Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Fevereiro |
Bem-aventurado Guilherme Saultemouche
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Monogenismo ou poligenismo na origem humana?

GARDEN OF EDEN

Public Domain

Vanderlei de Lima - publicado em 09/01/23

Há tempos, se debate se houve, na origem humana, um só casal (Adão e Eva) – o monogenismo – ou vários casais – o poligenismo

Não perca a Missa internacional por aqueles que precisam de cura. Levaremos suas intenções até o altar - de graça. Clique neste botão para enviar a sua intenção👇

Intenção de missa e oração pelos doentes

Há tempos, se debate se houve, na origem humana, um só casal (Adão e Eva) – o monogenismo – ou vários casais – o poligenismo. Bons teólogos dizem que o poligenismo não contradiz a fé, mas a Igreja, de modo oficial, defende até hoje o monogenismo. Eis a razão de, neste artigo, estudarmos a questão.

Logo de início, importa notar que a ciência não conseguiu até agora tocar o instante zero da vida humana; por isso, a defesa da existência de um ou de mais casais na origem da humanidade permanecem como meras teorias científicas. Desenvolvendo o tema, vemos duas grandes hipóteses sobre a origem humana na terra: a do polifiletismo (poly: muitos; phylon: tronco) a defender o surgimento do homem e da mulher em vários lugares (África, Ásia, Europa…) e a do monofiletismo (mono: um; phylon: tronco) a afirmar que o ser humano teve origem num só lugar. Esta última teoria se subdivide em poligenismo (muitos casais do mesmo tronco na origem humana) e monogenismo (um só casal desse único tronco no princípio de tudo). 

Ante o exposto, devemos dizer que o polifiletismo contraria a fé, pois dá a ideia de um tipo de surgimento espontâneo ou casual do ser humano. Já o monofiletismo é assaz plausível com o dogma do Deus criador, seja por criação direta, seja por evolução. Resta saber se houve um ou mais casais na origem humana. Ora, como dito, o poligenismo foi (e é) defendido por grandes teólogos (Karl Rahner, Crusafont, Estêvão Bettencourt etc.). Julgam eles que esta sentença teológica não contraria a fé. Para isso interpretam de modo um tanto forçado o texto de Rm 5,12-20, as declarações do Concílio de Trento e as da encíclica Humani generis sobre o assunto. Segundo esses teólogos, o importante, em suma, é que o ser humano – um ou mais, não lhes importa –, pecou. O dogma do pecado original, mesmo no poligenismo, permaneceria, portanto, intocável (cf. Dom Estêvão Tavares Bettencourt, OSB. Curso de Antropologia Teológica. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 2017, p. 148-153).

Pois bem, entre dois ensinamentos contraditórios – o de bons teólogos e do o Magistério da Igreja – não é difícil ficar com o do Magistério: o monogenismo. Afinal, o Magistério da Igreja, é ainda que em graus diferentes – exercido de modo ordinário ou extraordinário –, a instância segura e apta para interpretar autenticamente a Palavra de Deus, que é uma só, mas chega até nós por dois canais: a Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição (cf. Catecismo da Igreja Católica n. 84-87; Lumen Gentium, 25). 

Pois bem, a encíclica Humani Generis, do Papa Pio XII, depois de dar liberdade aos católicos cultos para debaterem a evolução da matéria como origem do corpo material (não da alma espiritual, pois esta é criada e infundida diretamente por Deus em cada ser humano), faz reservas ao poligenismo com as seguintes palavras: “Mas, tratando-se de outra hipótese, isto é, a do poligenismo, os filhos da Igreja não gozam da mesma liberdade, pois os fiéis cristãos não podem abraçar a teoria de que depois de Adão tenha havido na terra verdadeiros homens não procedentes do mesmo protoparente por geração natural, ou, ainda, que Adão signifique o conjunto dos primeiros pais; já que não se vê claro de que modo tal afirmação pode harmonizar-se com o que as fontes da verdade revelada e os documentos do magistério da Igreja ensinam acerca do pecado original, que procede do pecado verdadeiramente cometido por um só Adão e que, transmitindo-se a todos os homens pela geração, é próprio de cada um deles” (n. 37).

Tenha, por fim, a palavra o padre Leo Trese, destacado sacerdote norte-americano que se tornou referência na catequese sólida também entre nós, ao escrever que “todos os homens descendem de um homem e de uma mulher. Adão e Eva foram os primeiros pais de toda a humanidade. Não há na Sagrada Escritura verdade mais claramente ensinada do que esta. O livro do Gênesis estabelece conclusivamente a nossa comum descendência desse único casal” (A Fé explicada. 15ª ed. São Paulo: Quadrante, 2021, p. 51-52; cf. também Rm 5,12-20 que se funda, de modo literal, no monogenismo).

Eis o que caberia dizer sobre o poligenismo e o monogenismo.

Tags:
BíbliaCriaçãoDoutrina
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia