Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 12 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

A trágica, mas esperançosa, história do Comandante de Auschwitz

Rudolf Höss

Public Domain | Wikimedia

John Burger - publicado em 06/02/23

Rudolf Höss presidiu a morte de milhões de pessoas no infame campo de concentração nazista. Sua alma poderia ser salva?

Pode-se ser perdoado por acreditar que a consciência tinha morrido na Alemanha nazista? Os crimes contra a humanidade, incluindo o Holocausto dos judeus, foram a tal ponto que aqueles que os conceberam, planejaram e executaram devem ter sido demônios e não homens.

E ainda assim, a história de Rudolf Höss mostra que mesmo em meio ao frenesi da devoção aos ideais da Raça Ariana e da obediência cega às ordens, um lampejo de consciência persistiu, mantendo a esperança de salvação para pelo menos um dos capangas de Hitler.

Infelizmente, porém, muitos danos já haviam sido feitos quando Rudolf Höss reconheceu a luz de sua consciência. Ele havia construído o campo de concentração nazista de Auschwitz-Birkenau e servido como seu comandante. Um em cada seis judeus mortos no Holocausto morreu em Auschwitz.

Após ser condenado à morte pelo Supremo Tribunal Nacional na Polônia, Höss foi enforcado em 16 de abril de 1947. A justiça tinha sido feita, de acordo com a lei do homem. Qualquer que fosse a justiça que Höss enfrentou no além – e Deus é um juiz justo – ele mostrou arrependimento no final de sua vida e morreu na esperança de provar da misericórdia de Deus.

Uma vida de obediência

Nascido em uma família católica devota na cidade termal alemã de Baden-Baden em 25 de novembro de 1901, Höss foi batizado quando criança. Ele conseguiu ver a Igreja de perto quando estava crescendo. Os sacerdotes eram hóspedes frequentes na casa dos Höss, e o pai de Rudolf levou o menino para Lourdes e outros santuários europeus. Rudolf ia frequentemente à Confissão, e seu pai esperava que seu filho um dia se tornasse um padre.

Mas uma experiência de infância o deixou com uma profunda suspeita de padres e acabou levando-o a deixar a Igreja.

“Ao descer as escadas da escola com seus colegas numa manhã de sábado, ele empurrou acidentalmente outro menino, fazendo-o quebrar o tornozelo”, disse o historiador Pe. John Jay Hughes em uma palestra na Universidade de Seton Hall em 1998. “Rudolf foi punido com duas horas de detenção. Consciente como sempre, ele mencionou sua transgressão em sua confissão semanal no mesmo dia. Ele não relatou o incidente em casa, no entanto, não desejando “estragar o domingo para meus pais”, como ele escreveu.

“Na mesma noite, seu confessor, um bom amigo de seu pai, visitou a família”, continuou Pe. Hughes. “Na manhã seguinte, o pai de Rudolf repreendeu-o e o castigou por não relatar imediatamente o incidente de empurrão. Como o telefone da família estava fora de serviço, não havia outros visitantes e nenhum de seus colegas de classe morava na vizinhança, Rudolf concluiu que o padre deve ter quebrado o selo do confessionário. Minha fé na sagrada profissão sacerdotal foi quebrada, e as dúvidas começaram a se agitar dentro de mim”, escreveu Höss. Depois deste incidente, eu não podia mais confiar em nenhum sacerdote”. Ele mudou de confessor e logo deixou de se confessar completamente”.

Em 1922, ele se juntou ao partido nazista depois de ouvir Hitler falar em Munique. Uma dúzia de anos mais tarde, Heinrich Himmler, comandante das SS, convidou Höss a juntar-se a suas fileiras. Höss reverenciava Himmler.

O nome de Höss, a propósito, é pronunciado um pouco como “hearse”, sem o som r, mas ele não deve ser confundido com outro nazista proeminente com um nome semelhante, Rudolf Hess, o vice-führer de Hitler.

Subindo nas fileiras, Höss desenvolveu uma “confiança na retidão da causa [nazista] e um exterior gelado apesar das dúvidas interiores”, disse Hughes. Ele serviu nos campos de concentração de Dachau e Sachsen-hausen, e em 1940 foi encarregado de construir um novo campo em Auschwitz, na Polônia ocupada pelos nazistas. Hughes acredita que Höss agiu com base na ideologia nazista, tendo em vista a forma cruel com que os prisioneiros eram tratados. No entanto, ele cumpriu ordens de seus superiores e deu ordens aos subordinados para executar a visão de Hitler.

“Eu tinha que parecer frio e sem coração durante estes acontecimentos que despedaçam o coração de qualquer pessoa que tivesse qualquer tipo de sentimento humano”, escreveu ele mais tarde em suas memórias da prisão. “Frio, eu tinha que ficar de pé e assistir enquanto as mães entravam nas câmaras de gás com seus filhos que riam ou choravam… Eu nunca fui feliz em Auschwitz, uma vez que a aniquilação em massa começou”.

“Você nunca teve dúvidas de consciência?”, perguntou o promotor polonês Höss em seu julgamento.

“Sim, mais tarde”, respondeu Höss, “quando chegaram os transportes em massa – especialmente quando tínhamos que exterminar as mulheres diariamente”. Todos os envolvidos tinham a mesma pergunta não dita: Isto era necessário? Eles vieram até mim várias vezes e falaram sobre isso. Tudo o que eu podia fazer era dizer-lhes que tínhamos que cumprir ordens sem nos permitir nenhum sentimento humano”.

Ele também havia dito ao psiquiatra penitenciário polonês que durante todos os anos de seu campo de concentração ele sentia que “algo não estava certo”. Apesar de continuar acreditando na ideologia nazista, ele disse: “Reconheço com certeza… que o abandono da moralidade estava errado, e também os crimes, o terror, a propagação do ódio. Eu sempre senti isso”.

Ele também disse: “Hoje eu percebo que o extermínio dos judeus foi errado, absolutamente errado”.

Cruzando caminhos com Karol Wojtyla

Após a derrota da Alemanha, Höss trabalhou em uma fazenda e evitou a captura por um tempo, mas em 11 de março de 1946, a polícia militar britânica o prendeu e ele foi levado a julgamento junto com outros ex-líderes nazistas. Ele reconheceu sua “responsabilidade total como comandante do campo” por tudo o que havia acontecido ali. Em 2 de abril de 1947, o Supremo Tribunal Nacional da Polônia o declarou culpado e emitiu uma sentença de morte. Höss foi transferido para a prisão de Wadowice, a cerca de 19 milhas de Auschwitz. Como sabem aqueles que conhecem a vida do Papa São João Paulo II, Wadowicw é a cidade polonesa onde, em 1920, nasceu Karol Wojtyla.

No dia em que chegou à prisão, Höss pediu para ver um padre. Um mosteiro carmelita próximo prestava assistência pastoral aos prisioneiros, mas nenhum dos frades era fluente em alemão, e Höss não falava polonês. Os carmelitas pediram ajuda ao pastor local, e ele, por sua vez, entrou em contato com o Cardeal Adam Stefan Sapieha, Arcebispo de Cracóvia. Sapieha, que tinha apenas meses antes ordenado o jovem Karol Wojtyla ao sacerdócio, providenciou que o Provincial jesuíta de Cracóvia, Pe. Władysław Lohn, um confidente próximo dele, fosse a Wadowice. Pe. Lohn visitou Höss em 10 de abril.

O Pe. Lohn havia servido como Provincial da Província da Polônia do Sul da Companhia de Jesus desde 1935. Durante a guerra, 27 jesuítas haviam sido encarcerados em Auschwitz. Doze deles morreram lá. O Pe. Lohn visitou os jesuítas presos em 4 de setembro de 1940.

Anos mais tarde, em sua visita à prisão de Wadowice, Pe. Lohn passou várias horas com Höss, que fez uma profissão formal de fé católica, retornando à Igreja que ele havia deixado um quarto de século antes. E, o que é importante, ele fez uma confissão sacramental. Pe. Lohn voltou no dia seguinte para dar comunhão a Höss, que – disse Pe. Hughes – “ajoelhou-se no meio de sua cela, chorando”.

Höss foi enforcado no dia 16 de abril de 1947 – no campo de concentração que ele havia construído. Ele deixou para trás uma esposa e cinco filhos, aos quais ele só podia deixar alguns conselhos de despedida. Em uma carta para seus filhos da cela na qual ele esperava sua execução, ele escreveu: “O maior erro de minha vida foi que eu acreditava fielmente em tudo o que vinha do topo, e não ousava ter a menor dúvida sobre a verdade do que me foi apresentado”.

Höss havia ignorado sua consciência. Ele exortou seus filhos a não fazer isso. “Em todos os seus empreendimentos, não apenas deixe sua mente falar, mas escute acima de tudo a voz em seu coração”, ele escreveu.

Tags:
GuerraHistóriaValoresVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia