Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Fevereiro |
Bem-aventurado Guilherme Saultemouche
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Capacitismo: ver além da deficiência

handicap entreprise

wavebreakmedia I Shutterstock

Kelli Aparecida da Silva Pontes - publicado em 04/12/22

É necessário educarmos a forma como nos portamos, com gestos, palavras, e expressões, diante daqueles que possuem alguma deficiência. Entenda:

Não perca a Missa internacional por aqueles que precisam de cura. Levaremos suas intenções até o altar - de graça. Clique neste botão para enviar a sua intenção👇

Intenção de missa e oração pelos doentes

Milhares de pessoas no Brasil, segundo o IBGE, têm algum tipo de deficiência. São pessoas que apresentam alguma limitação a médio ou longo prazo, seja ela de natureza mental, física, intelectual ou sensorial, e que podem estar sujeitas a inúmeras formas de preconceito e/ou discriminação, inclusive por falta de equidade. 

Muito se fala sobre preconceito, que significa pré-julgamento a respeito de algo/alguém, e sobre discriminação, que é o ato de pôr à parte e/ou isolar o outro, mas pouco se aborda o tema capacitismo.

Afinal, o que é capacitismo? É o preconceito ou a discriminação contra pessoas com deficiência, expressado por crenças, palavras e ações que subestimam a individualidade, as capacidades e aptidões que a pessoa possui ou não devido à deficiência. São expressões ou atitudes, ainda que imperceptíveis, que se enquadram no termo capacitismo. 

Observa-se, por meio de muita luta, que essa estrutura social que estigmatiza a pessoa com deficiência como alguém incapaz já passou por diversas evoluções, mas há muito a se conquistar para que o “capaz” não seja somente aquele que não evidencia suas limitações, ou seja, o suposto “perfeito” e “normal”. Ninguém é perfeito, todos têm a sua limitação e, de alguma maneira, busca superar enquanto aprende a se colocar no mundo sem o fardo do julgamento alheio. 

Abordar temas sobre capacitismo é despertar a sociedade para refletir sobre o mundo que a cerca, principalmente, através de suas expressões e atitudes no cotidiano, que, por muitas vezes, desqualificam o ser humano em razão de suas características e, consequentemente, podem gerar um adoecimento emocional irreversível. 

Quando a intenção e atitude do ser humano não está baseada na crueldade, os danos emocionais podem ser evitados, e o melhor caminho é trazer à luz quais expressões e atitudes que devem ser repensadas, modificadas ou ajustadas. Pois, ainda é possível acreditar que a sociedade falha por falta de conhecimento. 

No dia a dia, entre tantas frases enraizadas e consideradas comuns, quem nunca justificou um comportamento inadequado ou impulsivo ao alegar estar “cego de raiva” ou não foi exortado de que “desculpa de aleijado é muleta”? Num primeiro momento, por serem aparentemente inofensivas, frases como essas podem ser interpretadas com naturalidade por aqueles que a praticam, mas, para aqueles que possuem tais características, são frases opressoras, pois cada uma delas denotam uma correção, uma justificativa para um erro, ou falha utilizando as condições de uma deficiência a uma comparação pejorativa.

Além das expressões, o capacitismo pode se manifestar também por atitudes como: tomar a iniciativa de ajudar quando não há um pedido, pois quem deve determinar se precisa ou não de ajuda é o próprio indivíduo; falar ou ter atitudes que transmitem excesso de proteção e, muitas vezes, infantilizadas; admirar ou ficar perplexo porque uma pessoa com deficiência conseguiu graduar, trabalhar ou casar-se. São realizações que qualquer outra pessoa pode fazer, não é algo surreal.

Essas expressões e atitudes capacitistas, às vezes, não tem a intenção preconceituosa ou discriminatória, uma vez que observa-se uma consciência empática. Porém, é necessário também educarmos a forma como nos portamos, com gestos, palavras, e expressões, diante daqueles que possuem alguma deficiência, para que sejamos respeitosos e inclusivos.  

O caminho para construir uma sociedade anticapacitista é, sem dúvida, promover conhecimento, para evitar falhas. Caminho esse que deve iniciar no âmbito familiar e se estender aos demais vínculos sociais, como escola, igreja, trabalho, entre outros espaços.  

Falar sobre capacitismo é dar voz e visibilidade às pessoas que podem realizar tudo o que desejam, apenas de maneira diferente, conforme suas particularidades e individualidade, sem a necessidade de provar ou impressionar sobre o quanto é capaz. É lutar para que a deficiência nunca esteja à frente da pessoa!

Tags:
PsicologiaSaúdeVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia