Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Fevereiro |
Santo Eutíquio de Roma
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

“Natureza do corpo e da alma e A oração de Dom Guilherme”

MONASTERY

Shutterstock | David Herraez Calzada

Monasterio de Veruela

Vanderlei de Lima - publicado em 28/11/22

Guilherme de Saint-Thierry (1085-1148), é, embora pouco conhecido em muitos países, considerado um dos maiores teólogos do século XII

Este lançamento da Cultor de Livros corresponde ao volume 28 da preciosa coleção “Clássicos de Espiritualidade” e traz duas obras de Guilherme de Saint-Thierry: Natureza do corpo e da alma e Oração de Dom Guilherme.

Seu autor, Guilherme de Saint-Thierry (1085-1148), é, embora pouco conhecido no Brasil, considerado um dos maiores teólogos do século XII, a era de ouro dos Padres Cistercienses ou o grande auge da Escola Cisterciense de Espiritualidade, cujo maior nome é, sem dúvida, São Bernardo de Claraval (1090-1153), o bom amigo de Guilherme.

Cremos ser importante, sempre que possível – ao contrário de alguns grandes autores em seus tratados sobre Espiritualidade e Mística –, realçar a existência de uma Escola Cisterciense de Espiritualidade que, embora beba nas fontes beneditinas, não pode, sem mais, ser considerada apenas beneditina, pois tem, não obstante a sua base comum com a dos filhos primeiros de São Bento, características especiais próprias. 

Daí citarmos uma respeitável afirmação de Dom Bernardo Olivera, OCSO, antigo abade geral trapista, a sustentar que “existe uma ‘espiritualidade cisterciense’ (fé levada à vida com uma forma determinada), distinguível das outras espiritualidades, inclusive monástica. Alguns dos elementos dessa espiritualidade seriam: a importância da experiência pessoal e comunitária, a afetividade, a Regra de São Bento sem acréscimos, a caridade cenobita e contemplativa, a unanimidade, a amizade, a santa Humanidade de Jesus Cristo, a devoção mariana… Não faltam os que opinam que não se pode falar de uma espiritualidade propriamente cisterciense (J. Lecrercq). Mas, existe sim, graças aos cistercienses, e sobretudo a São Bernardo de Claraval, uma ‘teologia da espiritualidade ou da mística’” (Introducción a los Padres e Madres cistercienses de los siglos XII e XIII. Burgos: Fonte/Monte Carmelo, 2020, p. 45).

Dito isso, voltemo-nos para o livro em análise. Natureza do corpo e da alma foi escrito por volta do ano 1143 e é considerado por alguns autores a primeira obra científica cisterciense (cf. nota 49, nas páginas 24-25). Está dividida entre o prólogo e mais duas partes: a primeira a tratar da natureza do corpo humano e a segunda a versar sobre a natureza da alma (cf. p. 31-85). Já A Oração de Dom Guilherme (cf. p. 89-94), provavelmente escrita no ano 1122, tem por fim principal responder à questão: “onde Deus pode ser encontrado? O autor propõe ao seu leitor acompanhá-lo na subida ao monte de Deus, lá onde Ele tudo vê e pode ser visto” (p. 27). Este é, em suma, o conteúdo da obra muito bem apresentada pelo Pe. João Paulo M. Dantas, autor da Introdução (cf. p. 9-27) e um dos tradutores.

O leitor atento perceberá o seguinte: o grande abade cisterciense parte de pressupostos das ciências do seu tempo (cada um é filho de sua época) que poderiam ser, talvez, nos dias de hoje, discutidos e/ou aprimorados. Como quer que seja, um ponto teológico importante tocado por Guilherme – e até hoje nem sempre bem compreendido por alguns – diz respeito à alma humana espiritual. Sobre ela afirma o monge: “A alma é uma substância espiritual feita à imagem de Deus, muito semelhante a Deus, que está no corpo como Deus se encontra no mundo: está em todas as partes do corpo e toda, ou seja, completa e não fragmentada, em todas as partes” (n. 27, p. 44). Eis, aqui, a linguagem aristotélico-tomista da Filosofia Perene, que todo estudante de Filosofia e Teologia deveria conhecer (cf. Decreto Optatam totius n. 15, do Concílio Vaticano II (1962-1965), e Código de Direito Canônico, 1983, cânon 251) –, a demonstrar que a alma espiritual, criada e infundida por Deus, no corpo material do novo ser humano, na sua concepção, é a forma desse corpo. Este é, por sua vez, a matéria dessa alma. Trata-se da doutrina do hilemorfismo.

Por fim, uma pergunta que não tira, de modo algum, o mérito da preciosa obra é: por que se preferiu, na página 89, duas vezes o termo “libera” em vez de “liberta”?

Vale a pena meditar mais esta oportuna obra da Espiritualidade Cisterciense.

Mais informações aqui.

Tags:
DoutrinaHistória da IgrejaReligiosos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia