Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Fevereiro |
Bem-aventurado Guilherme Saultemouche
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: As medidas tomadas contra o padre Tony Anatrella

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Funeral mass of Pope Emeritus Benedict XVI

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 18/01/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 18 de janeiro de 2023

  1. A Igreja toma medidas contra o Padre Tony Anatrella
  2. RDC: “tristeza” e “proximidade” do Papa após o ataque em Kasindi
  3. O rito zairiano, um modelo único de adaptação litúrgica à cultura africana

1A Igreja toma medidas contra o Padre Tony Anatrella

Por Hugues Lefèvre – O Dicastério para a Doutrina da Fé ordenou ao Padre Tony Anatrella que cessasse toda a atividade profissional, de acordo com uma declaração emitida pela Diocese de Paris em 17 de janeiro. O arcebispo Laurent Ulrich disse que o padre psicanalista suspeito de abuso sexual de homens jovens não pode mais dar confissões e deve levar “uma vida de oração em um lugar remoto”.

O Arcebispo de Paris enviou uma “moção com um preceito penal” ao padre parisiense de 81 anos, ou seja, uma advertência de caráter disciplinar, que especifica o mandado de segurança do Vaticano. O padre é “formalmente solicitado, sob pena de sanções canônicas”, a cessar todas as atividades relacionadas à psicoterapia, a parar de publicar obras, a presidir ou concelebrar a missa em público ou a confessar. Também fica claro que o padre, anteriormente conhecido como o “psiquiatra da Igreja”, não poderá mais participar de colóquios ou reuniões públicas. Em fevereiro de 2022, Tony Anatrella participou de um colóquio sobre o sacerdócio no Vaticano, causando consternação entre alguns dos convidados.

Em seu comunicado à imprensa, a diocese de Paris não especifica a natureza dos fatos que são censurados ao sacerdote-terapeuta, acusado por antigos pacientes de ter praticado terapias corporais destinadas a “curá-los” de sua homossexualidade e de ter levado a abusos sexuais, noticiou o jornal La Croix em 2018. “Após várias denúncias que foram rejeitadas pela justiça francesa devido à prescrição, um procedimento canônico visando o Padre Tony Anatrella foi iniciado em 2016 pela diocese de Paris”, disse a declaração. As sanções já haviam sido tomadas em 2018. No ano seguinte, foi apresentada uma queixa por uma pessoa menor de idade na época dos atos incriminatórios.

2RDC: “tristeza” e “proximidade” do Papa após o ataque em Kasindi

Por Anna Kurian – O Papa Francisco expressou sua tristeza e compaixão em 17 de janeiro pelas vítimas do ataque de 15 de janeiro a uma igreja Pentecostal em Kasindi, no leste da República Democrática do Congo. O ataque deixou pelo menos 10 mortos e cerca de 40 feridos, duas semanas antes de sua visita apostólica ao país, agendada para 31 de janeiro a 3 de fevereiro.

Em um telegrama assinado pelo Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin e dirigido ao Reverendo André Bokundoa-Bo-Likabe, Presidente da Igreja de Cristo no Congo, o Pontífice expressou sua “tristeza” por esta tragédia “que causou a morte de pessoas inocentes”. O chefe da Igreja Católica expressou sua “compaixão” e sua “proximidade” com “todas as famílias duramente atingidas por esta tragédia”. Ele confia os mortos e feridos “à misericórdia de Deus” e reza para que “os aflitos encontrem consolo e confiança em Deus, invocando sobre eles o dom da paz”.

De acordo com a agência Fides, as forças armadas congolesas atribuíram a explosão mortal aos terroristas da ADF/MTM (Forças Democráticas Aliadas), também conhecida como Província da África Central do Estado Islâmico (ISCAP). O ataque foi alegadamente uma retaliação pelas perdas do exército aos rebeldes no território de Beni, no Kivu Norte, na fronteira com Uganda. Em sua próxima viagem à RDC, o Papa Francisco permanecerá em Kinshasa, mas não visitará Goma, a capital do Kivu do Norte. Isto foi planejado para a viagem de julho de 2022, mas acabou sendo retirado da viagem deste inverno – por razões de segurança. Ao invés disso, o Papa se encontrará com as vítimas dos conflitos no leste da RDC.

3O rito zairiano, um modelo único de adaptação litúrgica à cultura africana

Por Cyprien Viet: Um dos destaques da viagem do Papa Francisco à República Democrática do Congo será a missa celebrada em 1 de fevereiro perante pelo menos 120.000 pessoas reunidas na pista do aeroporto de Ndolo em Kinshasa, que deverá incluir elementos do rito zairiano. Esta liturgia foi tornada possível pelo Concílio Vaticano II. Sua elaboração exigiu quase duas décadas de trabalho e diálogo entre Roma e o episcopado zairense. Embora existam algumas especificidades em certas dioceses em virtude de tradições mais antigas, como o rito ambrosiano em Milão, o rito zairiano representa, no momento, um exemplo único de inculturação da liturgia católica em escala nacional.

As melodias deste rito, que integra elementos específicos da cultura africana na liturgia católica romana, ressoaram duas vezes sob as abóbadas da Basílica de São Pedro, em 1 de dezembro de 2019 e mais recentemente, em 3 de julho de 2022, durante uma missa celebrada diante da comunidade congolesa em Roma para compensar o adiamento da visita papal devido ao seu estado de saúde. O secretário do dicastério do Culto Divino, Arcebispo Vittorio Francesco Viola, havia lembrado a ligação frequentemente mencionada pelo Papa Francisco entre “o compromisso com a nova evangelização” e “a inculturação da liturgia”. Ele falou em 20 de junho de 2022 em uma conferência para apresentar a edição francesa do livro da Irmã Rita Mboshu Kongo sobre o tema, publicado pela Editora Vaticana.

A franciscana havia explicado que “sendo plenamente romano, este Missal apresenta adaptações particulares: a evocação dos antepassados no início da celebração, o ato penitencial após a homilia, o rito de paz após o ato penitencial”. Em uma carta enviada por ocasião da apresentação deste livro, o Papa Francisco descreveu o rito zairense, também chamado “rito congolês”, como “modelo para outras Igrejas em busca de uma expressão litúrgica apropriada para levar à maturidade os frutos do empreendimento missionário de evangelização das culturas e de inculturação do Evangelho”.

Ecos tão distantes quanto a Amazônia

O Arcebispo Viola havia feito um paralelo deste trabalho sobre o rito zairense com a idéia de um rito próprio da Amazônia, um tema levantado no Sínodo de 2019. Em sua exortação Querida Amazônia, o Papa pediu que “o patrimônio cultural seja bem utilizado na busca de uma liturgia que possa responder a um esforço de inculturação dos povos indígenas”, ele lembrou.

O Arcebispo Viola disse que a inculturação é a “nova fronteira” da reforma litúrgica que saiu do Concílio. No Concílio Vaticano II, a Constituição Sacrosanctum Concilium abriu a possibilidade de adaptar a liturgia às culturas locais, especificando que a Igreja “não deseja impor uma forma rígida de uma única expressão na liturgia: ao contrário, cultiva as qualidades e os dons dos diversos povos”. “Desde que a unidade substancial do Rito Romano seja salvaguardada, serão admitidas diferenças legítimas e adaptações à diversidade das assembleias, regiões e povos, especialmente nas missões, mesmo quando os livros litúrgicos forem revisados”, os Padres do Concílio especificaram neste texto, que foi votado com um consenso muito amplo, por 2.158 votos a favor e apenas 19 contra.

Por enquanto, o rito zairense continua sendo a única ilustração concreta desta inculturação litúrgica que se tornou possível. O trabalho de elaboração de um potencial “rito amazônico” permanece “em alto mar”, reconheceu o Arcebispo Viola, mencionando como uma ação concreta até hoje a simples criação de uma comissão para refletir sobre a viabilidade de tal passo.

Permanecer em comunhão com Roma para evitar tornar-se uma seita

Nos anos de tumulto intelectual e litúrgico que se seguiram ao Concílio Vaticano II, o episcopado congolês teve o cuidado de manter a plena comunhão com o sucessor de Pedro. “Para ser católico, o culto eucarístico que celebramos no Zaire deve justificar sua origem apostólica”. Caso contrário, nos tornaríamos uma seita”, disse os bispos do país, que estavam envolvidos na promoção do rito zairiano.

O Dicastério para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, portanto, desempenhou e ainda desempenha um papel central no acompanhamento desses esforços. De 1969 a 1988, um diálogo intenso e regular foi conduzido sob o impulso do Cardeal Joseph-Albert Malula (1917-1989), Arcebispo de Kinshasa, durante 25 anos. Esta figura central para a Igreja pós-colonial na África foi designada por João XXIII como membro da comissão litúrgica preparatória para o Concílio Vaticano II, e posteriormente identificou com seus confrades congoleses um método para “buscar uma estrutura africana e zairense” na adaptação do Missal Romano editado por Paulo VI.

Um lento processo de quase duas décadas ocorreu entre o pedido do episcopado local em 1969 e a aprovação deste Missal Romano para as dioceses do Zaire em 1988. Os dicastérios para o Culto Divino e para a Doutrina da Fé estudaram as celebrações realizadas ad experimentum. Nos anos 80, o próprio Cardeal Joseph Ratzinger foi ao Zaire para observar a implementação desta liturgia e fazer observações.

A Irmã Rita Mboshu Kongo disse que seu estudo sobre “a recepção e adaptação da liturgia conciliar na República Democrática do Congo” foi, para alguns, “uma fonte de curiosidade” e, para outros, “um motivo para despertar”. O rito zairiano foi de fato abandonado em algumas paróquias e dioceses, notadamente devido à complexidade étnica e linguística deste imenso país.

“Este rito evoluiu, como um corpo humano que nasce e precisa se desenvolver”, acrescentou o teólogo congolês, observando que “é este caráter evolutivo que nos mergulha na história, para entender que é uma obra laboriosa da segunda evangelização do Congo”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Abusos SexuaisDireto do VaticanoPadres
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia