Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 25 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Para onde o Papa deve viajar em 2023?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-boards-his-plane-at-Romes-Fiumicino-airport-as-he-departs-for-a-trip-to-Canada-AFP-

TIZIANA FABI / AFP

I. Media - publicado em 23/12/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 23 de dezembro de 2023
  1. Para onde o Papa Francisco deve viajar em 2023?
  2. O Papa exorta a Cúria Romana a superar a tentação do ‘fixismo’ e a viver uma ‘conversão’
  3. Francisco deseja “serenidade” aos funcionários do Vaticano para o Natal

1Para onde o Papa Francisco deve viajar em 2023?

Por Camille Dalmas: Após um ano 2022 marcado por quatro viagens internacionais – Malta, Canadá, Cazaquistão e Bahrein – apesar dos problemas de mobilidade, o Papa Francisco deverá continuar a viajar à volta do mundo em 2023. Descubra a lista de países já oficiais, e depois aqueles para os quais foi levantada a possibilidade de uma viagem, mas cuja realização parece, de momento, difícil de prever.

Viagens esperadas

República Democrática do Congo e Sudão do Sul

Planeada para Julho de 2022 mas oficialmente adiada por razões de saúde, a viagem do Papa Francisco à RDC e ao Sudão do Sul foi reprogramada para 31 de Janeiro a 5 de Fevereiro de 2023. Na RDC, a escala em Goma, no Kivu do Norte, no leste do país, foi cancelada, provavelmente pelas mesmas razões de segurança que tinham motivado, pelo menos em parte, o cancelamento da viagem em Julho. O agravamento do conflito na região deverá, no entanto, estar no centro da viagem do Papa, uma vez que este planeja encontrar-se em Kinshasa com as vítimas dos conflitos no leste do país.

Numa segunda fase, o Papa irá encontrar-se com o Arcebispo de Cantuária, Justin Welby, no Sudão do Sul. Esta viagem ecuménica sem precedentes está centrada no trabalho de reconciliação entre as facções tribais do país, que lutam entre si numa guerra civil sangrenta desde a sua independência em 2011.

Portugal

Espera-se que o Papa Francisco participe em Lisboa, no início de Agosto, da JMJ. O evento, que reúne jovens católicos de todo o mundo para um momento de celebração centrado na sua fé, foi originalmente programado para 2022, mas foi adiado devido à pandemia.

Provavelmente:

Hungria

Este ano, o Papa tem anunciado repetidamente que a Hungria estará entre os seus próximos destinos, embora a viagem não tenha sido oficialmente confirmada. De acordo com várias fontes, o Papa poderia ir lá no início da Primavera de 2023.

O Papa já lá passou algum tempo, visitando a capital Budapeste em Setembro de 2021 para celebrar a Missa de encerramento do Congresso Eucarístico Internacional. Mas esta não foi uma visita de Estado, ao contrário da viagem de três dias à Eslováquia que fez na sequência do congresso. No entanto, pouco tempo depois prometeu regressar à Hungria.

Uma potencial viagem do Papa à Hungria seria interessante, particularmente no que diz respeito à questão das relações com a Rússia, no contexto da guerra na Ucrânia, e tanto mais que o governo de Viktor Orban e o Papa Francisco tinham vivido grandes desentendimentos em 2015, durante a crise migratória.

Possíveis viagens em 2023:

Líbano

Uma viagem do Papa Francisco estava prevista para Junho de 2022 e tinha sido mesmo anunciada pela presidência libanesa – mas não pela Santa Sé – e depois cancelada no último momento. Desde então, o Papa expressou em várias ocasiões o seu desejo de vir ao país do Cedro, que se encontra mergulhado há mais de dois anos numa terrível crise social, económica e política. O Presidente francês Emmanuel Macron, durante uma visita ao Vaticano em Outubro passado, expressou também o seu desejo de ver esta viagem papal ser bem sucedida.

No entanto, o chefe da diplomacia do Vaticano, o Arcebispo Paul Richard Gallagher, condicionou claramente a visita à eleição de um novo presidente. O Papa não pode lá ir neste momento, pois o Líbano não tem chefe de Estado desde 31 de Outubro e o fim do mandato de Michel Aoun. A visita do Papa dependerá portanto da capacidade – ou vontade – dos muitos grupos político-religiosos de desbloquear a situação política no seu país.

França

Numa entrevista recente à imprensa espanhola, o Papa Francisco anunciou que planejava visitar Marselha “no próximo ano” para uma reunião de bispos e políticos mediterrânicos – cuja data ainda não foi fixada – especificando, no entanto, que não se tratava de uma visita de Estado a França. Esta reunião poderia ter lugar em 2024, na sequência das reuniões de Bari (2020) e Florença (2022).

Índia

Durante a sua visita a Roma em 2021, Narendra Modi, Primeiro-Ministro da Índia, abriu oficialmente a porta a uma viagem do Papa Francisco à Índia, que este último já tinha tentado fazer em 2017, caindo finalmente sobre a Birmânia e o Bangladesh. O pontífice poderia, portanto, fazer questão de honrar o convite que lhe foi feito e visitar o país da Madre Teresa.

No entanto, se o Papa deseja visitar Calcutá, bem como a capital Nova Deli ou Kerala para se encontrar com as comunidades Syro-Malabar ou Syro-Malankar, deve favorecer uma viagem entre Janeiro e Maio, a fim de evitar as várias estações chuvosas do país. Uma desvantagem, porém, é que a adoção de uma reforma litúrgica entre os sírio-malabares, imposta com o apoio de Roma, causou um ressentimento real entre parte da população católica em relação à Santa Sé.

Timor Leste, Papua Nova Guiné e Indonésia

Planejada para Setembro de 2020 mas cancelada devido à pandemia, esta viagem ao Sudeste Asiático e, pela primeira vez para Francisco, à Oceânia, é uma “dívida não paga”. Pode ser difícil de fazer, pelo menos na sua totalidade, devido à deterioração da saúde do pontífice de 86 anos de idade, embora as melhorias recentes o tornem agora mais viável.

A Indonésia, o maior país muçulmano do mundo, onde as relações com os católicos são boas, seria uma de uma série de “viagens de fraternidade” destinadas ao diálogo com o Islã. O Papa recebeu um convite oficial em Janeiro de 2020.

A antiga colónia de Timor Leste, a única nação predominantemente católica da região, seria uma viagem paradoxalmente muito delicada para o pontífice, especialmente depois das revelações dos escândalos de abuso sexual de menores cometidos pelo Bispo Belo, Prémio Nobel da Paz e antigo grande arquiteto da independência do país.

Finalmente, a Papua Nova Guiné poderia ser uma oportunidade para o Papa destacar os problemas climáticos que ameaçam tanto as ilhas do Pacífico como a floresta papuana. Tal viagem só poderia ser feita no Outono, durante a estação seca.

Viagens pouco prováveis:

Ucrânia e Rússia

Num esforço para pôr fim à guerra, o Papa Francisco anunciou na Primavera de 2022 que iria viajar para Kiev e Moscou para convencer os líderes a iniciar conversações. Também insistiu que faria ambas as viagens em conjunto, uma forma de enfatizar a neutralidade política da Santa Sé.

Contudo, a Ucrânia deixou claro que não quer ser colocada ao mesmo nível que a Rússia, sendo a nação invadida, e não quer ouvir falar de mediação da Santa Sé enquanto os seus territórios forem ocupados por exércitos russos.

O estado das relações de Roma com a Rússia, que têm estado em curso este ano devido a declarações do Papa que foram consideradas indesejáveis pela Igreja Ortodoxa Russa e pelo Kremlin, torna uma iniciativa deste tipo ainda mais difícil de prever. O próprio Papa reconheceu que já não está na ordem do dia deste Outono.

Croácia

A 15 de Fevereiro de 2021, o Papa Francisco foi convidado pelo Primeiro-Ministro croata Zoran Milanović a visitar a Croácia. Um convite já aceito pelo pontífice duas vezes antes da pandemia levou ao cancelamento de todas as viagens papais durante um ano. A última viagem de um papa à Croácia foi feita por Bento XVI em 2011. Uma tal viagem teria a vantagem de ser de curta distância e, portanto, relativamente simples de organizar.

Montenegro

Outro país dos Balcãs que o pontífice planeja visitar é Montenegro. O Papa Francisco recebeu o seu primeiro-ministro em Dezembro de 2019 no Vaticano. Quando este último lhe enviou um convite oficial para visitar o seu país, o pontífice respondeu: “Eu irei”.

Viagens altamente improváveis:

Coreia do Norte

A primeira viagem de um Papa à Coreia do Norte foi mencionada várias vezes em 2021, quer pelos bispos da Coreia do Sul, quer pelo Presidente sul-coreano Moon Jae-in, durante a sua visita ao Vaticano. Embora o Papa Francisco tenha dito que é a favor desta iniciativa, a Santa Sé continua à espera de um convite formal de Pyongyang antes de poder realmente começar a preparar-se para o que seria uma visita histórica.


2O Papa exorta a Cúria Romana a superar a tentação do “fixismo” e a submeter-se à “conversão

Por Cyprian Viet – “A pior coisa que nos pode acontecer é pensar que já não precisamos de conversão, nem a nível pessoal nem comunitário”, disse o Papa a 22 de Dezembro no seu tradicional discurso de Natal à Cúria Romana, que todos os anos é uma oportunidade para traçar o curso do governo da Igreja. Sem se referir explicitamente à nova Constituição da Cúria Romana, que entrou em vigor em Junho passado, o Papa deu um ensinamento espiritual sobre a “conversão” a que os administradores da Igreja são continuamente chamados, explicando as suas palavras, que por vezes podem parecer “duras e fortes”.

Entrando no Salão das Bênçãos a pé, caminhando com a ajuda de uma bengala mas visivelmente em forma, o Papa saudou todos os atuais e antigos líderes da Cúria Romana, incluindo o Cardeal Becciu, que está actualmente suspenso dos seus direitos como cardeal eleitor por causa do chamado julgamento do “edifício de Londres”.

Recordando que “muitas coisas aconteceram no ano passado”, o Papa exortou à “gratidão”, explicando que “entre todas estas bênçãos, esperamos que haja também a nossa conversão. Isto nunca é um negócio feito”, advertiu ele.

Ao entregar um ensinamento espiritual desafiador como o faz todos os anos neste discurso, o Papa reiterou que “antes do Evangelho, permanecemos sempre como crianças que precisam de aprender. Acreditando que aprendemos tudo nos faz cair no orgulho espiritual”, advertiu o pontífice argentino, citando uma das 15 “doenças” mencionadas na sua famosa saudação à Cúria a 22 de Dezembro de 2014.

Francisco recordou que o Concílio Vaticano II, comemorado em Outubro passado, foi motivado pelo “desejo de compreender melhor o Evangelho, de o tornar mais actual, vivo e operacional neste momento da história”. “Esta viagem está longe de terminar”, disse Francisco, explicando que a atual reflexão sobre a sinodalidade da Igreja decorre precisamente da convicção de que a viagem de compreensão da mensagem de Cristo é interminável e nos desafia continuamente. O ano 2023 será marcado por uma assembleia sinodal decisiva no Vaticano, de 4 a 29 de Outubro, após dois anos de um processo vivido a nível mundial para reflectir sobre o futuro da Igreja, e que continuará em 2024.

Eis a íntegra do discurso do Papa:

Queridos irmãos e irmãs!

1. O Senhor concede-nos, uma vez mais, a graça de celebrar o mistério do seu nascimento. Cada ano, aos pés do Menino deitado na manjedoura (cf. Lc 2, 12), temos a possibilidade de olhar a nossa vida sob esta luz especial: não é a luz da glória deste mundo, mas «a Luz verdadeira, que (…) a todo o homem ilumina» (Jo 1, 9). Na humildade do Filho de Deus que desce à nossa condição humana, temos uma escola de adesão à realidade. Assim como Ele escolhe a pobreza, que não se reduz a mera ausência de bens, mas é essencialidade, assim também cada um de nós é chamado a voltar ao essencial da própria vida, para deitar fora tudo o que é supérfluo e que pode tornar-se um impedimento no caminho da santidade. E este caminho de santidade não se há de trocar por nada.

2. Mas é importante ter claro que, ao examinar a própria existência ou o tempo passado, se deve tomar sempre como ponto de partida a memória do bem. Com efeito, só quando estamos conscientes do bem que o Senhor nos fez é que podemos também dar nome ao mal, que praticamos ou padecemos. A noção da nossa pobreza esmagar-nos-ia, se não estivesse acompanhada pela consciência do amor de Deus. Neste sentido, a atitude interior, a que deveremos dar mais importância, é a gratidão.

Para nos explicar em que consiste a gratidão, o Evangelho narra-nos o caso dos dez leprosos que foram, todos, curados por Jesus, mas só um regressou para agradecer: um samaritano (cf. Lc 17, 11-19). A este homem, além da cura física, o ato de agradecimento obteve-lhe a salvação total (cf. 17, 19). O bem encontrado, que Deus lhe concedeu, não se detém à superfície, mas toca o coração. Assim, sem a prática constante da gratidão, acabaríamos elaborando apenas a lista das nossas quedas e deixaríamos na escuridão o que mais importa, isto é, as graças que o Senhor nos concede cada dia.

3. Aconteceram muitas coisas neste último ano, e queremos, antes de mais nada, agradecer ao Senhor por todos os benefícios que nos concedeu. E, entre todos estes benefícios, queira Deus que se conte também o da nossa conversão. Esta nunca é um discurso acabado. A pior coisa que nos pode acontecer é pensar que já não precisamos de conversão quer a nível pessoal quer comunitário.

Converter-se é aprender a tomar a sério cada vez mais a mensagem do Evangelho, procurando pô-la em prática na nossa vida. Não é simplesmente manter-se longe do mal, mas praticar todo o bem possível: isto é converter-se! Perante o Evangelho, permanecemos sempre como crianças necessitadas de aprender. Presumir que já aprendemos tudo faz-nos cair no orgulho espiritual.

Em 2022, completaram-se sessenta anos do início do Concílio Vaticano II. E este, que foi senão um grande tempo de conversão para toda a Igreja? A propósito, dizia São João XXIII: «Não é o Evangelho que muda, somos nós que começamos a compreendê-lo melhor». A conversão, que o Concílio nos ofereceu, foi a tentativa de compreender melhor o Evangelho, torná-lo atual, vivo e operante neste momento histórico.

E assim – como, aliás, já acontecera mais vezes na história da Igreja – também na nossa época nos sentimos, como comunidade de crentes, chamados à conversão. E este itinerário está longe de terminar. A reflexão atual sobre a sinodalidade da Igreja nasce, precisamente, da convicção de que o percurso de compreensão da mensagem de Cristo não tem fim e desafia-nos sem cessar.

O contrário da conversão é o fixismo, ou seja, a sub-reptícia convicção de não precisar de qualquer nova compreensão do Evangelho. Trata-se do erro de querer cristalizar a mensagem de Jesus numa forma única e sempre válida; ao passo que a forma deve poder sempre mudar a fim de a substância permanecer sempre a mesma. A verdadeira heresia não consiste apenas em pregar outro Evangelho, como nos lembra Paulo (cf. Gal 1, 9), mas também em deixar de o traduzir nas linguagens e formas contemporâneas, como fez precisamente o Apóstolo dos Gentios. Conservar a mensagem de Cristo significa mantê-la viva, não enclausurá-la.

4. O verdadeiro problema, que muitas vezes esquecemos, é que a conversão não apenas nos torna cientes do mal e faz-nos escolher o bem, mas ao mesmo tempo leva o mal a evoluir, a tornar-se cada vez mais insidioso, a disfarçar-se sob novas formas para termos dificuldade em o reconhecer. É uma verdadeira luta. O tentador volta sempre, e volta travestido.

Jesus, no Evangelho, usa uma comparação que nos ajuda a compreender esta obra que é feita de tempos e modos diferentes: «Quando um homem forte e bem armado guarda a sua casa, os seus bens estão em segurança; mas, se aparece um homem mais forte e o vence, tira-lhe as armas em que confiava e distribui os seus despojos» (Lc 11, 21-22). O nosso primeiro grande problema é confiarmos demais em nós mesmos, nas nossas estratégias, nos nossos programas. É o espírito pelagiano, de que já falei várias vezes. Assim, alguns falhanços acabam por ser uma graça, porque nos lembram que não devemos confiar em nós próprios, mas apenas no Senhor. Algumas quedas, mesmo como Igreja, são um grande apelo a colocar de novo Cristo no centro. Pois, «quem não está comigo está contra Mim, e quem não junta comigo, dispersa» (Lc 11, 23). É tão simples!

Queridos irmãos e irmãs, é demasiado pouco denunciar o mal, inclusive aquele que se esconde entre nós. O que se deve fazer à vista dele, é decidir-se por uma conversão. A simples denúncia pode dar-nos a ilusão de termos resolvido o problema, mas na realidade aquilo que conta é realizar mudanças que nos ponham na condição de não mais nos deixarmos enclausurar pelas lógicas do mal, que muitas vezes são lógicas mundanas. Neste sentido, uma das virtudes mais úteis que havemos de praticar é a da vigilância. Jesus descreve a necessidade desta atenção a nós mesmos e à Igreja – a necessidade da vigilância – com um exemplo elucidativo: «Quando um espírito maligno sai dum homem – diz Jesus –, vagueia por lugares áridos em busca de repouso; e, não o encontrando, diz: “Vou voltar para a minha casa donde saí”. Ao chegar, encontra-a varrida e arrumada. Vai, então, e toma consigo outros sete espíritos piores do que ele; e, entrando, instalam-se ali. E o estado final daquele homem torna-se pior do que o primeiro» (Lc 11, 24-26). A nossa primeira conversão repõe uma certa ordem: o mal, que individuamos e tentamos erradicar da nossa vida, afasta-se efetivamente de nós; mas seria ingénuo pensar que vai ficar longe por muito tempo. Na realidade, pouco depois volta a apresentar-se-nos sob uma nova roupagem. Se antes aparecia rude e violento, agora, ao invés, comporta-se de forma mais elegante e educada. E assim temos necessidade mais uma vez de o individuar e desmascarar. São – perdoai-me a expressão – os «demónios educados»: entram com educação, sem me aperceber. Só a prática diária do exame de consciência é que nos pode fazer dar conta disso. Daqui se vê como é importante o exame de consciência para velar pela casa.

No século XVII – por exemplo – deu-se o conhecido caso das monjas de Port Royal. Uma das suas abadessas, Madre Angélica, começara bem: com grande «carisma», reformara-se a si mesma e ao mosteiro, afastando da clausura até os pais. Era uma mulher cheia de talento, nascida para governar, mas depois tornou-se a alma da resistência jansenista, mostrando um fechamento intransigente inclusive diante da autoridade eclesiástica. Dizia-se dela e das suas monjas: «puras como anjos, orgulhosas como demónios». Tinham expulso o demónio, mas depois este voltou sete vezes mais forte e, sob a roupagem da austeridade e do rigor, trouxera rigidez e a presunção de serem melhores que os outros. Volta sempre: o demónio, expulso, volta; travestido, ma volta. Estejamos atentos!

5. No Evangelho, Jesus narra muitas parábolas dirigidas sobretudo a pessoas bem-pensantes, a escribas e fariseus, com a intenção de pôr a descoberto o engano de se sentirem justos e desprezarem os outros (cf. Lc 18, 9). Por exemplo, nas chamadas parábolas da misericórdia (cf. Lc 15), narra não só os casos da ovelha perdida e do filho mais novo daquele pai infeliz, que se vê tratado como morto precisamente por este filho; são histórias que nos lembram que o primeiro modo de pecar é partir de casa, perder-se, fazer coisas claramente erradas. Mas, nas referidas parábolas, Jesus fala também da dracma perdida e do filho mais velho, com uma lição elucidativa: podemo-nos perder também em casa, como no caso da moeda daquela mulher; e é possível viver infeliz, mesmo permanecendo formalmente no recinto do próprio dever, como acontece ao filho mais velho do pai misericordioso. Se é fácil, para quem sai, dar-se conta da distância, quem fica em casa tem dificuldade para se aperceber de quanto se viva no inferno: dificuldade essa, resultante da convicção de que somos apenas vítimas, tratadas injustamente pela autoridade constituída e, em última análise, pelo próprio Deus. Quantas vezes acontece isto, aqui em casa.

A todos nós, queridos irmãos e irmãs, terá sucedido perder-se como aquela ovelha ou distanciar-se de Deus como o filho mais novo. São pecados que nos humilharam e por isso mesmo, por graça de Deus, conseguimos enfrentá-los sem evasivas. Mas a grande atenção que se nos exige neste momento da nossa existência está ligada ao facto de a nossa vida atual se desenrolar formalmente em casa, dentro dos muros da instituição, ao serviço da Santa Sé, no próprio coração do corpo eclesial; e, por isso mesmo, podemos cair na tentação de pensar que nos encontramos em segurança, somos melhores, já não devemos converter-nos.

Corremos mais perigo do que todos os outros, porque nos encontramos insidiados pelo «demónio educado», que vem sem fazer rumor, mas trazendo flores. Desculpai-me, irmãos e irmãs, se às vezes digo coisas que podem soar duras e fortes, não é por não acreditar no valor da amabilidade e da ternura, mas porque é bom reservar as carícias para os extenuados e oprimidos, e encontrar a coragem de «afligir os consolados» – como gostava de dizer o Servo de Deus D. Tonino Bello –, porque às vezes a sua consolação não é um dom do Espírito, mas engano do demónio.

6. Por fim gostaria de reservar uma última palavra para o tema da paz. Entre os títulos que o profeta Isaías atribui ao Messias, temos o de «Príncipe da Paz» (9, 5). Nunca sentimos, como neste momento, tão grande desejo de paz! Penso na martirizada Ucrânia e também em tantos conflitos que estão ocorrendo em várias partes do mundo. A guerra e a violência são sempre um falimento. A religião não se deve prestar para alimentar conflitos. O Evangelho é sempre Evangelho da paz e não se pode, em nome de Deus algum, declarar «santa» uma guerra.

Onde reinam morte, divisão, conflito, sofrimento inocente, lá podemos apenas reconhecer Jesus crucificado. E, neste momento, gostava que o pensamento de todos nós se voltasse precisamente para aqueles que mais sofrem. A isto mesmo nos podem ajudar as palavras de Dietrich Bonhoeffer, que assim escrevia do cárcere onde estava preso: «Vendo a realidade duma perspetiva cristã, não pode constituir um particular problema o facto de se passar o Natal na cela duma prisão. Provavelmente muitos, nesta casa, celebrarão um Natal mais rico de significado e mais autêntico do que acontece lá onde, desta Festa, se conserva só o nome. Um prisioneiro compreende melhor do que ninguém que miséria, sofrimento, pobreza, solidão, desamparo e culpa têm, aos olhos de Deus, um significado completamente diferente do dos juízos dos homens; que Deus volta o olhar precisamente para aqueles de quem os homens costumam afastá-lo; que Cristo nasceu num estábulo, porque não encontrara lugar na hospedaria; tudo isto, para um prisioneiro, é verdadeiramente uma feliz notícia» (Resistenza e resa, Cinisello Balsamo – Milão, 1988, 324).

7. Queridos irmãos e irmãs, a cultura da paz não se constrói apenas entre os povos e entre as nações; começa no coração de cada um de nós. Enquanto sofremos com o embravecer de guerras e violências, podemos e devemos dar a nossa contribuição para a paz, procurando extirpar do próprio coração toda a raiz de ódio e ressentimento contra os irmãos e irmãs que vivem junto de nós. Na Carta aos Efésios, lemos estas palavras (que encontramos também na Hora de Completas): «Toda a espécie de azedume, raiva, ira, gritaria e injúria desapareça de vós, juntamente com toda a maldade. Sede, antes, bondosos uns para com os outros, compassivos; perdoai-vos mutuamente, como também Deus vos perdoou em Cristo» (4, 31-32). Podemos interrogar-nos: Quanta aspereza há no nosso coração? O que é que a alimenta? Donde nasce a indignação que muitas vezes cria distância entre nós e alimenta cólera e ressentimento? Porque é que a maledicência, em todas as suas declinações, se torna a única maneira que adotamos para falar da realidade?

Se é verdade que queremos que o clamor da guerra cesse deixando lugar à paz, então cada um comece por si mesmo. São Paulo diz-nos claramente que a benevolência, a misericórdia e o perdão são o remédio que temos para construir a paz.

A benevolência é escolher sempre a modalidade do bem para nos relacionarmos entre nós. Não existe só a violência das armas, mas também a violência verbal, a violência psicológica, a violência do abuso de poder, a violência oculta das murmurações que fazem tão mal e destroem imenso. À vista do Príncipe da Paz que vem ao mundo, deponhamos toda a arma de qualquer género. Cada um não se aproveite da própria posição e função para mortificar o outro.

A misericórdia consiste em aceitar que o outro possa ter também os seus limites. Também neste caso é justo admitir que pessoas e instituições, precisamente por serem humanas, são limitadas. Uma Igreja pura para os puros é apenas o renascimento da heresia cátara. Se não fosse assim, o Evangelho e a Bíblia em geral não nos teriam contado limitações e defeitos de muitos que hoje reconhecemos como santos.

Finalmente o perdão é conceder sempre uma nova possibilidade, ou seja, compreender que só por tentativas se consegue ser santo. É assim que Deus procede com cada um de nós: sempre nos perdoa, sempre nos põe de pé e dá ainda outra possibilidade. E deve ser assim entre nós. Irmãos e irmãs, Deus nunca Se cansa de perdoar, somo nós que nos cansamos de pedir perdão.

Toda a guerra, para ser extinta, precisa de perdão; caso contrário, a justiça torna-se vingança, e o amor acaba reconhecido apenas como uma forma de fraqueza.

Deus fez-Se criança; e esta criança, tendo crescido, deixou-Se pregar na cruz. Não há realidade mais frágil do que um homem crucificado e contudo, naquela fragilidade, manifestou-se a omnipotência de Deus. No perdão, opera sempre a omnipotência de Deus. Assim, que as prendas deste Natal sejam a gratidão, a conversão e a paz!

A todos desejo um feliz Natal! E uma vez mais peço para não vos esquecerdes de rezar por mim. Obrigado!


3Francisco deseja “serenidade” aos funcionários do Vaticano para o Natal

Por Anna Kurian – Como o curso normal das coisas foi retomado após a crise da Covid-19, o Papa Francisco desejou “serenidade” aos funcionários do Vaticano ao oferecer as suas tradicionais saudações de Natal no dia 22 de Dezembro na Sala Paulo VI.

Referindo-se a este período sombrio que “deixou a sua marca” não só “material e economicamente” mas também “na vida das pessoas, nas relações”, o Papa aconselhou os seus funcionários a não viverem “como se nada tivesse acontecido”. Esquecer-se de agradecer ao Senhor por ter sido capaz de sair da pandemia “não é cristão nem humano”, advertiu ele.

O pontífice de 86 anos desejou a todos “serenidade, no coração, nas relações familiares, no trabalho”. Serenidade que “não significa que tudo esteja bem, que não haja problemas”, mas que resulta da “fé em Deus” e da “confiança na Sua ajuda”.

O chefe da Igreja Católica desejou esta “serenidade” em particular aos jovens, que “sofreram muito” com os confinamentos e que “acumularam muita tensão”. Exortou as pessoas a não ignorar o problema e a “tentar compreender” porque “sair melhor da crise não acontece por magia, é necessário trabalhar sobre si próprio, com calma, com paciência”.

Durante o seu discurso, o Papa Francisco também encorajou as pessoas a trabalhar pela paz, o que tem “um significado especial para nós que vivemos e trabalhamos na Cidade do Vaticano”. Não porque o estado mais pequeno do mundo tenha “peso especial”, disse ele, mas porque tem como sua “cabeça e domínio o Senhor Jesus”.

A fim de superar “mal-entendidos e conflitos que podem surgir no trabalho”, o Papa recomendou em particular que se evitasse “falar mal dos outros nas suas costas”. E ele insistiu: “Se algo não estiver bem, falemos directamente com a pessoa em questão, com respeito e franqueza, sejamos corajosos. (…) Vamos tentar ser honestos e sinceros.

O Papa concluiu agradecendo-lhes pelo seu trabalho e pela sua “paciência”. “Sem vocês, isto não funcionaria”, assegurou ele, antes de passar pela multidão em cadeiras de rodas, tendo tempo para trocar algumas palavras com os empregados e abençoar os seus filhos.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Direto do VaticanoPapa FranciscoViagem
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia