Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Em Kinshasa, Papa evoca “genocídio esquecido”

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-meeting-with-young-people-and-catechists-at-Martyrs-Stadium-in-Kinshasa-AFP

TIZIANA FABI | AFP

I. Media - publicado em 02/02/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 2 de fevereiro de 2023
  1. Em Kinshasa, o Papa recorda o “genocídio esquecido” sofrido pela República Democrática do Congo
  2. Francisco reza pelos migrantes enquanto voa sobre o Saara
  3. Prêmio Zayed concedido à Comunidade de Sant’Egidio e a uma ativista queniana

1Em Kinshasa, o Papa recorda o “genocídio esquecido” sofrido pela República Democrática do Congo

Por Hugues Lefèvre, correspondente especial em Kinshasa – Para seu primeiro discurso na República Democrática do Congo, o Papa Francisco lançou um vibrante apelo contra a exploração da África por potências estrangeiras, na terça-feira. O Papa juntou-se ao Presidente Felix Tshisekedi na defesa da soberania congolesa contra os abusos dos países estrangeiros, mas ele pediu eleições “transparentes e confiáveis”, expressando sua firmeza diante de um presidente cuja eleição tinha sido contestada pela Igreja local. Vindo como um “peregrino de reconciliação e paz”, o Papa também lamentou a violência que está “devorando” a RDC com a indiferença da comunidade internacional, bem como o flagelo do trabalho infantil, do tribalismo e do proselitismo.

O Papa não esquivou suas palavras diante das autoridades da RDC reunidas no Palais de la Nation, em Kinshasa. Sem mencioná-los diretamente, o Papa Francisco criticou as forças que estão comprometendo a “integridade territorial” da RDC com “tentativas desprezíveis de fragmentar o país”. A RDC oriental está atualmente sob o jugo de várias milícias. A região de Goma foi ameaçada por vários meses pelo M23, um grupo armado composto principalmente por falantes ruandeses do norte do Congo e que pode estar sob as ordens de Ruanda.

Alguns minutos antes, em seu discurso de boas-vindas, o Presidente Félix Tshisekedi havia expressado sua tristeza pela existência na República Democrática do Congo de “uma zona em ruptura ds paz onde, além dos grupos armados, potências estrangeiras ávidas pelos minerais contidos em nosso subsolo estão cometendo atrocidades, com o apoio direto e covarde de nosso vizinho Ruanda”.

O presidente disse: “Graças à inação e ao silêncio da comunidade internacional, mais de 10 milhões de pessoas já foram arrancadas de suas vidas”, referindo-se às três décadas de guerra que afligiram a população congolesa.

“Mulheres inocentes, mesmo grávidas, são estupradas e estripadas, jovens e crianças são degoladas, famílias, idosos e crianças são condenadas ao cansaço e exaustão corajosos para sair de seus lares em busca da paz, por causa das exageros cometidos por esses terroristas a serviço de interesses estrangeiros”, disse o chefe de Estado.

O Papa também lamentou a atitude da comunidade internacional, que “quase se resignou com a violência” e “com o derramamento de sangue neste país”. “Devemos saber o que está acontecendo aqui”, insistiu Francisco, referindo-se a “milhões de mortes”. No leste do país, a longa presença das forças de manutenção da paz da ONU não ajudou a reduzir as tensões. Ali, insegurança, pobreza, fome, doenças e migração são a sorte de centenas de milhares de congoleses.

“Senhor Presidente, o senhor mencionou o genocídio esquecido que a República Democrática do Congo está sofrendo”, disse o Papa Francisco ao deixar seu texto, aos aplausos de cerca de 1.000 dignitários reunidos no Palais de la Nation.

“Tirem suas mãos da África”

Em um país envolto em violência, o papa de 86 anos denunciou vigorosamente o “colonialismo econômico” que sucedeu o “colonialismo político” na África e que ele disse ser “tão escravizador quanto”.

Ele insistiu: “tirem suas mãos da RDC, tirem suas mãos da África”, abordando “o mundo economicamente mais avançado”, um mundo que fecha “seus olhos, ouvidos e boca” ao drama da pilhagem do subsolo congolês. Em seu discurso, o Papa apontou o paradoxo de um país que abunda em recursos naturais, mas cuja população continua pobre – a RDC ficou em 175º lugar entre 189 no Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas de 2020.

Estas palavras ressoam como uma vasta economia subterrânea que se instalou no leste da RDC, onde grupos armados compartilham o território, ativados na sombra por potências vizinhas que então atuam como intermediários com o resto do mundo.

Em seu discurso, o Papa também condenou “o flagelo do trabalho infantil”, aqueles que trabalham nas minas e não podem ser instruídos. “Quantas meninas são marginalizadas e sua dignidade violada”, disse ele, insistindo na necessidade de investir na educação. “É o caminho do futuro, o caminho para a plena liberdade deste país”.

Um apelo para promover o Estado de direito

“O poder só tem significado se ele se tornar um serviço”, disse o Papa a uma audiência de líderes políticos. O chefe da Igreja Católica, que havia acabado de se encontrar com o Presidente Tshisekedi à porta fechada, lembrou os princípios básicos de um Estado governado pelo Estado de direito, onde os líderes devem se esforçar para promover “eleições livres, transparentes e confiáveis”.

Esta foi uma crítica a Félix Tshisekedi. Durante as eleições no final de 2018, a Conferência Episcopal do país, que havia enviado 40.000 observadores para garantir o bom andamento do escrutínio, não havia reconhecido a vitória de Tshisekedi. Posteriormente, a Conferência Episcopal, vendo as potências ocidentais validarem sua adesão à presidência, teve que aceitá-lo e trabalhar com o presidente.

Esta observação do Papa reforça a atitude dos bispos da RDC em relação ao governo. Também exerce pressão sobre o governo para garantir que as eleições sejam realizadas no final do ano civil, enquanto algumas vozes começam a prever um adiamento da votação, argumentando que a situação caótica no leste do país. Sem entrar em detalhes, o Papa criticou novamente a “corrupção”, a “impunidade” e a “manipulação de leis e informações”.

Contra o tribalismo e o proselitismo

Como ele fez durante sua viagem ao Quênia em 2015, o Papa pediu a rejeição do tribalismo que fragmenta a sociedade congolesa. “A teimosia de estar do lado do próprio grupo étnico […] alimenta espirais de ódio e violência”, advertiu ele. Anteriormente, ele havia advertido os cristãos – que estão em maioria na RDC – contra tais sentimentos “desumanos e anti-cristãos”. Em vez disso, o autor da encíclica Fratelli tutti sobre a fraternidade humana pediu-lhes que se acolhessem “como irmãos e irmãs da mesma família”.

A respeito do papel da religião no país, o Papa Francisco não se preocupou em denunciar a “agressividade” e o “proselitismo” de alguns deles. “Quando alguém chega a impor-se cegamente por truques ou pela força, destrói a consciência dos outros e vira as costas para o verdadeiro Deus”, disse ele.

Embora os católicos ainda representem quase 50% da população do país, as seitas evangélicas vêm ganhando terreno nos últimos anos. Os bispos católicos estão visando as “igrejas revivalistas”, que estão em forte competição com a comunidade católica.

Finalmente, o Papa não se esqueceu de mencionar o desafio ecológico que afeta o país e toda a África. “A RDC abriga um dos maiores pulmões verdes do mundo, que deve ser preservado”, explicou o chefe da Igreja Católica, enfatizando que a região precisa de saúde e modelos sociais que não respondam apenas às emergências atuais. Ele defendeu “estruturas sólidas e pessoal honesto e competente para superar os graves problemas como a fome e a malária, que impedem o desenvolvimento ao nascer”.

2Francisco reza pelos migrantes enquanto voa sobre o Saara

Por Hugues Lefèvre, correspondente especial em Kinshasa – No avião para a República Democrática do Congo, na terça-feira, o Papa Francisco dedicou um tempo de oração para os migrantes que estão indo para o Mediterrâneo e permanecem presos em acampamentos. O Papa Francisco também disse aos jornalistas que gostaria de ter visitado Goma, no leste da República Democrática do Congo.

A bordo do voo A359 da ITA Airways para Kinshasa, o Papa teve tempo para saudar os 75 jornalistas que o acompanhavam em sua viagem de seis dias à África. Enquanto o avião sobrevoava o Saara, ele propôs um tempo de silêncio para rezar pelos migrantes que estão indo para o norte para “buscar um pouco de bem-estar e liberdade”. “Tantas pessoas sofredoras que chegam ao Mediterrâneo e, depois de atravessarem o deserto, acabam em acampamentos (lagers). E aí elas sofrem”, disse o Papa.

Como ele fez durante sua viagem a Chipre e Grécia em dezembro de 2021, o pontífice novamente usou o termo “lagers” para se referir aos campos nos quais os migrantes permanecem. Na Itália, a palavra também é usada para se referir aos campos de concentração nazistas.

Desde o início de seu pontificado, o Papa tem prestado grande atenção ao destino dos migrantes. Em particular, ele dedicou a eles sua primeira viagem fora de Roma quando visitou a ilha de Lampedusa em 2013.

“Eu gostaria de ter ido a Goma”

Sofrendo de seu joelho, o Papa foi incapaz de honrar a tradição de ir até cada um dos jornalistas a bordo. Mas como fez em sua viagem anterior ao Bahrein em novembro passado, ele sentou-se em uma cadeira e deixou os jornalistas virem cumprimentá-lo pessoalmente por cerca de 30 minutos.

Ao microfone, o Papa tomou a palavra para dizer algumas palavras sobre sua viagem à África, uma viagem que deveria ter acontecido em julho passado, mas que foi adiada por razões de saúde e segurança. “Eu gostaria de ter ido para Goma, mas com a guerra não é possível ir para lá”, disse ele.

Na versão inicial da viagem à RDC, o chefe da Igreja Católica deveria fazer uma parada em Goma, uma cidade no Kivu Norte, no extremo leste do país, para celebrar uma missa em um acampamento para desabrigados e para encontrar vítimas da violência. Por razões de segurança, esta visita ao leste da RDC foi cancelada. Na quarta-feira, no entanto, o Papa se encontrará com uma delegação de vítimas do leste em Kinshasa.

3Prêmio Zayed concedido à Comunidade de Sant’Egidio e a uma ativista queniana

Por Cyprien Viet – O Prêmio Zayed 2023 é concedido conjuntamente à Comunidade de Sant’Egidio e à ativista queniana Mama Shamsa, anunciou na terça-feira o júri deste prêmio baseado nos Emirados Árabes Unidos, comemorando a assinatura do Documento sobre a Fraternidade Humana assinado em 4 de fevereiro de 2019 pelo Papa Francisco e o Grande Imã de Al-Azhar em Abu Dhabi. O prêmio será entregue no dia 4 de fevereiro de 2019, o 4º aniversário deste evento.

Para sua 4ª edição, o júri deste prêmio – que inclui personalidades muito ecléticas, como o Cardeal Tagle, o subsecretário da ONU Miguel Angel Moratinos e um ex-vice-presidente da Costa Rica – “escolheu os dois co-vencedores por sua contribuição à construção de um mundo mais pacífico e compassivo, através da promoção dos valores da fraternidade humana e seu exemplo inspirador de promoção da convivência pacífica”, diz uma declaração.

A Comunidade de Sant’Egidio, fundada por Andrea Riccardi em Roma em 1968, tem estado envolvida em ações humanitárias desde sua fundação, com escritórios de representação em 73 países da Europa, África, Estados Unidos e Ásia. Ela foi premiada “por sua contribuição para o sucesso das negociações de paz e resolução de conflitos através da diplomacia religiosa e do diálogo intercultural, promovendo a paz em diferentes partes do mundo, da Guatemala a Moçambique”, diz o júri do Prêmio Zayed.

“É uma grande honra para Sant’Egidio receber este prêmio, que representa um forte incentivo para continuar seu compromisso com a fraternidade, a paz e o serviço ao povo mais pobre do mundo”, reagiu seu Presidente Marco Impagliazzo.

O Secretário Geral de Sant’Egidio, Paolo Impagliazzo, havia falado recentemente em uma entrevista sobre a mediação realizada por sua Comunidade para apoiar o processo de paz no Sudão do Sul. Ele estará presente em Juba para a visita do Papa Francisco, de 3 a 5 de fevereiro.

A outra ganhadora do Prêmio Zayed, Shamsa Abubakar Fadhil, conhecida como “Mama Shamsa”, foi premiada “por ajudar os jovens no Quênia e salvá-los da violência, do crime e do extremismo, dando-lhes conselhos, apoio e treinamento”. Ela é uma militante ativa para o avanço da mulher na África.

O primeiro Prêmio Zayed, em 2020, foi entregue pessoalmente ao Papa Francisco e ao Grande Imã de Al-Azhar Ahmed el-Tayyeb. Em 2021, o prêmio foi entregue ao Secretário Geral da ONU Antonio Guterres e Latifa Ibn Ziaten, uma mulher francesa de origem marroquina que está envolvida no diálogo inter-religioso desde a morte de seu filho Imad, um soldado morto pelo terrorista Mohamed Merah em 2012, no sul da França.

Em 2022, os destinatários foram o rei Abdullah da Jordânia e sua esposa, a rainha Rania, assim como a organização humanitária Fokal, que ajuda a população haitiana.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
ÁfricaDireto do VaticanoPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia