Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 22 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Nigéria: Ele recusa negar Cristo, e os jihadistas tentam decapitá-lo

Nigeriano Manga

© ONG Portes Ouvertes

Manga est un chrétien nigérian ayant refusé de se soumettre au joug islamiste.

Cécile Séveirac - publicado em 02/12/22

"Eles decapitaram meu pai e colocaram sua cabeça sobre seu estômago diante dos meus olhos". Leia aqui o testemunho:

Manga é cristão. E Deus sabe que não é fácil ser cristão na Nigéria. Considerado o lugar mais perigoso do mundo para esta comunidade, um cristão é morto lá a cada duas horas. Mangá quase entrou para as estatísticas. Em 2 de outubro de 2012, o jovem, com apenas 20 anos de idade, voltou para casa como faz todas as noites após a universidade. Sua mãe está preparando o jantar. Um quadro perfeitamente normal: uma família, uma refeição compartilhada. Depois, os tiros. São 19h30. Os homens do Boko Haram, um grupo islâmico que prometeu fidelidade à Al-Qaeda, irromperam na sala. É aqui que a vida de Manga muda. Os jihadistas procederam da maneira habitual: levaram os homens mais velhos da família para fora de casa – Manga, seu pai e seu irmão mais novo – enquanto sua mãe e seus filhos mais novos se trancaram em outro quarto.

Eles nos disseram: “Nós os mataremos”. Eu disse: “Se você nos matar, o que você ganha com isso?

“Então eles perguntaram a meu pai e a nós se estávamos prontos para negar Jesus e abraçar o Islã”, disse Manga à associação Open Doors. O pai de Manga recusou. “Então eles nos disseram: ‘Vamos matá-lo’. Eu respondi: “Se você nos matar, o que você ganha com isso?” “Esta resposta levou a uma explosão de violência que fez com que os três homens pagassem com sangue. Manga é atingido com uma coronha de fuzil, e seu pai é brutalmente assassinado. Eles o decapitaram e colocaram sua cabeça sobre seu estômago diante dos meus olhos”, diz Manga. Depois tentaram decapitar meu irmão e o deixaram como morto. Enquanto isso, outros estavam batendo e pisando nele. Manga assistiu impotente ao massacre de sua família. Depois foi a vez dele. “Eles pegaram outra faca, com dentes de serra, e tentaram cortar meu pescoço”.

Pensei em Jesus quando ele foi pregado na cruz e fiz minha a oração dele: “Pai, perdoai-os, eles não sabem o que fazem”

Naquele momento indescritível de terror, Manga consegue encontrar a força para rezar. “Pensei em Jesus quando ele foi pregado na cruz e fiz minha a oração dele: ‘Pai, perdoai-os, eles não sabem o que fazem’. O jovem continua: “Eu também rezei com o Salmo 118: “Não morrerei, mas viverei para proclamar a glória do Senhor”. “Eu não sabia se iria sobreviver, mas rezei assim mesmo”. O jovem é deixado para morrer, banhado em sangue, os corpos de seu pai e irmão martirizados diante de seus olhos. Como se isso não fosse suficiente, os homens do Boko Haram penduram uma bomba no portão da casa da família, onde a mãe de Manga e os filhos mais novos gritam de terror. Eles são salvos pela intervenção corajosa de vizinhos que conseguem derrubar uma cerca para tirar a família sobrevivente antes de chamar a polícia.

A situação está além de nós, mas sabemos que nosso Deus é um Deus vivo que pode mudar as coisas em um piscar de olhos. E mesmo que ele não o fizesse, ainda assim seríamos fiéis a Ele.

São 23h. Manga e seu irmão, quase sangrando até a morte, chegam ao hospital. Os enfermeiros conseguem salvar o irmão de Manga. Mas Manga perdeu muito sangue, por isso os médicos desistem. Mas naquele exato momento, o eletrocardiograma mostra que o coração de Manga está batendo novamente. “Tomei consciência de que estava vivo porque Deus tinha decidido isso”, diz Manga.

Como Manga, muitos cristãos na Nigéria conseguem dar testemunho de uma Esperança que inspira e impõe respeito: “A situação está além de nós, mas sabemos que nosso Deus é um Deus vivo que pode mudar as coisas num piscar de olhos”, diz ele. “E mesmo que ele não o fizesse, permaneceríamos fiéis a Ele. Portanto, continue rezando por nós, é a melhor coisa que você pode fazer pela Nigéria. Ele concluiu: “Façamos nosso melhor pela obra de Deus, para honrá-lo com nossas vidas”. Que a fome e a sede de Deus estejam ainda mais em seu coração”.

Tags:
MorteTerrorismoTestemunhoViolência
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia