Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Fevereiro |
Bem-aventurado Guilherme Saultemouche
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Santa Margarida Ward, enforcada por salvar um sacerdote

SANTA MARGARIDA WARD

Public domain

Sandra Ferrer - publicado em 07/12/22

Margarida Ward sofreu a intolerância religiosa do reinado de Elizabeth I da Inglaterra

Não perca a Missa internacional por aqueles que precisam de cura. Levaremos suas intenções até o altar - de graça. Clique neste botão para enviar a sua intenção👇

Intenção de missa e oração pelos doentes

Quando a Inglaterra fundou a sua própria igreja em meados do século XVI e se separou da autoridade de Roma, iniciou-se um período de perseguição contra os defensores da fé católica.

Após um breve alívio durante o reinado de Maria Tudor, a ascensão de Elizabeth I ao trono dificultou ainda mais a situação dos católicos. Muitos homens e mulheres foram forçados a se converter ao anglicanismo sob ameaça de execução. Muitas dessas pessoas aceitaram o martírio, recusando-se a trair sua fé.

Santa Margarida Ward (Margaret Ward) foi uma dessas pessoas íntegras e coerentes.

Sabemos dela que nasceu na cidade inglesa de Congleton, em Cheshire, por volta de 1550. Pouco mais se sabe da sua vida privada, exceto que ela pertencia a uma família distinta e que professava a fé católica. Margarida mudou-se para Londres, onde se pôs a serviço de uma certa Sra. Whitall, de quem se tornou dama de companhia.

As perseguições e torturas aos católicos eram conhecidas de todos naquela Inglaterra governada por Elizabeth I. Maria Tudor morrera em 1558, após um breve reinado de cinco anos. Depois da sua morte, o catolicismo entrou num período muito difícil, mas os fiéis não se renderam e continuaram a defender os seus direitos.

A vida naquele contexto obrigou Margarida a mostrar que a sua determinação de não renunciar à fé não era apenas da boca para fora. Ao saber do caso de um sacerdote preso e torturado em Bridewell, ela não hesitou em ajudá-lo.

Começou como visitante do pe. Richard Watson. As medidas de segurança eram extremas e, toda vez que ele entrava, seu corpo e seus pertences eram minuciosamente revistados. Quando Margarida viu o pe. Watson, ficou chocada. Ele havia sido trancado já fazia um mês numa cela pequena demais para se ficar de pé. Estava algemado e não recebia comida.

O sacerdote estava prestes a morrer de fome quando Margarida conseguiu vê-lo e tentar ajudá-lo. Alguns dias depois, ele foi transferido para uma cela maior. A essa altura, os carcereiros já estavam acostumados a ver Margarida visitar o preso e pararam de controlar suas entradas e saídas com tanto detalhe. Ela então aproveitou para fazer algo que, bem sabia, poderia custar-lhe a vida.

Escondida na cesta em que levava a comida para o sacerdote, ela colocou uma corda que poderia ajudá-lo a fugir. Margarida havia combinado com outro católico, chamado John Roche, para que esperasse nos arredores da prisão, escondido num barco, a fim de completar a fuga do pe. Watson.

O plano de Margarida correu como ela esperava e o padre conseguiu escapar da morte certa. Na pressa do momento, porém, o padre deixou a corda pendurada na janela de sua cela.

As autoridades rapidamente culparam Margarida, que era praticamente a única pessoa que o visitava com regularidade. Presa, ela foi submetida a torturas, suspensa do chão e amarrada pelos pulsos, e sofreu todo tipo de humilhação antes de ser condenada à morte. As autoridades lhe deram uma saída: se ela renunciasse à fé católica e pedisse perdão à rainha Elizabeth I, seria libertada.

Margarita não aceitou a “oferta”.

Em 30 de agosto de 1588, Margarida Ward e mais cinco católicos, entre padres e leigos, incluindo John Roche, foram enforcados.

Séculos depois, em 25 de outubro de 1970, o Papa São Paulo VI canonizou Santa Margarida junto com aqueles que tinham se tornado conhecidos como os Quarenta Mártires da Inglaterra e do País de Gales.

Homenageada como “a pérola de Tyburn“, Margarida Ward não caiu no esquecimento: em muitos cantos da sua Inglaterra natal, o seu testemunho de fé é recordado na forma de imagens e estátuas em diversas igrejas católicas.

Tags:
HistóriaIgrejaMártiresSantosTestemunho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia