Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 27 Janeiro |
São João Maria, chamado Muzei ou Ancião
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Por que o cristianismo coloca os mortos no centro de seus ritos?

The body of Pope Emeritus Benedict XVI lies in state at St. Peter's Basilica in the Vatican

Antoine Mekary | ALETEIA

Christian De Cacqueray - publicado em 06/01/23

O corpo de Bento XVI exposto diante do mundo é uma mensagem. Christian de Cacqueray, fundador do Serviço Funerário Católico, explica por que a presença encarnada do falecido continua sendo central para os ritos do cristianismo

A exposição dos restos mortais de Bento XVI na Basílica de São Pedro, como é costume com todos os papas falecidos, mostra ao mundo o quanto o catolicismo é uma religião da encarnação. E da encarnação até o fim, ou seja, até o túmulo. Cristo foi o primeiro exemplo disso, embora a tortura da cruz o destinasse inevitavelmente à sepultura comum, e ainda assim seus restos mortais receberam cuidados pós-morte. De acordo com a tradição judaica da época, dois dignitários, José de Arimateia e Nicodemos, providenciaram este cuidado antes de seu enterro em uma nova tumba.

A dignidade absoluta de cada pessoa

Desde então, com variações de acordo com os tempos e culturas, o catolicismo tem ritualizado um percurso funerária que coloca o cadáver no centro da peregrinação que o funeral constitui. Do leito do defunto ao cemitério, passando pela igreja local, a presença encarnada do defunto permanece central. E enquanto a Reforma Protestante baniu os caixões dos templos para demonstrar que uma vez mortos, tudo está nas mãos de Deus, é interessante notar que existem muitas exceções a este comportamento hoje em dia.

Então, por que o cristianismo como um todo coloca o cadáver no centro de seus ritos? Primeiramente, demonstrar publicamente o respeito devido a todos os restos mortais. Como templo do Espírito, sua valorização é um lembrete da dignidade absoluta e inalienável de todo ser humano. Penso, por exemplo, em contraste, no efeito profundamente traumático do tratamento desumano dos mortos deixados sem enterrar durante um genocídio.

Na morte, os laços do espírito

Em segundo lugar, a visão dos restos mortais confronta os vivos com o significado de sua existência. Poder-se-ia até dizer que ela dirige a cada pessoa viva uma palavra pessoal que pode contribuir para dar nova vida àquilo que nela estava indo em direção ao nada. Ela o convida a acreditar que na morte, a relação na ordem da carne pode ceder lugar à relação na ordem do espírito. Este é um longo aprendizado que chamamos de caminho de luto, no qual cada história humana é singular.

A exposição do cadáver do Papa Bento XVI, traz ao mundo uma mensagem universal sobre o ser humano

Antonin Sertillanges, um padre dominicano que morreu em meados do século passado, evoca sutilmente o Céu que, por ocasião de um luto, se torna familiar: “É a casa da família”, acrescenta ele, “a casa em seu andar superior […]. E de cima para baixo, a memória, a ajuda, as chamadas respondem umas às outras”. Agora, não é por acaso, creio eu, que a Modernidade, particularmente nos grandes centros urbanos, rejeita os mortos para a periferia, para lugares onde eles estão concentrados, longe da vida social. Ali, em meio a um tecnicismo, aliado a uma higiene triunfante, a palavra que toda morte carrega, destinada aos vivos, luta para ser ouvida, de tal forma que tudo contribui para sufocá-la.

Nestas condições, a exposição do corpo morto do Papa emérito Bento XVI traz ao mundo uma mensagem universal sobre o homem, seu destino, sua fragilidade e sua transcendência. Em resumo, é uma tradição bela e de grande atualidade.

Tags:
Bento XVICristianismoLiturgiaMorte
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia