Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Bento XVI, o primeiro papa emérito contemporâneo

Pope-Benedict-XVI-holds-the-Cross-during-the-Via-Crucis-AFP

FILIPPO MONTEFORTE | AFP

I. Media - publicado em 31/12/22

O primeiro pontífice contemporâneo a viver sob o status de "ex-pontífice", Bento XVI deu a este status contornos muito pessoais

Bento XVI foi Papa Emérito mais tempo do que foi Papa em exercício. Ele exerceu o cargo de Vigário de Cristo por 2.873 dias (de 19 de abril de 2005 a 28 de fevereiro de 2013) e passou mais tempo do que isso como Papa Emérito. O primeiro pontífice contemporâneo a viver sob o status de “ex-pontífice”, Bento XVI deu a este status contornos muito pessoais, mesmo que isso signifique enfrentar algumas críticas.

O “papado emérito” de Bento XVI foi um fato feito sob medida: nenhum papa na história jamais renunciou voluntariamente a sua posição, exceto no caso de Celestino V em 1294, que voltou ao eremitério do qual havia sido removido alguns meses após sua eleição. Ele assim definiu os contornos do status do Papa Emérito: “não mais uma autoridade jurídica concreta, mas uma missão espiritual que permanece – mesmo que seja invisível”.

Aposentado a partir de maio de 2013 no mosteiro Mater Ecclesiae, nos jardins do Vaticano, onde desfrutou de uma velhice pacífica, acompanhado por seu fiel secretário, Dom Georg Gänswein, e por vários leigos consagrados que o assistiram, Bento XVI apareceu muito pouco em público – menos de uma dúzia de vezes. Ao contrário do que se lê frequentemente, ele nunca fez um voto de silêncio, lembra seu biógrafo Peter Seewald. Ele se permitiu, portanto, falar livremente durante este período, mesmo que o pontífice emérito insistisse frequentemente em não interferir no magistério de seu sucessor.

As vestes brancas de emérito

Ter dois papas tem sido frequentemente sinônimo de desunião na história da Igreja: Bento XVI quis, portanto, ter certeza de que o status de Papa Emérito o distingue claramente do Papa em exercício. O Papa emérito descartou, portanto, o anel do pecador (que, como após a morte, foi destruído) ou a mozzetta (a capa dos ombros). No entanto, ele manteve o hábito branco, o que lhe valeu algumas críticas, por exemplo, do Cardeal australiano George Pell.

Este detalhe não parece ter sido particularmente levado em conta pelo antigo chefe da Igreja Católica. Ele explicou em uma entrevista de 2014 que era uma escolha por padrão: “no momento da minha renúncia, nenhuma outra peça de vestuário estava disponível”.

Bispo… ou professor emérito?

Para viver sob o status de Papa Emérito, Bento XVI foi inspirado pelo status de Bispo Emérito, que estipula desde o Vaticano II que um antigo prelado não tem “nenhum envolvimento no conteúdo jurídico concreto do ofício episcopal, mas ao mesmo tempo […] vê o vínculo espiritual [com sua diocese, nota do editor] como uma realidade”. No caso de Bento XVI, este vínculo, ele considerou, é sobretudo uma questão de oração.

Dada sua formação em ensino e seu status como teólogo, Bento XVI – ou Joseph Ratzinger, pois ele gosta de assinar seus trabalhos acadêmicos – pode também ter previsto este status de “emérito” como o de professores aposentados em um sistema universitário ocidental. Da mesma forma que um professor emérito pode continuar a ensinar e intervir na vida intelectual, o pontífice emérito continuou durante sua “aposentadoria” a publicar para compartilhar sua experiência, deixando seu lugar no “púlpito” para seu sucessor. Em 2013, o Papa Francisco descreveu Bento XVI como um “avô em casa”, a quem ele consultava regularmente.

Um antigo papa deve ficar quieto?

Na sua maior parte, a livre expressão do “ex-pontífice” não interferiu com o ministério petrino. Entretanto, a questão do risco de um duplo magistério foi levantada em várias ocasiões. Este foi o primeiro caso em 2015 com a publicação de um texto contra o casamento de sacerdotes na Igreja Latina em uma reedição de suas Obras Completas, enquanto o Sínodo sobre a Família estava sendo realizado em Roma. Percebidas como contrárias ao espírito sinodal e desrespeitosas ao primado de seu sucessor, as notícias tinham irritado particularmente a ala “progressista” da Igreja, especialmente em seu país.

Em 2017, Bento XVI havia escrito uma mensagem lida no funeral do Cardeal Joachim Meisner. Uma metáfora usada, a do “barco prestes a tombar”, foi vista como uma crítica à Igreja liderada pelo Papa Francisco; muito para o pesar de Bento XVI, que diz ter se referido a um texto de São Gregório o Grande. Durante suas raras entrevistas à imprensa, o alemão nunca deixou de lhes lembrar que havia deixado de ter uma voz magisterial.

Tags:
Bento XVIIgrejaPapa
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia