Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 03 Fevereiro |
Bem-aventurado Luís Andritzki
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Catherine Labouré e o misterioso retrato

CATHERINE-LABOURE-SAINT-VINCENT-DE-PAUL-MONTAGE-ALETEIA.jpg

Montage Aleteia

Catherine Labouré et saint Vincent de Paul.

Anne Bernet - publicado em 28/11/22

Antes de ser a mensageira da Medalha Milagrosa, Catherine Labouré era uma camponesa que teve que lutar para se tornar freira, e para saber onde se tornar uma. Este é o retrato de um padre misterioso que tirou todas as suas dúvidas. Veja aqui:

O ano de 1824 foi difícil para Zoé (como sua família costumava chamá-la, preferindo este nome ao de Catherine), filha do rico fazendeiro Labouré, de Fain-les-Moutiers, em Côte d’Or (França). Ela tem dezenove anos de idade e sabe que seu pai tem planos matrimoniais para ela que se somarão ao patrimônio familiar. Mas Zoé não queria se casar… Aos doze anos, ela sabia que Cristo seria o único amor de sua vida e se vinculou a Ele por um voto de castidade. Pierre Labouré não tinha conhecimento disto e, se soubesse, ficaria muito infeliz. Ele mesmo havia sido prometido ao sacerdócio por seus pais. Mas, sem vocação, aproveitou a Revolução, que encerrou os seminários, para escapar do sacerdócio e iniciar uma carreira como político local. Os eventos também lhe permitiram casar-se com uma jovem de origem muito superior à sua, cuja família tinha proteção dos círculos republicanos. Labouré tornou-se prefeito de sua aldeia, cargo que perdeu em 1815, pouco antes de sua esposa, exausta por 17 partos e pelo trabalho com o qual a esmagou, morrer.

Um fardo demasiado pesado

Nesse caso, cabe à filha mais velha assumir o lugar de sua mãe até seu casamento, mas Marie-Louise, a quem esse papel caiu, recusou-se a assumi-lo por muito tempo. Criada em uma casa burguesa por uma das irmãs de sua mãe, que não tinha filhos próprios e praticamente a adotou, ela mal conhecia a fazenda da família, nem seu pai; acima de tudo, ela decidiu cedo entrar nas Filhas da Caridade e não fez segredo do fato de que, assim que uma de suas irmãs tivesse idade suficiente para dirigir a casa, ela iria embora. Foi assim que Zoé, a segunda filha dos irmãos, se viu aos onze anos de idade encarregada de uma vasta fazenda, de seu numeroso pessoal, da educação das crianças mais novas, das quais o caçula, Auguste, é deficiente psicomotor desde um acidente, e de um pai tirânico a quem ela idolatra…

A oração, a missa, onde ela consegue ir todos os dias ao amanhecer, sem medo de ter que andar quilômetros porque não há mais um padre em Fain, e o jejum, que ela pratica em segredo, lhe deram força para carregar uma carga que é muito pesada para uma menina pequena, e desenvolveram nela uma vocação religiosa. Ela nunca ousou falar disso a seu pai agnóstico, que deixava claro que tinha feito um esforço suficiente ao dar Marie-Louise a Deus. Ela sabe que ele não a deixará ir por sua vez… Sua única esperança é esperar até a idade de 21 anos, quando poderá receber sua parte da herança de sua mãe, com a qual poderá construir o dote exigido pelas congregações religiosas. Em sua mente, erroneamente, este problema parece ter sido resolvido.

Uma má ideia

Havia dois outros problemas mais embaraçosos. Demasiado mesquinho para pagar pela educação de suas filhas, Pierre Labouré nunca achou por bem enviá-las à escola, nem mesmo brevemente, de modo que Zoé não sabe ler nem escrever. Ela está ainda mais envergonhada porque lhe foi dito que nenhuma congregação aceita postulantes analfabetas. Portanto, ela tem que remediar esta dificuldade. Finalmente, ela não sabe onde Deus a chama e, apesar de suas orações, não recebeu nenhum sinal que a iluminasse. Mas isto não é bem verdade… Alguns meses antes, ela teve um sonho estranho. Ela se viu na missa na igreja fechada de Fain. Quando o celebrante, um velho desconhecido para ela, se virou, olhou para ela com um sorriso surpreendentemente gentil; seus olhos brilharam de gentileza e inteligência e ela ficou surpresa. Na parte seguinte do sonho, ela se viu ao lado de uma pessoa doente, e o misterioso padre entrou e lhe disse: “Minha filha, é bom cuidar dos doentes. Hoje você foge de mim, mas um dia você ficará feliz em vir até mim. Deus tem planos para você; não se esqueça deles”.

Este sonho continua a assombrá-la. É do céu? Ela deveria tentar decifrá-lo? Mas como? Enquanto isso, brincando com o esnobismo de seu pai e o medo do que as pessoas diriam se descobrissem que as meninas Labouré não sabiam ler, Zoé conseguiu que seu pai a matriculasse em um internato para meninas em Châtillon-sur-Seine. Má ideia… O estabelecimento recebe as herdeiras da boa sociedade local, muito mais jovens que Zoé e muito cheias de si mesmas; elas não demoraram muito para fazer chacota da camponesa. A vida diária de Zoé se transformou em uma provação, porque neste ambiente ela é incapaz de aprender qualquer coisa…

O retrato de um padre

Sua única consolação foi mais uma vez encontrada na igreja, em frente ao Santíssimo Sacramento. O padre é um sobrevivente de 83 anos das perseguições ao Terror, Abade Gailhac, antigo capelão das Filhas da Caridade. Quando Zoé, que o tomou como confidente, decide contar-lhe seu estranho sonho, ele não hesita; ele lhe diz que São Vicente de Paulo a está chamando. A jovem reage com relutância educada. Ela conhecia as Filhas da Caridade, tinha amigos lá, mas não sentia atração por seu carisma. Além disso, eles já haviam recebido sua irmã Marie-Louise e ela não queria parecer imitar sua irmã mais velha. Padre Gailhac está equivocado ou, como muitos ex-capelães de comunidades femininas, ele dirige as vocações que descobre para sua casa favorita. Zoé dispensa esta possibilidade e não a menciona novamente. Meses se passaram, aproximando-a de sua volta para casa.

Não há dúvida: é ele que ela viu em seu sonho, é ele que está esperando por ela

Um dia, sua prima, para distraí-la da maldade dos outros estudantes, leva-a a visitar as Filhas da Caridade. Ali, no salão, está pendurado o retrato de um padre, e não de um padre qualquer: aquele de seu sonho. Voltando à freira que acaba de entrar, Zoé pergunta: “Irmã, quem é este padre?” “Ora, senhorita, é nosso pai, São Vicente de Paulo!” A casa tem um dos poucos retratos pintados durante a vida do fundador. Zoé contempla-o. Não há dúvida: é ele que ela viu em seu sonho, é ele que está esperando por ela. E, como Deus tem planos para ela, é para lá que ela deve ir. Não será fácil, mas a Catherine Labouré é persistente. E a graça de Deus se encarregará do resto.

Tags:
DevoçãoJesusReligiososSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia