significa “ladrão” em italiano.

    Uma chamada gravada entre o Cardeal Becciu e o Papa Francisco

    Além disso, estas discussões, que aconteceram no verão de 2021, quando o julgamento não havia começado, tendem a mostrar que o Cardeal Becciu procurou o apoio do pontífice. No entanto, o pontífice não estava disponível, recuperando-se da cirurgia. O Papa Francisco recebeu alta do hospital em 14 de julho após uma grande operação ao cólon, na qual 33 cm de seu intestino foram removidos. Um amigo próximo da família, claramente impaciente para obter uma resposta do Papa, declarou na ocasião em uma das conversas: “Devemos dar uma pancada na cabeça do Santo Padre”.

    Entre os elementos que o promotor de justiça adquiriu do Tribunal de Sassari está também a gravação de alguns minutos de uma conversa telefônica entre o Papa Francisco e o Cardeal Becciu, datada de 24 de julho de 2021, três dias antes da primeira audiência neste julgamento. Segundo a promotora, o cardeal o chamou de seu apartamento na presença de uma amiga da família, Maria Luisa Zambrano.

    O promotor explicou que durante esta chamada, o Cardeal Becciu “insistentemente” pediu ao Papa Francisco que confirmasse que havia autorizado pessoalmente o envio de aproximadamente 500.000 euros para a Inkermann, uma empresa britânica de inteligência. O Cardeal Becciu, por sugestão de Cecilia Marogna, afirma ter confiado na empresa numa tentativa de libertar a Irmã Gloria Narváez, uma freira colombiana que foi sequestrada em Mali em 2017.

    Segundo o promotor, o pontífice parecia “perplexo” com a insistência do Cardeal Becciu, bem como muito cansado de sua operação. A gravação foi tocada na sala do tribunal, mas os jornalistas e o resto da audiência foram convidados a deixar a sala, não permitindo que eles a ouvissem. Entretanto, a agência noticiosa italiana AdnKronos publicou uma transcrição da gravação na qual o Papa Francisco disse que se lembrava de conversar com o Cardeal Becciu sobre o dinheiro enviado para a operação.

    Durante o interrogatório do Cardeal Becciu, em 5 de maio de 2022, ele disse que “cada passo” da operação para libertar a freira havia sido “acordado com o Santo Padre”.

    A audiência da testemunha-chave Monsenhor Alberto Perlasca

    A audiência foi também uma oportunidade para ouvir o testemunho de Monsenhor Alberto Perlasca, diretor do escritório administrativo da Secretaria de Estado. Durante as várias audiências, muitos dos acusados o citaram como o responsável pelos investimentos da Secretaria de Estado.

    Ele teve a oportunidade de dar sua versão de eventos sobre todo o caso do investimento do edifício de Londres, insistindo em várias ocasiões que era Fabrizio Tirabassi, seu funcionário no escritório, que tinha a competência técnica nesta área.

    Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

    Já é membro(a)? Por favor,

    Grátis! - Sem compromisso
    Você pode cancelar a qualquer momento

    1.

    Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

    2.

    Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

    3.

    Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

    4.

    Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

    5.

    Acesso exclusivo à nova área de comentários

    6.

    Anúncios limitados

    Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
    Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
    Tags:
    Direto do VaticanoDoutrinaSínodo
    Apoiar a Aleteia

    Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

    • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
    • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
    • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
    • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
    • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
    • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

    Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

    Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

    PT300x250.gif
    Oração do dia
    Festividade do dia





    Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


    Top 10
    Ver mais
    Boletim
    Receba Aleteia todo dia