Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Qual é a importância de ouvir com atenção?

Mowa ciała

Inside Creative House | Shutterstock

Marzena Devoud - publicado em 09/02/23

Na família, entre amigos ou no trabalho, como podemos aprender a ouvir a outra pessoa com atenção? Como dar-lhes toda a sua atenção? Depoimentos, conselhos e exercícios para dominar (finalmente) a arte de ouvir, o presente mais bonito que se pode dar a alguém

Todos sonham em ser ouvidos com atenção. Parece ser uma arte perdida em um mundo cheio de sons e ruídos e marcado, além disso, pelo medo do silêncio… Esta é pelo menos a observação de Kate Murphy, autora de “Tendez l’oreille” (Éditions JC Lattès) que, há alguns anos, lançou uma investigação sobre esta arte que foi abandonada. Enquanto em média somos capazes de dizer 125 palavras em um minuto (!), por que parece ser uma tarefa impossível para algumas pessoas ouvir atentamente os outros?

Anne, uma advogada de 39 anos e mãe de um menino de 5 anos, admite que tem dificuldade de ouvir atentamente seus parentes ou colegas. “Muitas vezes, sem interromper o discurso da pessoa por cortesia, finjo escutá-la balançando a cabeça de vez em quando, como sinal de compreensão”, diz ela à Aleteia. “Sim, sinto-me um pouco envergonhada, mas, como estou em uma maratona permanente, estou sempre atrasada, assim que alguém fala comigo, não consigo parar de pensar no trabalho que tenho que preparar para o dia seguinte, no que tenho que comprar para o jantar ou dizer logo depois”.

É impossível ouvir com atenção se você não tiver um mínimo de interioridade

Embora ela reconheça que isto não é “muito simpático” de sua parte, Anne está consciente de que está perdendo algo importante em suas relações com os outros. Para o padre Joël Pralong, autor de “Apprendre à écouter. La clé de nos relations avec les autres” (a ser publicado em 15 de fevereiro por Artège), há uma coisa essencial a entender: a escuta nasce do silêncio interior. “A dificuldade vem do fato de que temos medo de entrar em nós mesmos e, portanto, de entrar na escuta do outro”, diz à Aleteia. “Na verdade, é impossível ouvir atentamente se você não tem um mínimo de interioridade. Você deve primeiro verificar o que está acontecendo em seu próprio coração.

Uma marca de amor

MOTHER AND DAUGHTER

Porque ouvir com atenção é um sinal de amor. É provavelmente o melhor presente que você pode dar a alguém. De certa forma, é dizer a eles, sem dizer uma única palavra: “Vocês são importantes para mim. Esta é a experiência diária de François, 33 anos, diácono e enfermeiro em um hospital de Nantes. Quando um paciente vem até ele para confiar-lhe algo, ele percebe, com alguns anos de experiência, que no intercâmbio há muitas coisas que não foram ditas, muitas vezes ligadas ao medo do sofrimento ou da morte. “Ouvir atentamente meu paciente doente é, em última análise, tentar adivinhar o que eles não podem me dizer porque está além de suas forças”, observa ele.

Ouça o que a outra pessoa não está dizendo

A arte de ouvir é, portanto, ouvir o que a outra pessoa não diz… quando ela fala. “Gosto deste slogan: escute o que eu não digo. Num relacionamento de apoio, como no caso de François, quando uma pessoa vem para confiar-lhe algo, você tem que se fazer esta pergunta: o que realmente ouço do que essa pessoa está me dizendo? Quer você seja padre, cônjuge ou parente, é muito importante ouvir o que a outra pessoa não está dizendo”, enfatiza o religioso.

Uma cumplicidade afetuosa

Para ouvir bem, é preciso libertar-se de qualquer julgamento, mesmo que não seja expresso, pois ele afasta da verdade. Quando uma palavra expressa é percebida como um julgamento, ela congela a pessoa que está confiando. Isto acontece quando queremos dar uma resposta muito rapidamente, ou fazer um discurso moralizante.

Na arte de ouvir, é preciso primeiro sentir-se acolhido, amado e não julgado

Na arte de ouvir, é preciso primeiro sentir-se acolhido, amado e não julgado. “Tive um pai espiritual, um monge beneditino, que sabia ouvir sem nunca julgar”. Ele sabia como fazer boas perguntas. Um dia, um jovem lhe disse: ‘Vim para me despedir, decidi cometer suicídio’. Mas o religioso não disse nada. Ele simplesmente escutou com compaixão. E no final, ele mergulhou a mão em seu manto e tirou um rosário, dizendo ao jovem: “Vai, ele te protegerá. Esta presença e escuta atenta, desprovida de qualquer paternalismo, na verdade respeitava a liberdade do jovem garoto. Isto foi o suficiente para impedi-lo de agir. O monge não disse nada de especial”, diz o Padre Pralong.

Ouvindo “de dentro”

Nem sempre é fácil ouvir uns aos outros como uma família. A impressão de déjà-vu, de já ter ouvido, faz com que seja difícil ouvir ou se maravilhar com a outra pessoa. Como então podemos evitar ser contaminados pelo hábito ou pela indiferença? “O exemplo começa com o casal; são os pais que compõem a harmonia familiar, encorajando cada criança a tocar sua própria melodia. Daí a importância de escutar uns aos outros primeiro. Tudo é uma palavra, à espera de uma resposta. Na condição de nos escutarmos uns aos outros… em profundidade! comenta o Padre Joël. É esta escuta “de dentro” que gera as palavras certas que vêm a dizer de diferentes maneiras: “Eu te amo”.

Para aprender este “escutar de dentro” aqui estão alguns exercícios para praticar sem moderação:

  1. Decidir deixar para trás as caricaturas de “nós sabemos, eu sei como ele (ela) vai reagir”, para ouvir a outra pessoa, mostrando empatia e disponibilidade.
  2. Tome tempo para acolher as emoções, para nomeá-las, para formulá-las: “Sim, vejo que isso está afetando muito você, que você está com raiva… Se quiser, pode falar comigo sobre isso.
  3. Atrás de uma história confusa em uma criança, por exemplo, procure a pergunta real, a mensagem codificada. A mesma coisa com um adolescente, ouça o que eles não estão dizendo.
  4. Parar a discussão quando o tom subir para evitar que ela termine em gritos. E retomar mais tarde sugerindo que você escreva sua história e depois se sente para falar sobre ela. Em seguida, decidir ouvir a outra pessoa até o final de suas sentenças e sua história, sem interrompê-la.
  5. Controlar o fluxo de pensamentos, estando aberto aos sentimentos da outra pessoa. Não tenha medo de deixar pequenos momentos de silêncio tão calmos…
  6. Evite acusações que minam o debate desde o início. Em vez de acusar, permaneça em dúvida: “Sabe, quando você me disse isso ou aquilo, eu tive a impressão de que você estava com raiva de mim… que você estava tentando me culpar por algo…” “Certamente tomado pelo medo, eu não tinha certeza do que dizer…” “Eu tinha medo de que você dissesse algo… “Eu provavelmente estava com medo e interpretei tudo errado…” Esta introdução pacífica empurra a outra pessoa a compreender suas verdadeiras intenções.
  7. Reconhecer, agradecer, apreciar, dizer por favor… Muitas vezes os conflitos surgem da falta de reconhecimento.
  8. Use as três palavras mágicas sem restrições, como três condimentos essenciais em uma boa refeição: obrigado, por favor, desculpe.
  9. Faça um esforço para criar uma rotina diária, por exemplo, peça a seu parceiro que lhe fale de seu dia, mostrando interesse e escutando atentamente.
  10. A regra de ouro: fazer uma rotina de rezar juntos, mesmo em momentos de tensão. Se recitar uma oração for muito difícil, basta fazer um sinal da cruz ou abençoar a outra. Para convidar de volta para o casal o seu grande aliado: Deus.
Tags:
AmizadeCasamentoFilhosRelacionamentoVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia