Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Bento XVI “Santo subito”? Bispo diz que é cedo

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Funeral mass of Pope Emeritus Benedict XVI

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 06/01/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 6 de janeiro de 2023
  1. Bento XVI “Santo subito”? O bispo Bätzing considera que é muito cedo
  2. O funeral de Bento XVI: Um papa enterrando outro, lembra bispo
  3. Novo núncio nomeado para a República Centro-Africana e Chade

1Bento XVI “Santo subito”? O bispo Bätzing considera que é muito cedo

Por Camille Dalmas: Com relação a Bento XVI, “parece-me que deveríamos esperar mais como a Igreja prevê”, declarou Dom Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã, reagindo ao “Santo subito!” ouvido na multidão durante o funeral do papa emérito, por ocasião de um briefing de imprensa organizado algumas horas após a missa de 5 de janeiro. Ele lembrou que a Igreja Católica recomenda esperar cinco anos antes de considerar um possível processo de canonização.

O prelado alemão insistiu que o fenômeno observado em 2005 durante o funeral de João Paulo II é único. A multidão havia solicitado maciçamente a rápida canonização do pontífice polonês, “algo único na história da Igreja”, segundo ele.

Um estilo “simples”

“Foi um dia muito tocante para a Igreja alemã e, naturalmente, para o mundo”, o bispo de Limburg insistiu espontaneamente na missa fúnebre de seu compatriota. Ele enfatizou os “momentos de oração silenciosa”. “Isto é algo que sem dúvida teria agradado muito ao Papa Emérito”, disse ele.

O bispo alemão também garantiu que o falecido papa teria apreciado a homilia do Papa Francisco, explicando que era mais uma homenagem à sua espiritualidade do que um texto “sobre a pessoa”. Ele observou que o Papa argentino citou Bento XVI quatro vezes em sua homilia.

De modo mais geral, o Bispo Bätzing ficou satisfeito por ter participado de uma celebração que foi “tanto simples quanto grandiosa”. Ele lembrou que a presença de 50.000 pessoas, comparada com cerca de um milhão para João Paulo II em 2005, era “parte” do “estilo simples” do falecido pontífice, mas um resultado de seu status como Papa Emérito. “Não achei que houvesse poucas pessoas”, insistiu ele.

O presidente da Conferência Episcopal Alemã também rejeitou qualquer “polaridade” que se opusesse aos “progressistas e tradicionalistas” por trás de Francisco e do falecido pontífice. Para ele, ambos tinham no coração o “desenvolvimento” da Igreja. Entretanto, ele insistiu que o “estilo” do Papa atual, que defende uma maior sinodalidade, era “o caminho a seguir” para o futuro da Igreja.

O lugar do Bispo Gänswein

Perguntado sobre o futuro do secretário do Papa Bento XVI, Dom Georg Gänswein, e se ele poderia ser nomeado bispo na Alemanha, Dom Bätzing explicou que esta decisão dizia respeito à “pessoa interessada” e ao dicastério para bispos em Roma. Ele agradeceu ao Bispo Gänswein por seu serviço a Bento XVI.

Com relação à declaração do Bispo Gänswein de que Bento XVI foi “profundamente afetado” pelo Motu proprio Traditionis custodes em 2021, o Bispo de Limburg disse que o falecido pontífice estava “interessado em dialogar com as partes mais tradicionalistas da Igreja”. No entanto, ele apoiou o Papa Francisco, apontando o risco de ter muitos ritos diferentes e recordando a natureza conciliar do rito atual.

2O funeral de Bento XVI: Um papa enterrando outro, lembra bispo

Por Cyprien Viet e Camille Dalmas: “Foi uma cerimônia muito simples, muito sóbria e, ao mesmo tempo, extremamente profunda”, disse o Arcebispo Vincent Jordy of Tours e vice-presidente da Conferência Episcopal Francesa após a missa fúnebre para Bento XVI, em 5 de janeiro. Ele destacou como o exercício não foi “simples” para o Papa Francisco: “É original, um papa enterrando um papa”.

“Penso que o Papa Francisco queria se afastar de certa forma e deixar Jesus ir primeiro, porque era Ele que Bento XVI estava seguindo”, explicou o arcebispo francês. A missa fúnebre foi relativamente curta – cerca de 1 hora e 15 minutos – assim como a homilia do pontífice, que teve apenas 8 minutos de duração, com apenas algumas breves referências ao pontífice alemão.

Este último concluiu, porém, com um comovente discurso pessoal de Francisco: “Bento, fiel amigo do Esposo, que sua alegria seja perfeita quando você ouvir Sua voz para todo o sempre!” Então um grande silêncio caiu sobre a praça, que o bispo Jordy observou: “Houve alguns momentos muito longos de silêncio e interiorização”.

No geral, o Arcebispo de Tours encontrou “o Santo Padre muito recolhido e realmente imerso em sua oração”. No final da celebração, o pontífice foi atrás do altar para meditar diante do caixão de seu predecessor, inclinando-se como se quisesse mostrar seu respeito, colocando sua mão sobre o caixão e abençoando-o.

3Novo núncio nomeado para a República Centro-Africana e Chade

Por Cyprien Viet: O Papa Francisco nomeou o Arcebispo Giuseppe Laterza, prelado italiano nascido em Puglia em 1970, como núncio apostólico com duplo credenciamento na República Centro-Africana e no Chade, informou a Sala de Imprensa da Santa Sé em 5 de janeiro.

Dom Giuseppe Laterza, 52 anos, foi ordenado sacerdote da diocese de Conversano-Monopoli em 12 de novembro de 1994, seu 24º aniversário. Depois de estudar direito canônico, ele entrou para o serviço diplomático da Santa Sé em 1 de julho de 2003.

Suas atribuições incluíram as nunciaturas no Uruguai, Polônia, Itália e Geórgia, assim como no Vaticano, na seção da Secretaria de Estado para as Relações com os Estados e Organizações Internacionais. Além do italiano, ele fala francês, inglês e espanhol.

Sua primeira posição como núncio levará à sua ordenação episcopal nas próximas semanas.

Uma situação de segurança precária

A República Centro Africana é um país marcado pela instabilidade e pela violência, mas também pela figura carismática do Cardeal Dieudonné Nzapalainga, Arcebispo de Bangui, que ajudou a reduzir a tensão ao iniciar um diálogo com outros líderes religiosos. Cerca de 80% da população da África Central é cristã e 10% muçulmana.

Apesar da situação de segurança incerta, a República Centro-Africana foi visitada pelo Papa Francisco em novembro de 2015, 20 anos depois de João Paulo II. Como prólogo ao Jubileu da Misericórdia, o pontífice argentino abriu a primeira Porta Santa na Catedral de Bangui.

O Chade é predominantemente muçulmano: cerca de 55% da população adere ao Islã, mas a minoria católica representa cerca de 20% da população, ou metade dos cristãos locais. A última – e única – visita papal ao país foi feita por João Paulo II em 1990.

A nunciatura nos dois estados está vaga desde a transferência do arcebispo Santiago de Wit Guzman como Núncio Apostólico para Trinidad e Tobago em 30 de julho de 2022.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Bento XVIDireto do VaticanoMorte
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia