Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 03 Fevereiro |
Bem-aventurado Luís Andritzki
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Os grandes eventos de 2023 da Igreja Católica

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Our-Lady-of-Guadalupe-Icon

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 22/12/22

Seu boletim Direto do Vaticano de 22 de dezembro de 2022

  1. 2023: os grandes eventos do ano que se aproxima
  2. O Papa Francisco expressa compaixão pelas crianças ucranianas

12023: os grandes eventos do ano que se aproxima

Por Camille Dalmas e Hugues Lefèvre – Jornada Mundial da Juventude, uma viagem à África, ao Sínodo Alemão e à Igreja Universal, 2023 será também o ano do décimo aniversário do pontificado de Francisco. A agência I.MEDIA propõe uma projeção para o próximo ano.

12 de janeiro: Retomada do julgamento do caso do edifício de Londres

O grande julgamento financeiro do caso do chamado “edifício de Londres”, que começou em julho de 2021, continuará a partir de janeiro e deverá cobrir pelo menos todo o ano que vem. Depois de um início lento, o tribunal do Vaticano começou a ouvir testemunhas neste outono, uma fase que deverá ocupar grande parte do ano que vem.

O Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, estará entre aqueles que virão a esclarecer este caso complexo, que parece ter se tornado ainda mais, uma vez que parece ter se prolongado para outros julgamentos. O promotor da justiça, Alessandro Diddi, anunciou que havia aberto duas investigações adicionais, uma sobre o círculo familiar do Cardeal Angelo Becciu, antigo substituto do Secretário de Estado, e a outra sobre uma possível tentativa de manipulação da testemunha-chave, Monsenhor Alberto Perlasca.

25 de janeiro: Capítulo Geral da Ordem de Malta

A promulgação pelo Papa Francisco da nova Constituição da Ordem em setembro passado pôs fim a cinco anos de reformas marcadas por numerosos reveses. O pontífice decidiu fortalecer o status religioso da Ordem e abolir os requisitos de nobreza para o acesso a seus mais altos cargos. Para garantir o sucesso de sua reforma, ele não hesitou em nomear o atual Tenente (chefe temporário) da Ordem e substituiu todo o Conselho Soberano por personalidades de sua escolha.

Agora vem a fase de integração da reforma, que começará com o Capítulo Geral em 25 de janeiro. O Conselho Soberano terá a tarefa de nomear o próximo Grão-Mestre da Ordem, que está sem um desde a morte da Fra’ Giacomo della Torre del Tempio di Sanguinetto em 29 de abril de 2020. A escolha do novo Grão-Mestre e da equipe que o apoiará será decisiva para o futuro da Ordem e de seu relacionamento com a Santa Sé.

31 de janeiro: 40ª viagem do Papa Francisco

O Papa Francisco viajará para a África de 31 de janeiro a 5 de fevereiro para sua 40ª viagem fora da Itália desde o início de seu pontificado em 2013. Ele já viajou para mais de 50 países no total, fazendo uma média de quatro viagens por ano. Na África, o pontífice argentino passará três dias na República Democrática do Congo, em Kinshasa, onde se encontrará com as vítimas dos conflitos no leste do país. Outros destaques de sua estadia na RDC incluem uma missa ao ar livre no aeroporto de Kinshasa, que poderia reunir centenas de milhares de fiéis.

No dia 3 de fevereiro, o Papa viajará ao Sudão do Sul com o Arcebispo de Cantuária e o Moderador da Assembléia Geral da Igreja Presbiteriana da Escócia para participar de uma peregrinação ecumênica pela paz neste jovem país marcado pela violência. Esta primeira viagem de um Papa ao Sudão tem uma dimensão diplomática muito importante, com a Santa Sé, juntamente com as outras duas Igrejas cristãs, desempenhando um importante papel de mediação na obtenção da paz.

11 de fevereiro: 10 anos de renúncia

O Vaticano se prepara para comemorar os dez anos da histórica renúncia do Papa Bento XVI. Foi em 11 de fevereiro de 2013, a festa de Nossa Senhora de Lourdes. O primeiro papa a renunciar voluntariamente desde Celestino V, em 1294, anunciou a notícia a seus irmãos cardeais reunidos para um consistório que se destinava simplesmente a ratificar canonizações. Em latim ele disse: “Bem consciente da gravidade deste ato, em total liberdade declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pelas mãos dos Cardeais em 19 de abril de 2005, de modo que a partir de 28 de fevereiro de 2013 às oito horas da noite a Sé de Roma, a Sé de São Pedro, estará vacante, e o conclave para a eleição de um novo Pontífice terá que ser convocado por aqueles a quem lhes cabe.

Quase dez anos após sua renúncia, o pontífice alemão ainda vive no mosteiro Mater Ecclesiae, nos jardins do Vaticano. Ele fará 96 anos em 16 de abril de 2023.

Fevereiro-março: Assembléias sinodais continentais em ação

O Sínodo sobre o futuro da Igreja, lançado pelo Papa Francisco em outubro de 2021, continuará seu curso este ano. Após a fase diocesana, durante a qual 112 conferências episcopais apresentaram seus resumos a Roma, a fase continental começou e vai durar até março. Na Europa, por exemplo, cerca de 200 participantes – mais 400 pessoas on-line – se reunirão em Praga, República Tcheca, de 5 a 9 de fevereiro para pensar sobre a Igreja do amanhã.

O lugar das mulheres e dos jovens na Igreja, o sofrimento dos padres, os debates sobre a liturgia ou situações sensíveis na vida das Igrejas locais – divorciados casados novamente, poligamia, LGBT, abusos… Os participantes poderão retomar e trabalhar os temas levantados pela primeira fase do Sínodo. Em uma segunda fase, de 10 a 12 de fevereiro, os presidentes das conferências episcopais se reunirão para refletir sobre as conclusões dessas reuniões sem precedentes, nas quais estão reunidos leigos, clérigos e religiosos.

Seguindo o mesmo padrão, a fase continental asiática acontecerá de 24 a 26 de fevereiro, a fase africana de 1 a 6 de março, a fase da Oceania de 5 a 9 de fevereiro e a fase do Oriente Médio de 12 a 18 de fevereiro.

Todas as conferências continentais devem enviar seus resumos até 31 de março. Com base nestes documentos continentais, a Secretaria do Sínodo em Roma elaborará o Instrumento de Trabalho (Instrumentum laboris) até junho de 2023. Este texto será a base para as assembléias da Igreja universal, que acontecerão em Roma em duas etapas: de 4 a 29 de outubro de 2023, e depois em outubro de 2024.

9-11 de março: Abertura da Quinta Assembléia Sinodal Alemã

Em novembro, a visita ad limina dos bispos alemães expôs seus desacordos com a Cúria Romana e sua determinação em continuar a promover o vento reformista que impulsiona seu caminho sinodal nacional. Este último, nascido da crise dos abusos, tornou-se um questionamento radical de certas estruturas e princípios da Igreja, seja na questão da homossexualidade, do celibato dos sacerdotes ou da ordenação sacerdotal das mulheres. A última assembléia deste movimento será realizada em março, em paralelo ao Sínodo sobre o futuro da Igreja lançado pelo Papa Francisco em todo o mundo.

Por enquanto, o Papa deixou claro que não concorda com o caminho seguido na Alemanha, mas se absteve de intervir. O movimento alemão também foi convidado por alguns cardeais a se alinhar, sem sucesso. Seus líderes deixaram claro que eles sentem que têm mais um mandato dos membros de seu sínodo nacional do que da Cúria Romana. As decisões desta assembléia sinodal final serão, portanto, particularmente aguardadas.

13 de março: 10 anos desde a eleição do Papa Francisco

O primeiro pontífice sul-americano na história, o primeiro papa jesuíta, o primeiro bispo de Roma a escolher o nome Francisco… No dia 13 de março, o mundo recordará a eleição do Papa Francisco e especialistas do Vaticano já estarão oferecendo uma avaliação dos dez anos de seu pontificado.

Eleito Papa depois de Bento XVI, aquele que os cardeais foram “encontrar no fim do mundo” surpreendeu com seu novo estilo de pastor que quer levar a Igreja para as periferias.

A reforma da Cúria, a luta contra os abusos, contra o clericalismo, o lugar dos leigos e das mulheres, a ecologia, a liturgia, o diálogo com o Islã… Tantos projetos liderados por Francisco desde 2013.

1 de agosto: Início da JMJ em Lisboa

Originalmente programada para o verão de 2022, a JMJ em Lisboa foi adiada por um ano devido à pandemia. Depois do Rio de Janeiro em 2013, Cracóvia em 2016 e Panamá em 2019, o Papa Francisco deverá participar de sua 4ª JMJ – ele se inscreveu oficialmente no dia 23 de outubro.

Aos 86 anos, ele se prepara para retornar a Portugal, seis anos após sua viagem a Fátima em maio de 2017. No Vaticano e em Lisboa, prosseguem os preparativos para a boa organização deste evento.

É difícil estimar o número de participantes nestes primeiros dias pós-pandêmicos, especialmente porque a crise econômica está afetando muitas partes do mundo e a secularização tem aumentado na Europa. Como o evento está sendo realizado no Velho Continente, os organizadores podem olhar para a última JMJ européia em Cracóvia, em 2016. Havia 700.000 inscritos e quase 2,6 milhões de pessoas contadas na missa final.

4 de outubro: começa a assembléia geral do Sínodo sobre a sinodalidade

Lançado em outubro de 2021, o Sínodo sobre o futuro da Igreja, sem precedentes em sua forma, acontecerá em três fases: diocesana, continental e finalmente universal. A última fase terá lugar em Roma. Inicialmente prevista para acontecer somente em outubro de 2023, após dois anos de trabalho, finalmente acontecerá em duas fases: de 4 a 29 de outubro de 2023, depois em outubro de 2024.

O Papa Francisco quis assim dar mais “tempo para discernimento” a este processo original e laborioso, anunciando sua extensão.

Poucos detalhes foram liberados sobre a forma que esta fase universal tomará. A questão de se as propostas das fases diocesana e continental serão submetidas a votação não foi decidida. Normalmente somente os padres sinodais (bispos ou cardeais) votam nestas assembléias, mas este sínodo pode ser inovador. Quando a Irmã Nathalie Becquart foi nomeada Sub-Secretária do Sínodo em 2021, foi sugerido que ela poderia ser a primeira mulher a ter direito de voto.

Rumo a um Consistório em 2023?

No decorrer de 2023, onze cardeais eleitores, incluindo cinco italianos, deverão atingir a idade de 80 anos e assim perder seus direitos de participar de um conclave. A redução de 125 para 114 eleitores cardeais – sem contar possíveis casos de morte prematura ou exclusão do Colégio Cardinalício – poderia abrir caminho para um consistório, potencialmente no outono de 2023, para a renovação do Colégio Sagrado.

Dentro da Cúria Romana, alguns bispos como o arcebispo Claudio Gugerotti, o novo prefeito do dicastério das Igrejas Orientais, poderiam logicamente ser elevados à púrpura. Entre as Igrejas locais, figuras como o Arcebispo Charles Scicluna de Malta e o Arcebispo Benjamin Ndiaye de Dakar são potenciais futuros cardeais, mas o Papa Francisco tem o hábito de frustrar o prognóstico ao procurar novos cardeais das “periferias”. O limite teórico para o número de eleitores cardeais é 120, mas os papas na história recente ultrapassaram este limite em várias ocasiões.


2O Papa Francisco expressa compaixão pelas crianças ucranianas

Por Cyprien Viet – “Nesta festa de Deus que se torna criança, pensemos nas crianças ucranianas”, disse o Papa no final da audiência geral de 21 de dezembro, a última antes do Natal. Visivelmente sensibilizado por seus encontros com crianças refugiadas ucranianas em Roma, o Papa observou que a maioria delas “não pode sorrir”.

“Estas crianças carregam consigo a tragédia desta guerra que é tão desumana, tão dura”, o Papa Francisco entristeceu, pois centenas de crianças morreram desde o início da ofensiva russa na Ucrânia, em 24 de fevereiro. Ao lado de um presépio ucraniano exibido sob as colunatas da Praça de São Pedro havia uma árvore de Natal decorada com anjos, representando as crianças vítimas desta guerra.

Além dessas mortes, há o fenômeno das deportações de crianças ucranianas para a Rússia sob o pretexto da adoção: cerca de 13.000 casos foram documentados, mas o número total poderia estar nas centenas de milhares, capturadas pelas tropas russas nas zonas de ocupação e depois “adotadas” pos famílias russas, de acordo com formalidades aceleradas destinadas a compensar o colapso demográfico da Rússia.

“Pensemos no povo ucraniano neste Natal, sem luz, sem aquecimento”, disse o Papa Francisco, que mais uma vez enviou o Cardeal polonês Konrad Krajewski, prefeito do dicastério para o Serviço de Caridade, à região.

Em sua saudação aos peregrinos poloneses, o Papa também elogiou a solidariedade da Polônia com os refugiados ucranianos. “De acordo com sua tradição, na noite de Natal você deixa um lugar vazio na mesa para um convidado inesperado. Este ano ele será ocupado pela multidão de refugiados da Ucrânia, aos quais vocês abriram as portas de suas casas com grande generosidade”, observou o Papa Francisco.

“Que o Filho de Deus, nascido em Belém, encha cada um de vocês, suas famílias e aqueles que vocês ajudam com amor”. Que ele traga paz a todas as pessoas de boa vontade”, disse ele antes de abençoar os fiéis poloneses.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoIgrejaPapa FranciscoSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia