Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 24 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Brasil: cardeal representa o Papa em visita a yanomamis

Pernas de uma criança yanomami desnutrida

MICHAEL DANTAS | AFP

Criança yanomami desnutrida recebe tratamento em hospital de Roraima

Reportagem local - publicado em 02/02/23

"Nós queremos ser solidários, são filhos e filhas de Deus, são pessoas que vivem em regiões distantes", afirmou o cardeal durante a visita

O cardeal e arcebispo de Manaus (AM), Dom Leonardo Steiner, foi a Boa Vista (RR) para demonstrar, em nome do Papa Francisco e da Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), solidariedade aos yanomamis diante da crise humanitária que esse povo indígena vem sofrendo.

O cardeal afirmou que o objetivo da visita foi “se encontrar com lideranças indígenas para um diálogo, para uma escuta, para assim podermos como Igreja ainda estarmos mais presentes”.

Durante a viagem, Dom Steiner também afirmou: “os motivos todos nós já sabemos, o porquê da desnutrição, mas em diálogo agora com algumas lideranças, nós percebemos que existem diversos elementos onde nós podemos dar a nossa contribuição, ajudar”.

Ele ainda reiterou: “nós queremos ser solidários, são filhos e filhas de Deus, são pessoas que vivem em regiões distantes, que são povos desassistidos pelo governo nos últimos anos e nós sabemos que a dificuldades que estamos a ver não é nova”.

A ação da Igreja

Na visita a Roraima, o cardeal Steiner destacou o trabalho da Igreja junto aos povos indígenas nos últimos anos, sobretudo através do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), que “durante muito tempo tem denunciado, tem falado, tem publicado inclusive relatórios e nós queremos, neste momento, mostrar a nossa proximidade, nossa solidariedade e vermos com os governos o que podemos fazer para que esses povos possam continuar a viver, mas possam especialmente viver e viver bem”.

Dom Leonardo colocou as lideranças indígenas a par do apoio do Papa Francisco, a quem enviará um relatório de sua visita. As lideranças, por sua vez, reconheceram o apoio histórico da Igreja Católica aos povos indígenas.

Segundo as organizações indígenas, boa parte do povo yanomami está morto espiritualmente por causa da destruição da floresta, dos assassinatos e ataques de todo tipo que sofrem, além de humilhações, estupros, roubo de crianças e suicídios. De acordo com os indígenas, tudo isso é consequência do garimpo, que levou 120 comunidades yanomamis a uma situação de grave calamidade.

Recentemente, a CNBB enviou R$ 350.000,00 para ajuda humanitária e emergencial ao povo yanomami. Os recursos serão administrados pela diocese de Roraima (RR) e destinam-se adquirir itens de alimentação, remédios e vestuário, além de custear o deslocamento e transporte aéreo e terrestre dos doentes.

A crise yanomami

Em janeiro de 2023, o Ministério da Saúde declarou emergência em saúde pública diante da necessidade de combate à desassistência sanitária dos povos que vivem no território yanomami e enfrentam casos de desnutrição severa, malária e infecção respiratória.

De acordo com o Ministério dos Povos Indígenas, 99 crianças do povo yanomami morreram em 2022 por desnutrição, pneumonia e diarreia. Para a pasta, as mortes aconteceram em decorrência do garimpo ilegal.

O ministério também informou a morte de 570 crianças pela contaminação por mercúrio, desnutrição e fome, mas não disse em que período os óbitos aconteceram.

Dados do governo confirmam 11.530 casos de malária em 2022 no Distrito Sanitário Especial Indígena Yanomami.

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia