Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 18 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

O erro que você não pode cometer no exame de consciência de fim de ano

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
2023

Shutterstock

Matilde Latorre - publicado em 30/12/22

Siga estes passos propostos por Santo Agostinho e comece 2023 com um novo impulso vital

O fim de ano está aí! E, desde os tempos antigos, esta é uma ocasião natural para fazer uma pausa no caminho da vida, um exame de consciência e, assim, poder agradecer a Deus pelos dons recebidos. Uma maneira ideal de começar o novo ano com um novo impulso vital…

Santo Agostinho de Hipona (354-430) ofereceu em seu livro mais lido, “Confissões” a chave para entender o significado do exame de consciência: uma reflexão, na oração, para avaliar a vida com os olhos de Deus.

Grande conhecedor de Santo Agostinho, o cardeal Carlo Maria Martini SI, arcebispo de Milão (1927-2012), observou que “o exame de consciência é a primeira das práticas de piedade que desaparece quando a vida interior começa a declinar”. 

Por que isso acontece? Provavelmente porque o exame de consciência se tornou para muitos uma prática formal, de pouca utilidade, em que se limitam a responder à pergunta: “Que pecados cometi?”

Como recomenda Santo Agostinho, nosso exame de consciência deve responder à pergunta central: “Quem sou eu diante de ti, meu Deus?”; “Como vivo diante de ti, pai?”

Santo Agostinho propõe três etapas a percorrer para compreendermos a vida à luz de Deus. São três momentos que também podem ser analisados ​​na preparação para a confissão sacramental. 

1Confissão de louvor

Todo exame de consciência deve começar respondendo à pergunta: por que motivo devo louvar a Deus, principalmente neste momento?

É a “confissão de louvor” ou de ação de graças. Trata-se de colocar a nossa vida à luz do amor misericordioso de Deus. 

2Confissão de vida

Depois de nos colocarmos na presença de Deus, surge espontaneamente a “confissão de vida”. 

Trata-se de responder às perguntas: “Que aspecto da minha vida não agrada ao olhar de Deus e por que minha pobre vida não está à altura dos dons e do amor de Deus?” 

A confissão de vida não consiste em arrependimento amargo, em autopiedade, em sentimento de culpa.

A confissão de vida é confessar: “Senhor, tu me conservaste no teu amor até agora e eu não pude retribuir, viver à altura da minha vocação”.

É o momento de reconhecer o que me distancia de Deus, o que mancha a harmonia da minha relação com Ele, os meus pecados para com os outros e com os dons que o Senhor me deu.

A confissão de vida reconhece as ofensas causadas ao coração de Deus. Assim, sofremos com Ele, pelas feridas que causamos. Em última análise, nossa dor pela dor que infligimos a Ele deve nos levar a um ato de amor.

3Confissão de fé

Desta forma, a confissão de vida, nos leva então à confissão de fé: a certeza de que Deus, com o seu amor, me acolhe e me cura. O ato de dor torna-se uma manifestação de fé e, consequentemente, de amor. 

Daí surge não só o propósito de arrependimento, mas também a resolução específica que adotarei para que, em 2023, minha vida esteja em harmonia com o amor de Deus.

A confissão de fé é a própria essência da fé cristã: fé em Jesus Salvador, fé no Evangelho de Jesus, que salva o homem do pecado

É chegado o momento de dizer: “Senhor, creio na tua força que me sustenta na minha fraqueza, creio no poder dos teus dons, que fortalecem a minha fraqueza e iluminam a minha falta de serenidade, que iluminam o meu caminho escuro e sombrio; Eu creio que tu és o Salvador da minha vida, que morreste na cruz pelos meus pecados.”

Em suma, Santo Agostinho e tantos contemplativos ao longo da história mostram-nos que o exame de consciência, se for verdadeiro, torna-se necessariamente um ato de amor a Deus. 

Te Deum

Por isso, após este exame de consciência, a Igreja recomenda encerrar o ano com a proclamação do “Te Deum”, hino que há séculos os cristãos atribuem (não por acaso) a Santo Ambrósio e a Santo Agostinho, por ocasião do batismo deste último pelo primeiro, em 387, na catedral de Milão.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
ConfissãoIgrejaSanto AgostinhoSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia