Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 27 Janeiro |
São João Maria, chamado Muzei ou Ancião
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Papa parabeniza jovens que participarão da JMJ

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis blesses children from Ukraine at the end of his weekly general audience

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 23/01/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 23 de janeiro de 2023

  1. Francisco felicita os primeiros 400.000 inscritos na JMJ de Lisboa
  2. O Papa Francisco deverá viajar para Marselha (França) em 23 de setembro de 2023
  3. Cardeal Ambongo, o homem forte da República Democrática do Congo

1Francisco felicita os primeiros 400.000 inscritos na JMJ de Lisboa

Em uma mensagem de vídeo publicada em 20 de janeiro de 2023, o Papa Francisco disse estar “surpreso e feliz” por ver que 400.000 jovens já se inscreveram para a próxima Jornada Mundial da Juventude (JMJ) a ser realizada em Lisboa de 1 a 6 de agosto. Ele saúda a “sede pelo horizonte” que os anima e os incentiva a dizer “não às paredes” que se fecham sobre si mesmos.

O pontífice acredita que esta 17ª edição da JMJ é uma oportunidade para eles conhecerem muitas culturas de todo o mundo. “Alguns dirão: ‘Eu vou pelo turismo’… Mas o jovem que vem é porque no fundo tem sede de participar, de partilhar, de compartilhar sua experiência e de conhecer a experiência dos outros”, diz ele.

O Papa Francisco, que lançou o registro para a JMJ durante o Angelus em 23 de outubro, agradeceu às primeiras pessoas a se registrarem. Ele diz que quer que outros jovens, que têm até junho para decidir, se juntem a eles.

Com 400.000 jovens já registrados, a JMJ Lisboa já superou em muito a edição anterior, que foi realizada em 2019 no Panamá. Tinha havido pouco mais de 100.000 pessoas registradas para o evento no pequeno país da América Central. Três anos antes, em Cracóvia, por outro lado, 700.000 tinham se registrado para ir para a cidade de São João Paulo II. O número recorde de inscrições continua sendo a edição de 1995 em Manila, nas Filipinas, com 1,5 milhão de participantes.

2O Papa Francisco deverá viajar para Marselha (França) em 23 de setembro de 2023

De acordo com informações de I.MEDIA, o Papa Francisco visitará Marselha no sábado 23 de setembro de 2023. Quando contatada por telefone, a diocese de Marselha não fez comentários.

O Papa Francisco havia indicado em 18 de dezembro ao diário espanhol ABC que “talvez” ele fosse a Marselha em 2023 para uma reunião dos bispos do Mediterrâneo. Ele havia especificado que não seria em si uma viagem à França.

De acordo com nossas informações, esta viagem deve ser realizada no sábado, 23 de setembro. O Papa iria e voltaria durante o dia.

Esta visita faria parte das reuniões de bispos e prefeitos mediterrâneos que visam fortalecer a fraternidade e o intercâmbio entre os povos unidos pelo Mare Nostrum. Após Bari em 2020 e Florença em fevereiro de 2022, Marselha deveria ser a terceira cidade a sediar este encontro.

Presente em Florença junto com cerca de 150 prefeitos e bispos da bacia do Mediterrâneo, o prefeito de Marselha, Benoît Payan, disse que era a favor de sediar o evento, observou I.MEDIA. Perguntado em 17 de janeiro sobre a possibilidade de tal viagem, ele disse a I.MEDIA de seu orgulho de poder receber “com toda a probabilidade o Papa Francisco no outono”. Ele sublinhou a natureza profundamente multicultural e multirreligiosa de sua cidade.

3Cardeal Ambongo, o homem forte da República Democrática do Congo

i.Media – Defensor do Estado de Direito na República Democrática do Congo (RDC), o Cardeal Fridolin Ambongo também é membro do Conselho de Cardeais que assessora o Papa Francisco em sua reforma da Cúria Romana. Nomeado cardeal aos 59 anos de idade, ele se tornou uma figura de destaque no cenário da Igreja universal.

A chegada do Papa Francisco à sua arquidiocese de Kinshasa, 37 anos depois de João Paulo II, colocará a RDC no centro das atenções da mídia. Um sucesso para este cardeal que se tornou uma das poucas personalidades congolesas capazes de encontrar contatos internacionais para denunciar o caos que reina em muitas regiões do país.

“Ele veio às áreas remotas da minha diocese para medir a extensão dos massacres e depois voltou a Kinshasa para falar sobre as situações inaceitáveis que estamos vivendo”, lembra Dom Melchisédech Sikuli, bispo de Butembo-Beni, um território localizado no leste da RDC, no Kivu Norte. “Ele é uma figura importante para nós, alguém que sabe como falar e que conhece a realidade”, acrescenta ele.

A nomeação em 2020 do congolês para o “C8” do Papa Francisco foi um sinal claro da confiança do pontífice argentino neste homem que carrega com força a voz de seu povo ferido pela miséria – a antiga colônia belga foi classificada em 175 entre 189 no Índice de Desenvolvimento Humano 2020 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Único representante africano e único francófono presente, o Cardeal Ambongo ocupou o lugar deixado vago por seu antecessor em Kinshasa, o Cardeal Monsengwo, que morreu em 2021.

Uma personalidade franca temida por muitas figuras políticas, o cardeal africano juntou-se aos frades menores capuchinhos em 1981 e ali fez sua profissão perpétua seis anos mais tarde. Ordenado sacerdote em 1988, ele defendeu uma tese na Academia Alfonsiana em Roma sobre o tema: “A reabilitação do ser humano, a base do verdadeiro desenvolvimento no Zaire”. Por uma ética de desenvolvimento integral”. Um conceito que se tornaria predominante sob o pontificado de Francisco, que chegará ao ponto de forjar um “superdicastério” para o “Serviço ao Desenvolvimento Humano Integral”.

Em 2004, o Papa João Paulo II o nomeou bispo aos 44 anos de idade. Alguns o apelidaram então de “o bispo em uma motocicleta”, enquanto ele viajava por sua diocese de Bokungu-Ikela em sua moto. Nos anos 2010, ele se envolveu na comissão “Justiça e Paz” da Conferência Episcopal Congolesa, que é muito influente na RDC.

No início de 2018, ele foi nomeado bispo coadjutor de Kinshasa para apoiar o poderoso Cardeal Monsengwo, então prestes a partir, e preparar-se para assumir o cargo. Em novembro do mesmo ano, ele foi nomeado arcebispo da capital.

O Papa Francisco o elevou um ano mais tarde à dignidade de cardeal durante o consistório de outubro de 2019. Ele se tornou o quarto cardeal do Congo desde a independência, depois dos cardeais Malula, Etsou e Monsengwo. Na ocasião, ele confessou sua “surpresa” e considerou a decisão do Papa como um incentivo para a Igreja continuar sua missão como pastor que “dá voz a um povo sem voz”.

Para este filho de um seringueiro, a questão da justiça foi seu lema desde muito cedo. Em um país marcado pela miséria social, econômica e ecológica, este teólogo moral se distinguiu por sua luta contra uma casta política que, junto com as potências econômicas internacionais, está se apropriando da riqueza natural do país. “O Congo caiu nas mãos de bandidos”, denunciou ele durante a Noite das Testemunhas de 2019 organizada pela Ajuda à Igreja que Sofre em Paris.

Em vez de se colocar do lado dos “predadores” que exploram o país, “a Igreja escolheu ficar do lado de seu povo”, explica o alto prelado, seguindo as pegadas do Papa Francisco. Um discurso que reflete uma realidade na RDC, uma vez que a Igreja Católica compensa as deficiências do Estado. Metade das estruturas de saúde e educação do país é administrada pela Igreja.

Um “cardeal tremendamente inteligente que ama a política”

Um oponente ferrenho do regime de Kabila, Presidente do Congo de 2001 a 2019, ele se lançou na batalha por uma transição democrática quando este último quis concorrer a um terceiro mandato, o que é proibido pela Constituição. Reconhecido por sua firmeza, ele é um dos atores, com a Comissão de Justiça e Paz, dos acordos de passagem de ano de 31 de dezembro de 2016, organizando a transição política e a realização de uma eleição presidencial sem Joseph Kabila. Isto finalmente aconteceu no final de 2018. Mas nem tudo correu como a Igreja teria desejado.

Inicialmente, a instituição católica, que enviou 40.000 observadores para monitorar o bom andamento da votação, não reconhece a eleição de Felix Tshisekedi como presidente, alegando que o verdadeiro vencedor é Martin Fayulu. O arcebispo de Kinshasa condena uma “negação da verdade” e considera que Kabila nomeou Felix Tshisekedi como seu sucessor, embora ele tenha sido anteriormente um rival.

Vendo que as grandes potências ocidentais reconhecem Felix Tshisekedi, ele e os bispos da RDC são forçados a trabalhar com esta nova realidade. Entretanto, o Cardeal Ambongo recusou-se a comparecer a sua investidura. Escrevendo na revista L’Express, ele explicou: “Não posso, por um lado, dizer que as eleições foram fraudadas e, por outro, desfilar diante de meus concidadãos como se estivesse endossando o que acabou de ser feito. Desde então, a Conferência Episcopal tem estado em diálogo com o Presidente da República. Ele está lá, nós temos que lidar com ele”.

Decepcionado com esta transição fracassada, ele finalmente admite a necessidade de apoiar Felix Tshisekedi e ajudá-lo em seu governo, enquanto justifica a necessidade de a Igreja se erguer como um contra-poder. Apenas um ano após este episódio político, o novo presidente congolês visita o Vaticano para encontrar-se com o Papa Francisco e selar um acordo com a Santa Sé que reconhece o status da Igreja nos campos social, sanitário, educacional, econômico e pastoral.

“Durante anos, a Igreja Católica tem desempenhado um papel de liderança na vida política, social e cultural. Com a assinatura deste acordo, acredito que ele seja simbólico do que serão as relações entre a Igreja Católica e o Estado congolês a partir de agora”, o novo presidente saudou o microfone da Rádio Vaticano.

“O Cardeal Ambongo quer dar uma imagem clara de uma Igreja sentinela, no meio do povo, sem preconceitos, mas denunciando o que está errado, de todos os lados”, analisa um padre jesuíta da RDC que não hesita em inserir nesta “tradição de grandes cardeais africanos que defendem o povo: Tumi, nos Camarões; Sarah, na Guiné, etc.”.

“Ele é um líder nato, que tem uma autoridade natural espetacular, alguém que é tremendamente inteligente e que ama a política”, confidencia um diplomata que também o coloca na categoria de Monswengo e outras grandes figuras da Igreja na África. Se este aponta que o Cardeal às vezes pode ser “rude em certos aspectos”, o diplomata é categórico: “Se você tivesse um homem condescendente, em vez disso, seria um desastre”.

A inculturação do catolicismo na África

Sobre a questão da Igreja na RDC, o cardeal, classificado como conservador em termos de doutrina como a maioria dos prelados africanos, pretende prosseguir com a reforma destinada a cultivar a especificidade do catolicismo africano, ainda muito impregnado com a cultura eclesial importada pelos missionários europeus. Para ele, ser um bom cristão na RDC significa ser um bom africano e vice-versa.

Durante o sínodo de 2019 sobre a Amazônia, ele também falou do rito zairense como fruto da “inculturação” do Evangelho na África. Esta liturgia, tornada possível pelo Concílio Vaticano II, foi desenvolvida após duas décadas de trabalho e diálogo entre Roma e o episcopado zairense. Uma conquista única na Igreja Católica desde o Concílio Vaticano II.

Outra luta liderada por este discípulo de São Francisco de Assis é a proteção do meio ambiente. O Cardeal Ambongo está preocupado com a exploração desenfreada dos recursos florestais e mineiros em seu país e não hesita em denunciar as práticas das grandes empresas internacionais.

“As multinacionais podem ser um fator importante no desenvolvimento quando respeitam os direitos humanos e as normas ambientais, mas também podem contribuir para a miséria das populações envolvidas”, escreveu ele em 2020 em uma mensagem de apoio a uma ação da Suíça, intitulada “para multinacionais responsáveis”. Ele sublinha a “dívida ecológica” destas estruturas que “fazem fora de seus países o que não lhes é permitido fazer em casa”.

Esta luta, o Cardeal vem para se reportar ao Vaticano. Em dezembro passado, durante a última reunião do Conselho dos Cardeais para o ano de 2022, o Cardeal Ambongo, por exemplo, voltou aos trabalhos da COP27 no Egito.

No final, esta viagem do Papa Francisco será uma oportunidade para fortalecer a estatura nacional e internacional do cardeal que completará 63 anos em 24 de janeiro, e que ainda é muito jovem em comparação com a idade média dos eleitores cardeais de hoje, 72 anos. “Ele é sem dúvida uma grande personalidade africana. Quem sabe mundial”, diz uma fonte diplomática.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoJMJJovens
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia