Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Ditadura da Nicarágua deporta 222 presos políticos, inclusive padres e seminaristas

DANIEL ORTEGA, DITADOR DA NICARÁGUA

AFP PHOTO / NICARAGUAN PRESIDENCY / JAIRO CAJINA

Daniel Ortega, ditador da Nicarágua

Francisco Vêneto - publicado em 09/02/23

Não foi confirmado se o bispo dom Rolando Álvarez está entre os deportados, que seguem para os Estados Unidos

A ditadura da Nicarágua deportou nesta quinta-feira, 9 de fevereiro, 222 presos políticos, incluindo padres e seminaristas.

Segundo o Tribunal de Apelações de Manágua, a deportação tem o objetivo de “proteger a paz, a segurança nacional, a ordem pública, a saúde, a moral pública, os direitos e liberdades de terceiros”.

Os deportados estão sendo levados para Washington D.C., capital dos Estados Unidos, cujo secretário de Estado, Anthony Blinken, divulgou comunicado a respeito:

“Os Estados Unidos dão hoje as boas-vindas a 222 pessoas que foram presas pelo governo da Nicarágua por exercerem suas liberdades fundamentais e que sofreram detenções injustas durante muito tempo. A libertação dessas pessoas, uma das quais é cidadã dos EUA, por parte do governo da Nicarágua, é um passo construtivo para enfrentar os abusos dos direitos humanos no país e abre as portas para um maior diálogo entre os EUA e a Nicarágua sobre questões de interesse. O evento de hoje é fruto de uma concertada diplomacia dos EUA e continuaremos apoiando o povo nicaraguense”.

Em sua sentença, o Tribunal de Apelações de Manágua descreve os deportados como criminosos que “violaram a ordem legal e constitucional, atentando contra o Estado da Nicarágua e a sociedade nicaraguense, prejudicando o interesse supremo da nação”.

Entre eles estão os padres Ramiro Reynaldo Tijerino Chávez, 50, reitor da Universidade João Paulo II; Oscar Benavidez Dávila, de 50 anos, pároco; Sadiel Antonio Eugarrios Cano, 35, ex-vigário da catedral de Matagalpa; José Luis Díaz Cruz, 33, vigário da catedral de Matagalpa; o diácono Raúl Antonio Vega González, 27; os seminaristas Melkin Antonio Centeno Sequeira, 23, e Darvin Esteylin Leiva Mendoza, 19; e o leigo Sergio José Cárdenas Flores, fotógrafo, de 32 anos.

O padre Oscar Benavidez Dávila havia sido condenado neste sábado, 4 de fevereiro, a 10 anos de prisão. Os outros padres e seminaristas tinham sido condenados nesta segunda, 6, também a 10 anos de prisão, pelos alegados crimes ​de “conspiração” e “propagação de notícias falsas”.

Segundo a agência ACI Prensa, especula-se que dom Rolando Álvarez, bispo de Matagalpa detido pelo regime da Nicarágua em agosto de 2022 e mantido desde então em prisão domiciliar, esteja entre os deportados, embora o seu nome não apareça na lista oficial. Ele teria sido retirado de casa por volta das 3h da manhã de hoje, pelo horário local. Outras fontes, no entanto, dizem que ele teria sido transferido para um presídio até o seu próximo julgamento, marcado para este 15 de fevereiro.

Cerca de 40 presos políticos estavam no presídio de El Chipote, um centro de tortura dos adversários do regime de Daniel Ortega. As informações são do jornal local La Prensa.

Tags:
ditaduraIdeologiaIgrejaPerseguiçãoPolítica
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia