Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 27 Janeiro |
São João Maria, chamado Muzei ou Ancião
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: As últimas obras teológicas de Bento XVI coletadas em um livro

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Angelus-prayer-at-St.-Peters-square-Jan-06-2023

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 19/01/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 19 de janeiro de 2023

  1. Os últimos trabalhos teológicos de Bento XVI reunidos em um livro
  2. Papa expressa tristeza após bombardeio de prédio na Ucrânia
  3. Papa pede orações pelo padre assassinado na Nigéria no domingo

1As últimas obras teológicas de Bento XVI reunidas em um livro

Por Camille Dalmas – Uma coleção de vários textos, alguns inéditos, “What is Christianity – A Quasi-Spiritual Testament” (Mondadori, 20 de janeiro de 2023), já disponíveis em livrarias na Itália, reúne os últimos textos de Bento XVI, escritos após sua renúncia em 2013. O livro testemunha o interesse ainda vivo do pontífice pelo debate acadêmico em seus últimos anos.

Em 2019, Bento XVI confiou a publicação de seus últimos escritos a um de seus amigos próximos, o teólogo italiano Elio Guerriero, diretor da revista Communio e autor de uma biografia do 265º papa (Servo de Deus e da Humanidade, Mame, 2017). O bispo Georg Gänswein, secretário particular do pontífice, também participou da preparação do volume, mas não é citado pelo falecido pontífice em seus agradecimentos. Ao todo, o volume de 192 páginas é composto de 16 textos escritos pelo pontífice emérito entre 2014 e 2022, quatro dos quais inéditos.

Elio Guerriero explica em uma introdução à edição que a publicação póstuma destes textos é o resultado da controvérsia que irrompeu após a publicação da contribuição do pontífice emérito sobre o celibato dos sacerdotes no livro Des profondeurs de nos cœurs (Fayard, 2020), do Cardeal Robert Sarah. Confirmando as palavras do Papa conforme relatadas pelo bispo Gänswein em suas memórias, o teólogo italiano explica que Bento XVI havia então decidido que não publicaria mais textos durante sua vida.

O 265º Papa explicou as razões disso em uma carta datada de 13 de janeiro, citada por Guerriero: “A fúria dos círculos que se opõem a mim na Alemanha é tão forte que o aparecimento da mais leve palavra minha provoca imediatamente um tumulto assassino de sua parte”.

Se deixarmos de lado os textos já conhecidos – alguns discursos oficiais, duas homenagens, incluindo uma a João Paulo II, dois prefácios, uma entrevista aos jesuítas e uma correspondência com um rabino – os textos inéditos testemunham um forte desejo de continuar o debate com a esfera intelectual católica, em particular com a de seu país.

Um desacordo final com Karl Rahner

Este é o caso do primeiro texto inédito, O que é Religião, um breve texto de seis páginas concluído em 19 de março de 2022. Nele, Bento XVI oferece uma reflexão sobre o “movimento” histórico dos fenômenos religiosos a partir de uma perspectiva cristã. Ele explica como os politeísmos, e em particular o paganismo, foram integrados aos monoteísmos depois de serem combatidos e “purificados”. Este movimento, explica ele, citando a obra de Henri de Lubac, está no coração do cristianismo que, com Cristo, vem para libertar os homens do medo do poder que atribuíam às divindades.

Ele observa que depois do paganismo, dois caminhos se abriram, o dos monoteísmos Abraâmicos, nos quais “o Deus único, como pessoa, determina o mundo inteiro”, e por outro lado as religiões místicas, notadamente o budismo do Himalaia. Ele aponta que esta tendência mística encontrou um eco na cultura europeia e até mesmo na teologia cristã.

Bento XVI dá como exemplo uma citação atribuída a um de seus opositores mais famosos na cena teológica, o alemão Karl Rahner: “O cristão de amanhã será místico ou não será”. Reconhecendo que ele “desistiu de tentar entender o que Rahner quis dizer com esta frase”, ele deplora uma interpretação que considera que as religiões estão caminhando para uma “devoção impessoal” do divino, uma tendência que ele diz estar “em total contradição” com a intenção e o desenvolvimento histórico do cristianismo.

Intolerância contra o cristianismo em nome da tolerância

O segundo texto, datado de dezembro de 2018 e com 17 páginas, intitula-se Monoteísmo e tolerância. Ela é apresentada como uma resposta a um ensaio escrito em 2018 por Eckhard Nordhofen, um teólogo alemão que aponta as ligações entre a afirmação do único Deus e a intolerância. Bento XVI contesta esta manifestação e ao mesmo tempo lamenta que o cristianismo seja hoje “vítima precisamente de uma intolerância crescente em nome da tolerância”.

Contando vários episódios da história do povo judeu no Antigo Testamento, Bento XVI sublinha a diversidade das concepções de monoteísmo na narrativa bíblica. Ele passou a desafiar a acusação de que o cristianismo é intolerante porque afirma manter a verdade, dizendo que o Cristo crucificado é, pelo contrário, “o autêntico contrapeso a todas as formas de intolerância”.

O cristianismo não é uma religião do Livro

Impelido por uma publicação desta vez de um livro do teólogo protestante Adolf von Harnack, o terceiro texto inédito, O Diálogo Cristão-Muçulmano, é uma breve reflexão de quatro páginas, concluída em 1º de março de 2018. Neste texto, o pontífice emérito destaca o mal-entendido que ele vê na expressão “religião do Livro”.

Embora ele o considere apropriado para o Islã e sua relação com o Corão, que os muçulmanos descrevem como revelado por Deus ao Profeta, ele acredita que ele não é de modo algum apropriado para o Cristianismo. Ele adverte contra uma leitura equivocada do diálogo inter-religioso que resultaria de uma concepção idolátrica do texto bíblico.

Um ensaio contra a intercomunhão

O último texto inédito, O Significado da Comunhão, concluído em 28 de junho de 2018, aborda a questão da intercomunhão, ou seja, a possibilidade dos cristãos de diferentes confissões receberem a comunhão juntos. A Igreja Católica não permite a intercomunhão em certos casos.

Nas 22 páginas do ensaio, em uma longa reflexão sobre o significado da Eucaristia, Bento XVI enfatiza o significado sacramental da comunhão. Isto, ele argumenta, torna impossível conceber a intercomunhão com as igrejas protestantes. Ao invés disso, ele defende um “verdadeiro ecumenismo” que não seria capaz de negar as importantes diferenças que existem entre as confissões cristãs sobre a questão da comunhão.

Bento XVI corrigiu seu ensaio publicado no livro da Cardeal Sarah

Os outros doze textos do livro são conhecidos, exceto o publicado em 2020 em From the Depths of our Hearts, que Bento XVI descreve como “a obra do Cardeal Sarah” em seu prefácio. Ele explica que tomou a versão então publicada e “deu-lhe um novo centro de gravidade”.

Se o objetivo do texto inicial – a defesa dos fundamentos teológicos do sacerdócio – não varia, a estrutura foi de fato amplamente reorganizada e enriquecida por vários parágrafos.

2Papa expressa tristeza após bombardeio de prédio na Ucrânia

Por Cyprien Viet – “Não nos esqueçamos de rezar pela Ucrânia martirizada, que precisa tanto de proximidade, conforto e acima de tudo de paz”, o Papa Francisco mais uma vez suplicou ao final da audiência geral em 18 de janeiro, quando a ofensiva russa entra em seu 12º mês, sem sinal de fim dos combates.

O Papa se referiu ao bombardeio de um edifício que matou 45 pessoas e deixou 20 desaparecidas em 14 de janeiro em Dnipro, a terceira maior cidade do país, anteriormente conhecida como “Dnepropetrovsk” até 2016.

“No sábado passado, outro ataque com mísseis resultou em muitas vítimas civis, inclusive crianças. Eu compartilho a dor desoladora de seus parentes. As imagens e os testemunhos deste trágico episódio são um forte apelo a todas as consciências. Não podemos ficar indiferentes”, disse o Papa Francisco.

A Rússia negou a responsabilidade pela perda de vidas, alegando que os sistemas antiaéreos ucranianos foram responsáveis pela deflexão do míssil para um edifício habitado.

A luta intensa continuou nos últimos dias, particularmente em torno de Soledar e Bakhmut, duas cidades estratégicas na província de Donetsk. Os soldados ucranianos testemunharam a extrema violência do grupo de mercenários russos Wagner, muitos dos quais são ex-prisioneiros especificamente libertados para lutar na Ucrânia.

Além das baixas diretas da guerra, a Ucrânia foi atingida por outra tragédia na manhã de 18 de janeiro, quando o helicóptero do Ministro do Interior Denis Monastyrsky caiu perto de um hospital infantil na área metropolitana de Kiev. Segundo a BBC, 18 pessoas morreram, incluindo o ministro, o vice-ministro e o secretário de Estado do Interior, assim como duas crianças. O governador de Kiev também relatou que 22 pessoas foram feridas, incluindo 10 crianças.

O ministro do Interior, que chefiou a polícia ucraniana e vários serviços de resgate, é a mais alta figura ucraniana a ser morta desde que a ofensiva russa começou em fevereiro de 2022. As autoridades não excluem qualquer possibilidade, desde um simples acidente técnico até um ataque ligado à luta em andamento, que, no entanto, não diz respeito diretamente à área do acidente.

3Papa pede orações pelo padre assassinado na Nigéria no domingo

Por Hugues Lefèvre: “Peço a todos vocês que rezem comigo pelo Padre Isaac Achi, da diocese de Minna, no norte da Nigéria, que foi morto no domingo passado em sua casa paroquial”, disse o Papa Francisco durante sua catequese na quarta-feira, 18 de janeiro. O padre da região de Paikoro, no centro da Nigéria, morreu em um incêndio provocado por bandidos.

Outro padre, o padre Collins Omeh, foi baleado enquanto tentava escapar. Posteriormente foi hospitalizado. O arcebispo Filipazzi, núncio apostólico no país, disse ao Vaticano News que “os dois sacerdotes, quando já tinham sido feridos e a casa estava prestes a ser incendiada, confessaram-se um ao outro enquanto se preparavam para a morte”. O Núncio também disse que não sabia as razões exatas do ataque.

Algumas horas após a tragédia, outro ataque a católicos que se preparavam para ir à missa ocorreu no estado de Katsina, no noroeste do país. “Os terroristas apreenderam cinco pessoas na casa, atiraram na mão de um padre e fugiram com os cinco reféns”, disse à AFP o porta-voz da polícia estadual Gambo Isa.

“Quantos cristãos sofrem violência em sua própria carne: rezemos por eles!” concluiu o Papa Francisco em seu apelo, pois a Nigéria é atingida muito regularmente por ataques.

89% dos cristãos mortos em todo o mundo são mortos na Nigéria

De acordo com o Índice Global de Perseguição Cristã publicado pela ONG Portas Abertas esta semana, 360 milhões de cristãos são hoje “fortemente perseguidos e discriminados, ou seja, 1 em cada 7 cristãos no mundo”.

A ONG adverte particularmente sobre a situação de perseguição na Nigéria. “Os cristãos são frequentemente alvo específico por causa de sua fé pelos grupos terroristas islâmicos Boko Haram, Estado islâmico na África Ocidental, e por militantes extremistas e criminosos Fulani, que sequestram e assassinam com quase impunidade”, o relatório detalha.

Segundo a Open Doors, a Nigéria é o país líder em termos de violência contra os cristãos: “É responsável por 89% dos cristãos mortos e 90% dos cristãos sequestrados em todo o mundo. Também está em segundo lugar em termos de igrejas atacadas”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Bento XVIDireto do VaticanoLivrosTerrorismo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia