Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 27 Março |
Bem-aventurado Francisco Faà di Bruno
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: “o mundo inteiro está em guerra; é uma autodestruição”, diz Papa

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Outside-the-cathedral-of-Juba-a-child-gives-the-Pope-a-banknote-Vatican-Media

© Vatican Media

I. Media - publicado em 07/02/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 7 de fevereiro de 2023

  1. O que o Papa disse no avião de volta de Juba
  2. Em seu retorno a Roma, o Papa Francisco reza em Santa Maria Maior
  3. Papa Francisco convida os católicos do Sudão do Sul a resistir à “fúria cega da violência
  4. A assembléia continental do Sínodo é aberta em Praga

1O que o Papa disse no avião de volta de Juba

Por Hugues Lefèvre: Bento XVI, uma viagem a Marselha combinada com uma viagem à Mongólia, uma visita à Índia, exploração da África… Durante 55 minutos, ao lado do Arcebispo de Cantuária Justin Welby e do Moderador da Igreja da Escócia Iain Greenshields, o Papa Francisco respondeu às perguntas dos jornalistas que o acompanharam em sua 40ª viagem ao exterior desde sua eleição em 2013.

Sobre a criminalização da homossexualidade

“Criminalizar pessoas com tendências homossexuais é uma injustiça”, respondeu o Papa Francisco a um jornalista que lhe perguntou sobre países onde a homossexualidade é proibida, incluindo o Sudão do Sul e a RDC. O pontífice, que já havia se pronunciado sobre este assunto em uma recente entrevista com a agência de notícias americana AP, estimou que 50 países se encontravam nesta situação hoje.

Esta criminalização da homossexualidade é um problema que não deve ser permitido passar, disse o Papa. “O Papa disse que condenar uma pessoa desta forma era um pecado, enfatizando que o Catecismo da Igreja Católica exigia que os homossexuais não fossem “marginalizados”.

Entretanto, o pontífice fez uma distinção entre “pessoas” homossexuais, que são “filhos de Deus”, e “grupos” que defendem os homossexuais. “Os lobbies são outra coisa”, disse ele.

Justin Welby concordou com o pontífice, lembrando que a questão tinha sido um dos pontos que tinham dividido sua igreja na última conferência de Lambeth, no outono de 2022. “Gostaria de ter falado tão eloquente e claramente como o Papa”, disse ele, assegurando-nos que pretendia citá-lo sobre o assunto no próximo sínodo da Igreja da Inglaterra em poucos dias.

Sobre Bento XVI e as tensões no Vaticano

Perguntado sobre as vozes críticas que se levantaram contra ele na Cúria desde a morte do Papa Bento XVI, o Papa Francisco criticou sua falta de “ética”. “Creio que a morte de Bento foi instrumentalizada por pessoas que querem acrescentar combustível ao seu próprio fogo”, disse ele.

“São pessoas de partidos, não da Igreja”, lamentou o Papa, sem citar nenhum nome. Ele lamentou a instrumentalização de “uma pessoa tão boa e piedosa, eu diria mesmo um ‘Santo Padre da Igreja'”, insistindo que Bento XVI sempre o apoiou quando o consultou, e que não houve “nenhum problema” entre eles.

Diante das críticas, o Papa expressou confiança de que “estas coisas vão cair”. Ele também insistiu que seu predecessor não era “uma pessoa amarga”.

O pontífice também relatou que depois de uma de suas declarações passadas em que disse ser a favor das uniões civis para homossexuais, uma pessoa “que se acredita ser um grande teólogo” tinha vindo a reclamar dele a Bento XVI. O Papa Emérito consultou então os teólogos cardeais que explicaram sua declaração, “e foi assim que a história terminou”, diz Francis.

Em uma viagem Marselha-Mongólia e uma visita à Índia

Perguntado sobre seus próximos destinos, o Papa confirmou que visitará Marselha em setembro – a data em consideração, confirmada pela assessoria de imprensa da Santa Sé, é 23 de setembro. Enfatizando seu desejo de visitar os “menores países da Europa” como prioridade, ele insistiu que, como em sua viagem anterior a Estrasburgo em 2014, seria uma viagem “a Marselha, não à França”.

O pontífice mencionou a possibilidade de que esta viagem pudesse ser acompanhada de uma viagem… à Mongólia! “Não está parado, é possível”, disse ele.

Finalmente, o Papa Francisco recordou sua visita a Jornada Mundial da Juventude em Lisboa em agosto próximo e anunciou que estava planejando uma grande viagem à Índia “no próximo ano”.

Sobre sua saúde

No final da conferência, o Papa respondeu a uma pergunta sobre sua saúde. Aos 86 anos, o pontífice argentino acaba de completar sua 40ª viagem ao exterior desde sua eleição em 2013. “Hierba mala nunca muere!”, respondeu o Papa, usando uma típica expressão espanhola. Sorrindo, Francisco admitiu, no entanto, que seu joelho continuava sendo um problema.

“Minha saúde não é a mesma que era no início do meu pontificado, meu joelho está me incomodando, mas estou avançando lentamente e veremos…” concluiu.

Durante sua viagem pela África, o Papa usou sua cadeira de rodas para se locomover. Como em suas viagens anteriores ao exterior, ele usou um elevador para entrar e sair do avião.

Em recente entrevista à agência de notícias AP, o Papa havia explicado que a diverticulose em seu cólon, pela qual ele foi operado em 2021, havia retornado. “Eu poderia morrer amanhã, mas tudo está sob controle”. Estou em boa saúde”, disse ele.

Sobre a Ucrânia, Vladimir Putin, e a autodestruição

“Estou aberto a uma reunião com os presidentes da Ucrânia e da Rússia”, disse Francisco, lembrando que tinha ido à embaixada russa na Santa Sé em 25 de fevereiro de 2022, o segundo dia da ofensiva russa na Ucrânia, para dizer que desejava “ir a Moscou para falar com Putin, enquanto houvesse uma pequena janela de oportunidade, para negociar”, explicou ele.

“Mas hoje, esta não é a única guerra: eu gostaria de ser justo”, disse Francisco, apontando para as situações dramáticas no Iêmen, Síria e Birmânia. “Há guerras que são mais importantes pelo barulho que fazem”, mas “o mundo inteiro está em guerra”. É uma autodestruição”, disse o Papa Francisco, convidando-nos a refletir “a sério”.

“Vamos parar a tempo. Como uma bomba pede outra maior, não sabemos onde a escalada vai acabar”, advertiu o pontífice com gravidade, sublinhando o contraste observado no Sudão do Sul entre o comportamento dos homens que vão para a guerra e o das mulheres que permanecem cuidando de seus muitos filhos. O Papa destacou “a força das mulheres”, prestando homenagem às freiras mortas na África.

Ele também disse que seu gesto em 2019, quando beijou os pés dos líderes do Sudão do Sul, foi um gesto espontâneo e irrefletido. “Eu era o instrumento de alguma força interior, não era uma coisa planejada”, disse ele.

Promoção da juventude e luta contra a exploração da África

O Papa Francisco denunciou mais uma vez a exploração da África pelas antigas potências coloniais, recordando seu encontro com as vítimas no leste da RDC. “Feridos, amputados, tanto sofrimento, tanta dor, tudo para tirar a riqueza”. Isto está errado”, disse ele. “A África tem sua própria dignidade, e o Congo tem um alto nível”, sublinhou o pontífice, lamentando a cobiça externa por recursos como o coltan e o lítio.

Ele enfatizou que “a venda de armas” é “a maior praga hoje”, porque este comércio “insemina a guerra dentro” dos países africanos. Perguntado sobre o tribalismo, ele reconheceu que cada um desses povos tem sua “própria história”, com “inimizades antigas, uma cultura diferente”. “Mas também é verdade que a competição entre tribos é provocada pela venda de armas”, disse o Papa Francisco, descrevendo a situação como “diabólica”. Ele também denunciou o drama das crianças-soldados.

Voltando ao seu recente diálogo via Zoom com estudantes africanos, o Papa elogiou esses estudantes, “de inteligência superior, muito, muito inteligente”, disse ele, vendo na juventude uma das “grandes riquezas” da África. “Devemos apoiá-los para que estudem e avancem, e devemos dar-lhes espaço, não fechar-lhes as portas”, insistiu ele.

2Em seu retorno a Roma, o Papa Francisco reza em Santa Maria Maior

Por Cyprien Viet: Como é costume no retorno de cada viagem apostólica, o Papa foi à Basílica de Santa Maria Maior para uma oração diante do ícone de Maria Salus Populi Romani no dia 5 de fevereiro, no final de sua viagem à República Democrática do Congo e Sudão do Sul.

O vôo da ITA Airways do Papa Francisco pousou no aeroporto de Fiumicino, em Roma, às 16.49h, menos de sete horas antes do horário previsto. Ele havia decolado às 11h56 de Juba, onde sua 40ª viagem apostólica terminou com uma missa celebrada diante de mais de 100.000 pessoas no mausoléu John Garang, antes de uma reunião final com o Presidente Salva Kiir no aeroporto internacional da capital do Sul do Sudão.

Esta tradicional visita à Basílica de Santa Maria Maior é uma tradição realizada regularmente pelo Papa Francisco no retorno de cada uma de suas viagens internacionais, desde a JMJ no Rio de Janeiro em 2013. Esta foi sua 104ª visita a esta grande basílica em quase 10 anos de pontificado.

Seu vôo de retorno, feito em conjunto com o primaz anglicano Justin Welby e o moderador da Igreja da Escócia Iain Greenshields, foi a ocasião para o Papa Francisco realizar uma conferência de imprensa, durante a qual ele voltou a vários assuntos sensíveis, notadamente a criminalização da homossexualidade na África, guerras, suas próximas viagens e sua relação com Bento XVI.

3Papa Francisco convida os católicos do Sudão do Sul a resistir à “fúria cega da violência

Por Hugues Lefèvre e Cyprien Viet: “Derrubemos as armas do ódio e da vingança e abraçemos a oração e a caridade”, exortou o Papa Francisco durante uma missa celebrada em Juba no dia 5 de fevereiro, o último dia de sua viagem pela África. Diante de quase 70.000 fiéis sudaneses do Sul reunidos no mausoléu John Garang, incluindo o presidente Salva Kiir, o pontífice argentino lançou um novo apelo para opor a lógica do perdão à da violência. A guerra civil que começou em 2013 já deixou mais de 400.000 mortos e 4 milhões de desalojados.

Na enorme esplanada em que fica a estátua de John Garang, o pai do jovem Estado fundado em 2011, muitos não dormiram na noite passada. “Cheguei aqui à meia-noite porque não queria perder isto”, diz Christopher Dominic. O residente de Juba, de 57 anos, lembra-se de João Paulo II em visita ao Sudão em 1993. “Mas ele ficou no norte e o povo do sul não pôde vê-lo”, explica o homem, feliz por ver “o Papa trazer a paz ao país”.

Poni Pamela Benjamin, que chegou ao mausoléu John Garang no dia anterior, estava no mesmo estado de espírito. A mãe de três filhos espera de todo o coração que as palavras do pontífice se repercutam em toda a sociedade. “Se não há paz, não há escolas e não há hospitais”. O Papa está vindo para nos salvar dos muros que construímos”, diz a mulher que foi particularmente tocada pelas mensagens de Francisco sobre as mulheres. “É importante que os homens daqui ouçam o que o Papa disse”, insiste ela.

No dia anterior, o Papa e o Arcebispo de Cantuária Justin Welby tinham feito apelos para proteger as mulheres contra abusos sexuais. O chefe da Igreja Católica havia até lhes dito que eles eram a “chave para transformar o país”.

Sob um sol que lutava para furar a nuvem de poluição no céu de Juba, o Papa Francisco fez sua entrada em um papamóvel, causando júbilo nas praças da esplanada.

“Vamos depor as armas do ódio”

“Nós, que somos o sal da terra, somos chamados a dar testemunho da aliança com Deus com alegria, com gratidão”, salientou Francisco em sua homilia, convidando os fiéis a “construir boas relações humanas, para evitar a corrupção do mal, a doença das divisões, a infâmia dos assuntos ilegais, a praga da injustiça”.

“Diante de tantas feridas, da violência que alimenta o veneno do ódio, da injustiça que provoca a miséria e a pobreza, vocês podem se sentir pequeno e impotente”, reconheceu ele, convidando os católicos a se identificarem com o sal que dá todo seu sabor aos pratos, embora pareça quase invisível. “Mesmo quando nossas forças parecem pequenas diante da magnitude dos problemas e da fúria cega da violência, podemos dar uma contribuição decisiva para mudar a história”, martelou o pontífice argentino.

“Demos as armas do ódio e da vingança e abraçemos a oração e a caridade”, perguntou Francisco, convidando-nos a superar “aquelas antipatias e aversões que, com o tempo, se tornaram crônicas e que correm o risco de colocar tribos e grupos étnicos uns contra os outros” e a “colocar sobre as feridas o sal do perdão, que arde mas cura”.

“Mesmo que o coração sangre por causa dos erros recebidos, renunciemos de uma vez por todas a responder ao mal com o mal”, implorou o Papa, pedindo aos sudaneses do Sul que irradiassem “a luz de Deus”, que se tornassem “luminosos”.

“Jesus te conhece e te ama”

“Antes de nos preocuparmos com a escuridão que nos cerca, antes de esperarmos que algo ao nosso redor se ilumine, devemos brilhar, iluminar com nossas vidas e com nossas obras as cidades, vilas e lugares que habitamos”, insistiu Francis.

“Esta terra bela e ferida precisa da luz que cada um de vocês tem, ou melhor, da luz que cada um de vocês é”, insistiu o chefe da Igreja Católica. Ele desejava ver o desenvolvimento das comunidades cristãs que dão testemunho do “Deus da paz” (Fil 4,9), o “Deus de quem vem todo o conforto” (2 Cor 1,3), mostrando que é possível “construir juntos um futuro reconciliado”.

“Jesus te conhece e te ama”, disse Francisco, prometendo: “Se permanecermos Nele, não precisamos temer, pois para nós também cada cruz se transformará em ressurreição, cada tristeza em esperança”.

4A assembléia continental do Sínodo é aberta em Praga

Por Anna Kurian: Cerca de 200 pessoas participaram do pontapé inicial da assembléia continental européia do Sínodo sobre o futuro da Igreja – a segunda etapa do grande projeto lançado pelo Papa Francisco em outubro de 2021 – durante uma missa celebrada em 5 de fevereiro em Praga. Os delegados, que vêm de cerca de 40 países, discutirão as questões levantadas pelas igrejas locais durante a primeira etapa e produzirão um documento final que será enviado a Roma.

A assembléia, que segue a primeira fase do Sínodo organizada a nível diocesano, foi aberta em uma igreja fria no mosteiro Premonstratense de Strahov, na capital tcheca. Em sua homilia, o Arcebispo Jan Graubner, de Praga, enfatizou que esta primeira etapa havia permitido a partilha de “tudo o que pesa ou prejudica muitas pessoas, o que elas precisam e o que querem mudar na comunidade eclesial”.

Durante quatro dias, de 6 a 9 de fevereiro, os cerca de 150 delegados, mais de um terço dos quais são leigos, de cerca de 40 conferências episcopais – incluindo Rússia, Turquia e Ucrânia – refletirão sobre o Documento emitido pela Secretaria Geral do Sínodo para esta etapa. O programa será alternado entre sessões plenárias e trabalhos em grupos linguísticos.

Ao final da reunião, em 9 de fevereiro, um documento final será emitido e aprovado pelos participantes. De 10 a 12 de fevereiro, os presidentes das conferências episcopais se reunirão então à porta fechada para refletir sobre este texto.

Convidados de umas vinte realidades eclesiais – como Charis, Sant’Egidio, o Caminho Neocatecumenal, a Comunidade de Taizé, Opus Dei, etc. – também estão participando desta assembléia, que está sendo seguida por cerca de 500 pessoas através de videoconferência. Entre os oradores: o Cardeal Jean-Claude Hollerich, relator geral do Sínodo, o Cardeal Mario Grech, secretário geral, e o Cardeal Marc Ouellet, prefeito emérito do dicastério dos bispos.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
ÁfricaDireto do VaticanoGuerraPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia