Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Fevereiro |
Bem-aventurado Guilherme Saultemouche
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

O cristianismo é sal, não açúcar, dizia Ratzinger, futuro Bento XVI

Bento XVI dizia que o cristianismo é sal, não açúcar

Maxisport / Shutterstock.com

Jesús Colina - Miriam Diez Bosch - publicado em 03/01/23

Se havia algo que Ratzinger detestava, era a improvisação ou a falta de sentido

Não perca a Missa internacional por aqueles que precisam de cura. Levaremos suas intenções até o altar - de graça. Clique neste botão para enviar a sua intenção👇

Intenção de missa e oração pelos doentes

Qual é o segredo de Bento XVI? Como ele se tornou o Mozart da teologia do século XX e sucessor do apóstolo Pedro numa época em que o barco da Igreja foi tão fustigado por ventos violentos?

Esta foi a pergunta que fizemos, quase 30 anos atrás, ao monsenhor Josef Clemens, que era o secretário pessoal do então cardeal Joseph Ratzinger, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Mons. Clemens seria mais tarde consagrado arcebispo e ocuparia cargos importantes na Santa Sé. Sua resposta esclarece muitas dúvidas.

A influência de um gigante

“Aos 23 anos, Joseph Ratzinger dedicou dois anos da sua vida a estudar um dos maiores pensadores da história, Santo Agostinho, sobre quem escreveu a sua tese de doutorado”, disse-nos então monsenhor Clemens. “Quando você passa tanto tempo imerso no pensamento de uma mente tão brilhante, a sua própria mente muda, se aprofunda, se torna muito mais sensível e aguda”.

Esta informação facilita muito o entendimento do que Joseph Ratzinger nos diria mais tarde como teólogo e como Papa: o cristianismo é fogo. Não é, portanto, algo “chato”, mas algo que nos pede a paixão da fé para renovar o mundo – e sem esquecer quem é quem move o mundo.

Se havia algo que Ratzinger detestava, era a improvisação ou a falta de sentido: as coisas têm uma razão, não são apenas “porque sim”. O cristianismo é “sal”, não “açúcar”, costumava repetir.

Assim também se entende por que Bento XVI não foi um Papa brando ou manipulável. Ratzinger também era feito dessa matéria ígnea. Com os pés no chão, mas a alma no céu, sempre voltada ao sublime, o pontífice bávaro marcou a Igreja de maneira inusitada.

Não é em vão que ele se torna o Papa que renuncia: esse gesto o coloca num lugar sem precedentes na história da Igreja. E na história, simplesmente.

A grandeza da humildade

Ratzinger havia refletido muito sobre o Gênesis. Se há algo que Deus não tolera, é o orgulho. O orgulho humano arrogante que não se reconhece como criatura, que acredita poder dominar a natureza, que explora os seres humanos.

Ratzinger escreveu que o programa da modernidade é não querer mais ser imagem de Deus, mas imagem de nós mesmos; conferir a nós mesmos o poder sobre o mundo, sem respeitar o poder de Deus nem esperar nada d’Ele. E para ele, esquecer e dar as costas a Deus são as portas para a destruição e a devastação. E Ratzinger estava certo. Ele tinha meditado detidamente sobre o Espírito e a criação. E acreditava firmemente no Espírito que repara, que perdoa, que cria, que faz novas todas as coisas. Este Espírito criador e renovador não se deixa limitar, e o Papa bávaro era ciente disso. A Igreja pode ter os seus limites, mas o seu Espírito não.

A Igreja Católica se compromete com a tolerância, o respeito, a amizade e a paz entre todos os povos. Bento XVI o afirmou ao comparar as raízes comuns de judeus e cristãos. O Papa alemão não acreditava num Deus caprichoso, que teria feito o mundo sem saber o que queria.

Se quiser transformar a sua mente e o seu pensamento, você também pode seguir os passos de Ratzinger, mergulhando nos escritos de grandes espíritos, como o seu mestre Santo Agostinho. Se preferir, você pode ainda começar com a primeira encíclica do próprio Bento XVI, “Deus é amor”, que não perdeu nada do seu frescor depois de tantos anos. Ele nos acompanha com as suas linhas.

Tags:
Bento XVICristianismoIgrejaPapa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia