Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Fevereiro |
Santo Eutíquio de Roma
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: A viagem histórica que o Papa fará à África

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis arrives on his popemobile with children to his weekly general audience

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 02/12/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 2 de dezembro de 2022

  1. O Papa Francisco visitará a RDC e o Sudão do Sul de 31 de janeiro a 5 de fevereiro em viagem histórica
  2. Ao conceder o Prêmio Ratzinger, o Papa espera que a teologia francesa continue “a dar frutos”
  3. Edifício de Londres: abertura de uma investigação sobre a equipe de monsenhor Perlasca

1O Papa Francisco visitará a RDC e o Sudão do Sul de 31 de janeiro a 5 de fevereiro em viagem histórica

Por Hugues Lefèvre – O Papa Francisco fará uma viagem apostólica à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul de 31 de janeiro a 5 de fevereiro de 2023, a Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou em 1º de dezembro. No Sudão, ele será acompanhado pelo Arcebispo de Cantuária e pelo Moderador da Assembléia Geral da Igreja da Escócia em uma peregrinação ecumênica de paz ao país devastado pela guerra.

A viagem estava prevista para o início de julho de 2022, mas o Papa Francisco teve que cancelá-la, oficialmente por razões de saúde relacionadas com seu joelho. Esta será a 40ª viagem do Papa Francisco ao exterior desde o início de seu pontificado, em março de 2013.

O pontífice, que terá 86 anos na época, pousará em Kinshasa em 31 de janeiro, após um vôo de sete horas. Ele permanecerá na capital da RDC até 3 de fevereiro e não irá para Goma, no leste do país, embora o programa anterior incluísse uma parada lá. Segundo informações do I.MEDIA, a situação de segurança na região do Kivu Norte, que já era precária na época, provavelmente forçou os organizadores a cancelar esta viagem interna.

O Papa está acompanhando de perto a situação na região. No final de outubro, ele expressou sua “firme deploração” pelos sangrentos ataques cometidos no Kivu do Norte. “Estamos horrorizados ao ver os eventos que continuam a sangrar a República Democrática do Congo”, disse ele.

Neste país de língua francesa, o Papa fará seis discursos, incluindo um dirigido às vítimas da violência no leste do país. Entre os outros destaques de sua estadia na RDC estará uma missa ao ar livre no aeroporto de Kinshasa, que poderá reunir centenas de milhares de fiéis.

No dia 3 de fevereiro, o Papa voará com o Arcebispo de Cantuária e o Moderador da Assembléia Geral da Igreja da Escócia para o Sudão do Sul.

Ao contrário do que foi planejado em julho passado, o Papa não visitará um acampamento para pessoas deslocadas internamente, mas se dirigirá a alguns deles no Freedom Hall em Juba. Ele também participará de uma oração ecumênica no Mausoléu “John Garang”, em Juba.

Quase quatro anos depois de ajoelhar-se diante dos líderes do Sudão do Sul para implorar-lhes que trabalhem pela paz, o papa argentino também fará um discurso muito aguardado às autoridades do país.

Primeiro papa a visitar o Sudão do Sul

A visita do chefe da Igreja Católica ao Sudão do Sul promete ser histórica: nenhum papa ainda visitou o país desde sua fundação em 2011. A viagem também terá uma dimensão diplomática muito importante, ligada ao papel de mediador que a Santa Sé vem desempenhando neste país da África Oriental há vários anos.

Em abril de 2019, a imagem tinha deixado sua marca: o Papa Francisco tinha se ajoelhado diante dos líderes inimigos do Sudão do Sul e tinha beijado seus pés para instá-los a se reconciliarem durante uma reunião organizada no Vaticano. A fim de dar-lhes um horizonte positivo concreto, o pontífice expressou seu desejo de visitar o jovem país uma vez que o conflito tivesse sido resolvido e a situação fosse mais estável.

No Sudão do Sul, o impasse geral da guerra civil tornou a tarefa dos núncios papais particularmente complexa. Desde 2011, uma facção governamental e vários movimentos de oposição, unidos na SSOMA (Aliança dos Movimentos de Oposição do Sudão do Sul), vêm travando uma luta de poder mortífera.

Diante desses confrontos tribais, a Santa Sé não está agindo sozinha. Neste país onde os católicos não são maioria (37,5% da população), Roma pôs em prática uma estratégia original de diplomacia ecumênica. Para difundir a mensagem de paz, a Igreja Católica apela aos anglicanos e aos calvinistas escoceses, que estão muito presentes nesta antiga colônia britânica.

É em colaboração com eles que a perspectiva de uma viagem foi prevista em 2017. No final de uma nova reunião organizada no Vaticano em 2019, Justin Welby e o Papa Francisco declararam que estavam prontos para viajar juntos para o Sudão do Sul se um progresso significativo fosse observado.

No Congo, nas pegadas de João Paulo II

Na República Democrática do Congo, o Papa Francisco seguirá os passos de João Paulo II, que visitou o grande país da África equatorial duas vezes – na época em que foi chamado de Zaire – em 1980 e novamente em 1985.

Em janeiro de 2020, o Papa Francisco recebeu o novo presidente da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, em uma calorosa audiência na véspera da pandemia de Covid-19. Esta visita confirmou o restabelecimento de relações mais pacíficas após a partida do Presidente Joseph Kabila em 2019. Diz-se que Félix Tshisekedi convidou o pontífice para ir a seu país por ocasião desta reunião.

A reunião também levou à implementação do acordo assinado em 2016 pelos dois Estados para definir o status legal da Igreja Católica na República Democrática do Congo. Este acordo estabelece a “liberdade” da Igreja em sua atividade apostólica e as áreas a ela confiadas – educação, saúde, trabalho pastoral, caridade, etc.

Neste país de mais de 100 milhões de habitantes, onde a taxa de pobreza é abismal, a Igreja Católica é muito influente e desempenha um papel mediador. Após a partida do Cardeal Laurent Monsengwo em 2018, é o jovem Cardeal Fridolin Ambongo que, aos 62 anos de idade, é a grande figura da Igreja de lá.


2Ao conceder o Prêmio Ratzinger, o Papa espera que a teologia francesa continue “a dar frutos”

Por Anna Kurian – O Papa Francisco sublinhou a contribuição da teologia francesa ao Concílio Vaticano II, desejando que ele continue seu trabalho, concedendo o Prêmio Ratzinger ao padre francês Michel Fédou e ao jurista judeu americano-italiano de origem sul-africana Joseph Halevi Horowitz Weiler, em 1 de dezembro, no Vaticano.

Durante este encontro, apresentado pelo Padre Federico Lombardi, presidente da Fundação Joseph Ratzinger – Bento XVI, o pontífice argentino falou de seus “momentos de encontro pessoal, fraterno e afetuoso com o Papa Emérito”. “Todos nós sentimos sua presença espiritual e seu acompanhamento em oração por toda a Igreja”, acrescentou ele, mencionando sua visão “contemplativa”.

A teologia de Bento XVI, disse seu sucessor, representa uma “base sólida para a jornada da Igreja”. Ele também destacou o “papel importante” do alemão, que foi um especialista no Concílio Vaticano II e que “nos ajudou a ler os documentos conciliares em profundidade, propondo uma hermenêutica de reforma e continuidade”. Assim, o magistério e o pensamento de Bento XVI “não estão voltados para o passado, mas são fecundos para o futuro”, inclusive nas áreas “mais atuais” como a ecologia integral, os direitos humanos e o encontro entre culturas.

O Papa Francisco saudou o Padre Michel Fédou como “um mestre da teologia cristã”. O jesuíta, doutor em teologia e professor no Centre Sèvres de Paris, é o quarto francês a receber esta distinção. Ele é especializado em patrística e cristologia. “Mas seu olhar não está fechado para o passado”, assegurou o bispo de Roma.

O chefe da Igreja Católica viu nele “um digno herdeiro e continuador da grande tradição da teologia francesa”, na linha de Henri de Lubac ou da coleção Sources Chrétiennes, cujo primeiro volume foi publicado em 1943. “Sem a contribuição desta teologia francesa, a riqueza, profundidade e amplitude da reflexão sobre a qual o Concílio Vaticano II se baseou não teria sido possível”, disse o Papa. Ele desejava “que ela continue a dar frutos para sua implementação a longo prazo”.

Ao saudar o segundo laureado, Joseph Halevi Horowitz Weiler, o primeiro judeu a receber o Prêmio Ratzinger, o Papa expressou particular satisfação. Ele lembrou que Bento XVI, criticado por ter levantado a excomunhão dos bispos de lefebvristas, incluindo o negador do Holocausto Williamson, declarou “com decisão e orgulho” que uma das prioridades de seu “trabalho teológico pessoal” era a reconciliação entre judeus e cristãos, em sua carta de 10 de março de 2009 aos bispos católicos.

O Papa aplaudiu as “posições corajosas” tomadas pelo Professor Weiler, renomado jurista e especialista em direito europeu, por “buscar consenso sobre valores fundamentais e superar conflitos para o bem comum”. Um sinal de “grande esperança” para os judeus e cristãos de hoje, disse ele.


3Edifício de Londres: abertura de uma investigação sobre a equipe de monsenhor Perlasca

Por Isabella H. de Carvalho e Camille Dalmas – Durante a 39ª audiência do julgamento do chamado “edifício de Londres”, em 30 de novembro, o promotor de justiça Alessandro Diddi anunciou que havia aberto uma investigação sobre o papel desempenhado por duas pessoas próximas à testemunha-chave, monsenhor Alberto Perlasca: Genoveffa Ciferri Putignani e Francesca Immacolata Chaouqui. I.MEDIA, que participou da audiência durante a qual quatro testemunhas foram ouvidas, relata as principais conclusões.

Ciferri e Chaouqui assessoraram Perlasca na elaboração de sua defesa

Quando o tribunal estava prestes a retomar a audiência da testemunha-chave monsenhor Alberto Perlasca, o promotor de justiça Alessandro Diddi anunciou que no fim de semana ele havia recebido um e-mail contendo uma conversa de 126 mensagens instantâneas entre duas pessoas, Genoveffa Ciferri Putignani e Francesca Immacolata Chaouqui. Ele não especificou quem era a pessoa que lhe havia enviado estes novos elementos, mas explicou que o conteúdo desta discussão o havia levado a abrir uma investigação.

A primeira participante desta conversa, Genoveffa Ciferri, foi mencionada pela primeira vez neste julgamento pelo Cardeal Becciu em maio passado. Ele explicou que esta senhora rica, que era muito próxima de Perlasca e, o havia acusado de não ajudar Perlasca, que estava sob investigação na época, e que então ameaçou entregá-lo à imprensa.

A segunda pessoa envolvida, Francesca Immacolata Chaouqui, é bem conhecida no Vaticano, tendo sido condenada em 2016 no caso Vatileaks. A mulher não foi diretamente mencionada no julgamento, exceto pelo promotor de justiça Alessandro Diddi – que a conhece bem tendo liderado a investigação que levou à sua condenação em 2016 – e que desta vez simplesmente a ouviu durante a investigação.

Além disso, em sua defesa, a acusada Cecilia Marogna afirma que o Cardeal Becciu lhe pediu para gravar as mensagens do Facebook enviadas a ele por Chaouqui a fim de se defender. Ela também acredita que Genoveffa Ciferri pode ter incomodado o cardeal sardo para passar informações a Chaouqui, que queria vingar-se de sua condenação.

Durante a audiência, monsenhor Perlasca reconheceu que o “Memorial” de 18 de dezembro de 2018 que ele havia dado aos investigadores havia sido sugerido por sua amiga Genoveffa Ciferri, que, para redigir as perguntas, havia consultado uma “assessora jurídica” que acabou sendo Francesca Immacolata Chaouqui.

Esta investigação poderia levar à abertura de outro julgamento. Esta é a segunda investigação aberta por Alessandro Diddi em menos de uma semana, após a que diz respeito ao ambiente familiar do Cardeal Becciu. Em ambos os casos, os documentos utilizados foram extratos de conversas em mensagens instantâneas.

Os documentos assinados em branco pelo notário Di Iorio

Durante a audiência, o tribunal ouviu o testemunho de Antonio Di Iorio, funcionário da Secretaria de Estado e notário da Câmara Apostólica. Sua convocação foi explicada pela presença de suas assinaturas em vários documentos relativos à propriedade londrina, incluindo um dos dois contratos assinados em novembro de 2018 que transferiram a administração do edifício para Gianluigi Torzi – uma operação que resultou na perda do controle do edifício.

Antonio Di Iorio disse que não reconheceu sua assinatura neste contrato nem se lembrou de assiná-lo. O ex-contabilista da Secretaria de Estado, Fabrizio Tirabassi, que esteve presente durante a audiência, explicou que Antonio Di Iorio havia sido chamado na ausência dos notários da Secretaria de Estado para assinar estes documentos a fim de autenticar a assinatura de monsenhor Alberto Perlasca.

O notário da Câmara Apostólica também se referiu a um caso, datado do verão de 2019, onde Mons. Mauro Carlino, secretário do substituto e também acusado neste julgamento, lhe pediu que assinasse uma folha em branco onde já aparecia a assinatura do substituto, Mons. Edgar Pena Parra, o que ele havia feito. Ele declarou que não sabia o que havia acontecido com o documento.

Este procedimento foi realizado para um documento datado de 18 de dezembro de 2018. Fabrizio Tirabassi explicou mais tarde que havia sido utilizado nas negociações com Gianluigi Torzi para mostrar que a Santa Sé realmente queria resolver a questão das 1.000 ações com direito a voto a fim de recuperar o controle da propriedade que o financista havia obtido.

A audiência da testemunha Fabio Perugia

O tribunal ouviu Fabio Perugia, um ex-porta-voz da comunidade judaica em Roma, que dirige uma empresa de relações públicas. Em 2017, um de seus clientes, o grupo de investimento financeiro Valeur, havia oferecido à Secretaria de Estado para ajudar a resolver os problemas relacionados ao edifício de Londres.

Fabio Perugia confidenciou que os sócios desta empresa haviam lhe falado da existência de um “eixo” entre Enrico Crasso e Fabrizio Tirabassi. Tirabassi recebeu uma taxa por dirigir os investimentos da Santa Sé ao Credit Suisse, onde Crasso trabalhou.

Fabio Perugia também admitiu ter sido sócio de Gianluigi Torzi em uma empresa de cash-back no passado. Entretanto, ele afirma que o outro não era “confiável” e administrava o negócio de forma “pouco profissional” e “confusa”. Depois de apenas um ano e meio de trabalho conjunto, ele deixou a empresa.

Ausência de testemunhas e próximas audiências

A audiência deveria ter incluído o advogado Renato Giovannini, um associado próximo de Gianluigi Torzi, mas ele não pôde comparecer no último minuto. No início do dia, a testemunha Robert Lee Madsen, consultor financeiro da Secretaria de Estado, que já havia sido ouvida na audiência de 10 de novembro, voltou, mas não acrescentou nada ao seu testemunho anterior.

As próximas audiências contarão com testemunhas importantes: na quinta-feira 1º de dezembro, o tribunal ouvirá o testemunho de Gian Franco Mammì, diretor da IOR, o banco privado do Vaticano, e o primeiro a alertar a Santa Sé sobre irregularidades financeiras na Secretaria de Estado. Ele será seguido pelo Cardeal Oscar Cantoni, Bispo de Como, Stefano Michele Preda, Presidente do Credit Suisse Itália, e finalmente por monsenhor Alberto Perlasca, que será ouvido nas conversas reveladas pelo promotor de justiça no dia 30 de novembro.

Genoveffa Ciferri e Luca Dal Fabbro, o consultor financeiro que havia alertado sobre a irregularidade do contrato assinado pelo Secretário de Estado com Gianluigi Torzi, devem testemunhar na sexta-feira, 2 de dezembro.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
ÁfricaDireto do VaticanoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia