Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 19 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

A conversão da “pecadora” que o Padre Pio acompanhou espiritualmente

ŚWIĘTY OJCIEC PIO

EAST NEWS

Marcello Stanzione - publicado em 26/12/22

A desolação espiritual de Raffaelina Cerase e o apego ao santo de Pietrelcina foram até objeto de insinuações sem fundamento

O Padre Pio tinha uma relação epistolar muito importante com uma de suas filhas espirituais: Raffaelina Cerase. Descrevendo-se repetidamente como uma “pecadora endurecida”, buscando (e obtendo) a todo custo encontros espirituais com o frade de Pietrelcina, a relação entre a mulher de Foggia e o Padre Pio foi instrumentalizada por alguns autores.

A cronologia exata dos eventos

No livro “Padre Pio e Raffaelina Cerase” (Mimep Docete) de Marcello Stanzione e Francesco Guarino, é dada a cronologia exata da relação epistolar entre os dois, que testemunha o caminho de crescimento interior de Raffaelina, desvinculado de qualquer outra referência (não-espiritual) ao então jovem Padre Pio.

03- padrepiopietrelcina dot com

“O alvorecer de um anjo”

Raffaelina Cerase – Lellina, apelido de família – uma nobre de Foggia que viveu no final do século XIX e início do século XX (1868-1915), nasceu em Foggia, Apúlia, de uma família de proprietários de terras. Padre Benedetto Nardella – em seu livreto biográfico sobre a mulher – descreve seu nascimento como “o alvorecer de um anjo”.

Raffaelina foi confiada aos cuidados espirituais de sua tia, uma freira que vivia no convento carmelita em Lucera, onde permaneceu até os sete anos de idade, antes de mergulhar, como ela mesma escreveria em sua correspondência com o Padre Pio, completamente na vida mundana “cega, surda, malvada”. Uma série de acontecimentos lamentáveis, entretanto, parece ter sido decisiva em sua vida: a morte de seu pai em 1904.

A desagregação na família

Após a morte de seu pai, uma série de desentendimentos com seu irmão Matteo começou por razões de interesse próprio que a levaram, junto com sua irmã Giovina, a se mudar da casa de seu pai e a viver por sete anos, de 1907 a 1914, no ‘exílio’, como ela mesma diz, em uma casa alugada.

Conversão

A conversão de Lellina ocorreu aos 21 anos de idade, em 1889, quando sua condição de solteira já havia sido totalmente delineada. O exemplo de sua tia que morreu no conceito de santidade, no entanto, deixaria nela uma marca indelével.

Ela conheceu o Padre Pio no final de 1914, através de seu diretor espiritual Padre Agostino de San Marco, em Lamis. Ela pediu a permissão dele para iniciar uma correspondência e ele concordou. O restabelecimento da paz na família em 1915, Raffaelina a atribui às orações de intercessão do Padre Pio.

05- padrepiopietrelcina dot com

A Terceira Ordem

Em virtude disso, ela se inscreveu na Ordem Terceira Franciscana no convento vizinho dos Capuchinhos, ao mesmo tempo em que militava junto com Giovina nas fileiras da Ação Católica feminina. Ambas doentes, empreenderam muitas viagens.

Os primeiros sintomas do câncer

Em junho de 1914, encontrando-se em Savona em uma pensão de freiras, pensaram em ir para Lourdes, mas o estouro da guerra as levou de volta a Foggia, onde em março de 1915 obtiveram permissão para montar um oratório privado. Elas passaram suas férias na ilha de Ischia, em Casamicciola, onde Raffaelina sentiu os primeiros sintomas de um tumor grave no verão de 1915.

Conhecendo pessoalmente o Padre Pio

Foi somente em 17 de fevereiro de 1916 que Raffaelina Cerase conheceu o Padre Pio, que tinha vindo a Foggia para se mudar para o convento de Sant’Anna. Ela tentou, mas em vão, junto com o Padre Agostino de San Marco em Lamis, trazê-lo a Foggia. Ela faleceu em 25 de março do mesmo ano, assistida por seu próprio pai espiritual.

A “escuridão” de Raffaelina

O conceito que muitas vezes retorna nas cartas de Raffaelina com seu pai espiritual é a “escuridão”, a “noite”, como a angústia de uma vida passada entre lutas e tristezas: “Tenho uma preocupação […] a escuridão me assusta, me oprime” (27.5.1914).

Desprendimento de coisas terrenas

O que Lellina está passando é o desapego das coisas terrenas, a noite de desolação pela qual todos os místicos passam antes de alcançar a união transformadora com Cristo. Experimenta-se esta purificação quando do estado de intoxicação experimentado no início da vida espiritual, especialmente na conversão, passa-se a um estado de caminhar em que se progride e ao mesmo tempo se trabalha para estar unido a Deus e agradar apenas a Ele.

06- padrepiopietrelcina dot com

O pedido ao Padre Pio

Na carta de 24.3.1914, Raffaelina Cerase escreveu ao Padre Pio pedindo-lhe que intercedesse junto a Jesus para que ele não a expulsasse, “para que ele a fizesse morrer” para si mesma. Mesmo nas cartas seguintes, uma certa tribulação de sua alma é perceptível. Nesta busca de elevação espiritual, que é fortemente exigente, ela chega ao ponto de censurar o Padre Pio por seu silêncio sobre sua privilegiada experiência santificadora que ela quer compartilhar a todo custo: “Eu sei tudo sobre você, por que ficar em silêncio comigo? Por que se esconder?” (13.5.1914).

“Um pouco de luz, padre”

Na carta de 8.4.194 ele chegava ao ponto de dizer: “Um pouco de luz, padre, espero de você, de sua caridade, luz aos meus passos, movimento santo a esta minha vida inerte e tola, fogo divino puro ao meu coração de gelo”. Neste caminho, a exaltação da dor, que o Padre Pio lhe incute como fonte de alegria por ter sido chamado a cooperar na salvação das almas, é direcionada para uma confiança ilimitada em Jesus e na ação do Espírito Santo.

O desejo de perfeição cristã

O primeiro passo para a perfeição cristã é desejá-la. O desejo em Raffaella é um movimento da própria alma em direção a Jesus, aceitando na prática a idéia de que a graça divina se manifesta através dos tormentos do espírito e do corpo. Padre Pio a conduz pela mão nesta busca pela perfeição.

Padre Pio, no silêncio de seu “coração” a convida a oferecer louvores e bênçãos a Deus, a perseverar no desejo de sofrer, a ser humilde, obediente e caridoso, a aceitar enfermidades e infortúnios e a confiar em Jesus. Mas a mudança, Raffaella sentiu lentamente. Ela não se dá conta do grande trabalho que o Padre Pio está fazendo em sua alma. Ela se sente sempre agarrada às paixões, uma prisioneira das misérias do corpo a ponto de pensar que está praticando práticas cristãs de forma demasiado superficial e distraída (15.9.1914).

Longas conversas espirituais

Todas as manhãs, até o dia de sua morte em 25 de março de 1916, o Padre Pio ia a Foggia para visitar Donna Raffaelina, ficando com ela em “longas conversas espirituais”, às vezes até celebrando a santa missa na capela particular do palácio.

Tags:
ConversãoPadre PioSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia