Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Por que rezamos pelas pessoas que estão morrendo?

Enfermo em leito de hospital representa a necessidade cristã de rezar pelas pessoas que estão morrendo

Thaiview | Shutterstock

Philip Kosloski - publicado em 04/01/23

Rezamos por aqueles que estão prestes a partir para que sejam fortalecidos nas suas horas finais e perseverem até o fim

A morte pode ser um momento inquietante na vida de uma pessoa, principalmente quando ela sabe que está prestes a partir desta vida a qualquer momento.

Por isso, é extremamente importante rezarmos por aqueles que estão morrendo e pedirmos a Deus que derrame a sua graça sobre a alma de quem vive esse momento inevitável neste mundo.

Na seção sobre o sacramento da unção dos enfermos, o Catecismo da Igreja Católica nos explica por que as pessoas que estão morrendo precisam das nossas orações.

A primeira graça deste sacramento é uma graça de reconforto, de paz e de coragem para vencer as dificuldades próprias do estado de doença grave ou da fragilidade da velhice. Esta graça é um dom do Espírito Santo, que renova a confiança e a fé em Deus, e dá força contra as tentações do Maligno, especialmente a tentação do desânimo e da angústia da morte. Esta assistência do Senhor pela força do seu Espírito visa levar o doente à cura da alma, mas também à do corpo, se tal for a vontade de Deus. Além disso, «se ele cometeu pecados, ser-lhe-ão perdoados» (Tg 5, 15).

Catecismo da Igreja Católica, 1520.

Satanás fará tudo o que puder para afastar uma alma de Deus durante os últimos momentos em que a pessoa permanece neste mundo: sentimentos enganosos de desespero e solidão, por exemplo, podem levar uma pessoa a pensar que Deus a abandonou. Além disso, também os sentimentos enganosos de vergonha e indignidade podem paralisar um indivíduo à beira da morte, fazendo-o pensar que, devido ao peso de seus pecados, ele não poderá ir para o céu.

São João Paulo II observa, na sua Carta aos Anciãos (1º de outubro de 1999), que a morte pode trazer consigo um certo medo do desconhecido que é difícil de suportar.

O Concílio disse a este respeito: «É em face da morte que o enigma da condição humana mais se adensa. Não é só a dor e a progressiva dissolução do corpo que atormentam o homem, mas também, e ainda mais, o temor de que tudo acabe para sempre».(20) Não há dúvida que a dor permaneceria inconsolável, se a morte fosse a destruição total, o fim de tudo. Por isso, a morte obriga o homem a colocar-se precisamente interrogações radicais sobre o sentido da vida: o que há para além do muro sombrio da morte? Constitui ela o termo definitivo da vida ou existe algo que a ultrapassa?

As pessoas que estão morrendo precisam das nossas orações para enfrentar essas questões com paz e serenidade. Precisam da graça de Deus para finalizar esta vida sem medo do desconhecido.

Em vez dessa inquietação, elas podem morrer em paz, sabendo que Jesus venceu a morte e as acolherá na sua morada eterna.

Tags:
DoençaMorteOraçãovida eterna
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia