Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 23 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O catolicismo na península arábica [ENTREVISTA]

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis audience February 08 2023 Paul VI Hall - Vatican

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 13/02/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 10 de fevereiro de 2023
  1. O Sínodo de Praga conclui com um documento “honesto”, diz o Bispo de Moulins-Beaufort
  2. O Papa presidirá a Missa de Cinzas na Igreja de Santa Sabina, a primeira desde 2020
  3. O dinamismo insuspeito dos católicos do Golfo – Entrevista com o Bispo Berardi, novo Vigário Apostólico do Norte da Arábia

1O Sínodo de Praga conclui com um documento “honesto”, diz o Bispo de Moulins-Beaufort

Por Anna Kurian, Praga: A assembléia sinodal européia que se realizou em Praga de 5 a 9 de fevereiro conclui com um documento “honesto” que reflete os intercâmbios dos 200 participantes, reconhece o bispo Eric de Moulins-Beaufort. O Presidente da Conferência Episcopal Francesa (CEF) conversou com I.MEDIA sobre o projeto de texto apresentado aos delegados dos 39 países representados na capital tcheca, sintetizando pontos de vista muito diversos.

O documento – ainda em fase de correção e elaboração – será então enviado a Roma para a continuação do Sínodo sobre o futuro da Igreja, aberto pelo Papa Francisco em outubro de 2021. Este texto, que não é programático, menciona os medos e dúvidas que foram expressos, entre o “risco de submeter-se ao espírito do mundo” ou de “diluir a doutrina”, e os chamados urgentes para acolher aqueles que se sentem “rejeitados”, como os homossexuais ou os divorciados casados novamente. Os editores ecoam chamadas para dar espaço às mulheres, incluindo o possível acesso ao diaconato, e para envolver mais os leigos, mas sem “substituir os padres”.

“Uma boa contribuição para o futuro”

Após a leitura na sala na frente de todos os participantes, o Arcebispo de Rheims concordou com a delegação francesa que o rascunho do texto era “muito honesto”. “Ela reflete muito bem o que foi dito, ouvido e conversado, nomeando todos os pontos de reflexão que ainda restam. É “uma boa contribuição para o futuro”, acrescentou o Bispo de Moulins-Beaufort, que lembrou que este documento não pretende ser “um documento final” do Sínodo, mas que o trabalho “ainda está por ser continuado”.

Como o Documento para a etapa continental produzido em novembro passado pela secretaria do Sínodo em Roma, este texto cita longamente as posições dos países. Para o Presidente da CEF, isto torna possível perceber “que certas exigências ou expectativas estão sendo feitas por vozes que não necessariamente esperávamos” e finalmente “entender que estamos convergindo para a mesma expectativa, mesmo se partirmos de pontos diferentes”.

Sem ignorar as “tensões” sentidas durante esses dias, a minuta convida à “confiança”. No entanto, nesta fase do Sínodo, o Bispo de Moulins-Beaufort acredita que ainda é “bastante confortável”. De fato, “não somos obrigados a tomar uma decisão sobre nada, portanto, isto nos dá muita liberdade para nos ouvirmos uns aos outros”. Nós realmente nos ouvimos uns aos outros, todos disseram o que queriam dizer”.

Embora a minuta do texto inclua a sugestão de se criar um sínodo continental a cada dez anos, o arcebispo fez algumas sugestões para este método, que ainda é experimental. Houve uma falta, provavelmente por causa do tempo, de um ou dois debates sobre o que havia sido dito”, disse ele. Por exemplo, lamentei que ontem, após ouvir os resultados dos vários grupos on-line [cerca de 500 pessoas participaram por videoconferência, nota do editor], não tenhamos tido tempo para discutir juntos os pontos que pareciam sólidos, ou mais discutíveis, etc. Pode ser interessante ter uma discussão mais detalhada dos resultados.

Respeito pelo Povo de Deus em sua diversidade

Agora, de 10 a 12 de fevereiro, o Bispo de Moulins-Beaufort refletirá sobre estes dias com os presidentes das outras conferências episcopais do Velho Continente. Embora as diretrizes para seu trabalho ainda não sejam precisas, os bispos “não tocarão neste texto”, ele nos assegura. “Não é uma questão de corrigir, se houver algo a dizer, será outro documento. Há muito respeito pelo Povo de Deus em sua diversidade, em sua variedade”.

Quanto ao futuro do Sínodo Europeu, o Arcebispo de Rheims deseja ver “uma única Igreja unida pelo amor de Cristo e o desejo de torná-lo conhecido”. É uma questão de “dizer um pouco mais juntos porque pensamos que Cristo é necessário no mundo de hoje”.

2O Papa presidirá a Missa de Cinzas na Igreja de Santa Sabina, a primeira desde 2020

Por Hugues Lefèvre : O Papa Francisco celebrará a missa da Quarta-feira de Cinzas em 22 de fevereiro na basílica romana de Santa Sabina, o Vaticano anunciou em 9 de fevereiro. No ano passado, o pontífice não pôde honrar esta tradição por causa da dor no joelho, nem em 2021 por causa da pandemia de Covid-19.

Depois de um hiato de dois anos, o Papa Francisco abrirá a Quaresma a partir do Monte Aventino, em Roma. Às 16h30 do dia 22 de fevereiro, uma procissão penitencial partirá da Igreja de Santo Anselmo – onde terá ocorrido um curto período de oração – em direção à Basílica de Santa Sabina, a cerca de 350 metros de distância.

Ali, às 17h, o Papa Francisco presidirá uma missa durante a qual abençoará e colocará as cinzas na testa dos fiéis. Durante esta cerimônia, o sacerdote traça uma cruz na testa do cristão com cinzas obtidas por queimar ramos abençoados no ano anterior, no domingo anterior à Páscoa. Ao mesmo tempo, o padre pronuncia as palavras: “Convertei-vos e crede no Evangelho”.

Dois cancelamentos

A última vez que o Papa Francisco chegou à Basílica de Santa Sabina – mantida pelos frades dominicanos desde o século XIII – foi em 2020, pouco antes da pandemia. Em 2021, ele celebrou a Missa das Cinzas na Basílica de São Pedro por causa das restrições ligadas à Covid-19.

Para a abertura da Quaresma em 2022, o Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin substituiu o Papa Francisco para celebrar a Missa em Santa Sabina. A Santa Sé havia indicado alguns dias antes que o pontífice estava sofrendo de problemas no joelho e que seu médico havia prescrito “um período de descanso”.

O Papa também havia cancelado sua presença, em 27 de fevereiro, na reunião em Florença dos bispos e prefeitos de todo o Mediterrâneo. Em maio de 2022, ele apareceu pela primeira vez em uma cadeira de rodas, um meio de locomoção que ele tem usado regularmente desde então.

Se a dor em seu joelho direito não desapareceu, o Papa Francisco parece estar em melhor forma do que nos meses anteriores. Na quarta-feira, durante a audiência geral, ele chegou caminhando alguns metros com a ajuda de sua bengala, três dias depois de sua viagem à África.

3O dinamismo insuspeito dos católicos do Golfo – Entrevista com o Bispo Berardi, novo Vigário Apostólico do Norte da Arábia

Por Cyprien Viet: Nomeado pelo Papa Francisco como Vigário Apostólico da Arábia do Norte em 28 de janeiro, Dom Aldo Berardi, um religioso trinitário de raízes familiares italianas, mas de nacionalidade francesa, será ordenado bispo em 18 de março no Bahrein. Quase três anos após a morte do Bispo Camillo Ballin, e após um longo período interino do capuchinho suíço Paul Hinder como Administrador Apostólico, o Bispo Berardi assumirá o comando de uma das maiores e mais complexas dioceses do mundo, passando por quatro países.

Algumas semanas antes de tomar posse, ele relembra sua experiência missionária no Golfo e a crescente visibilidade das comunidades cristãs na região, encorajada pelas visitas do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos e Bahrein, que melhoraram a visão da população muçulmana sobre a contribuição dos cristãos para o desenvolvimento desses países. Entrevista.

Qual foi sua experiência no Golfo antes desta nomeação episcopal?

Deixei Cerfroid, a casa original da Ordem Trinitária, em 1998 para ir ao Cairo, onde estudei islamologia e língua árabe com o objetivo de ir ao Sudão. Este projeto não se concretizou, mas cuidamos de um centro para refugiados sudaneses no Egito, com o nome de Santa Josefina Bakhita. A partir de 2003, comecei a fazer estadias curtas no Golfo, e depois me dediquei a ele em tempo integral a partir de 2006. Cuidei dos expatriados e das comunidades dispersas, que não tinham padre residente e não tinham acesso aos sacramentos.

Não era uma paróquia comum, e experimentamos uma Igreja subterrânea, restrita em suas expressões externas, mas viva. Foi uma área um tanto negligenciada, mas em conjunto com o bispo, Dom Camillo Ballin, pudemos acompanhar estas comunidades, estando sediados no Bahrein.

O Capítulo Geral da Ordem Trinitária autorizou esta nova experiência para nós. Tivemos uma presença histórica no Norte da África e no Oriente Médio, mas não no Golfo. Isto estava de acordo com nossa longa tradição de ajudar as comunidades cristãs em dificuldade. Continuei esta missão até minha convocação para Roma como Vigário Geral da Ordem Trinitária em 2019.

Quais são os contornos deste Vicariato Apostólico da Arábia do Norte, que é uma das maiores circunscrições eclesiásticas do mundo?

Antes de mais nada, é preciso ressaltar que falamos de um “vicariato apostólico” quando uma diocese não está totalmente formada e estabelecida, o que é o caso aqui, já que a população local não é cristã. Como Vigário Apostólico, serei o “Vigário do Apóstolo”, ou seja, o Vigário do Papa.

A Península Arábica está dividida em dois vicariatos: o sul inclui os Emirados Árabes Unidos, Iêmen e o Sultanato de Omã; o norte inclui Kuwait, Qatar, Bahrein e Arábia Saudita.

Isto representa um total de quatro países – com todas as dificuldades de vistos e viagens aéreas – e uma população de 40 milhões de habitantes, incluindo 2,5 milhões de católicos. Na maioria dos casos, eles são expatriados, não migrantes: não se espera que fiquem para toda a vida, já que sua presença está ligada a um contrato de trabalho limitado no tempo.

Quais são as principais diferenças entre esses quatro países em seu relacionamento com a minoria católica?

A maioria desses católicos vive na Arábia Saudita, onde formam uma igreja sem edificações. Neste reino, não há liberdade religiosa nem liberdade de culto, que são duas coisas diferentes: a liberdade de culto permite que os cristãos tenham suas igrejas, mas sem qualquer atividade externa, enquanto a liberdade religiosa implica a possibilidade de mudar de religião.

Os outros três países garantem uma forma de liberdade religiosa. A catedral do vicariato ficava antigamente no Kuwait, onde atualmente existem quatro paróquias. Mas as relações não são fáceis com as autoridades, com forte pressão fundamentalista.

No Qatar, a paróquia católica de Nossa Senhora do Rosário existe desde 2006, e foi construída com o apoio da Embaixada da França. Os vitrais franceses do século XIX foram até trazidos após um acerto diplomático. Outras igrejas estão sendo construídas para os maronitas e os malabares sírios. Há também igrejas para os ortodoxos e protestantes. Há limitações, um cuidado a ser mantido, mas uma vida cristã tem sido capaz de se desenvolver, notadamente em torno dos trabalhadores que foram muito comentados durante a recente Copa do Mundo.

Bahrein é uma monarquia sunita em um país com maioria xiita, com uma longa presença cristã: a paróquia do Sagrado Coração foi fundada há mais de 80 anos. A isto se soma agora a Catedral de Nossa Senhora da Arábia, construída no deserto, mas com a urbanização se desenvolvendo em torno dela. E desses quatro países, apenas o Bahrein teoricamente permite alguma forma de liberdade religiosa, embora qualquer conversão do islamismo ao cristianismo fosse reprovada.

Sua diocese é dedicada apenas aos católicos latinos, ou diz respeito também aos orientais em comunhão com Roma?

O vicariato tem jurisdição sobre católicos de todas as denominações: latinos, maronitas, melkitas, sírio-malabares, sírio-malankars… O fato de ter apenas um bispo permite que as autoridades identifiquem melhor seu interlocutor.

Atualmente temos apenas seis sacerdotes incardinados, mas um total de cerca de cinquenta sacerdotes estão a serviço dessas comunidades, incluindo capuchinhos, salesianos e, portanto, trinitários. As Missionárias do Verbo Encarnado chegaram recentemente e há duas congregações femininas: as Carmelitas Apostólicas, da Índia, que estão no Bahrein e no Kuwait, e as Irmãs de Nossa Senhora do Rosário, do Líbano, que estão no Kuwait. Outros estabelecimentos estão sendo estudados.

As diversas igrejas locais nos fornecem padres para ajudar seus fiéis, muitos dos quais vêm da Índia e das Filipinas. Atualmente, o vicariato conta com 11 paróquias.

A Arábia Saudita ainda é um caso especial, pois não existem paróquias oficialmente reconhecidas. Mas será que a abertura ao turismo ocidental também representa uma oportunidade para a Igreja?

Há um desejo de abertura. O país quer fugir de sua dependência do petróleo e diversificar seus recursos. Há muito potencial para o turismo, com caminhadas no deserto, passeios fabulosos, sítios arqueológicos, oásis, mergulho no Mar Vermelho… Mas até onde se pode ir respeitando a lei local, a lei muçulmana? Há atritos em certos círculos, a liberdade de culto ainda não está estabelecida, mas o país não quer mais se concentrar exclusivamente no turismo “halal”, ligado à peregrinação a Meca. As coisas vão, portanto, evoluir, mesmo que alguns permaneçam relutantes.

A visita do Cardeal Tauran, que veio à Arábia Saudita em 2018 para sua última viagem como presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso, mudou as coisas?

Sim, porque foi a primeira visita de um cardeal de Roma ao país onde ele pôde se encontrar pessoalmente com o rei. O Cardeal Tauran, com sua autoridade moral e personalidade, foi capaz de dizer coisas que nenhum embaixador ocidental se atreve a dizer. Ele falou diretamente sobre a liberdade religiosa. Este foi um grande momento para o país e para a região. Ele até conheceu muitos cristãos, no jardim da embaixada britânica, graças à gentileza do embaixador britânico que era, ele próprio, muçulmano, e ficou muito emocionado com isso.

Atualmente, há contatos ocasionais entre a Arábia Saudita e a Santa Sé, em vários fóruns. Os muçulmanos respeitam os crentes: o que eles não compreendem é o ateísmo e o secularismo, mas têm respeito pelos “homens de Deus” e pela hierarquia. Esperamos que estes contatos deem frutos.

As viagens do Papa Francisco a Abu Dhabi em 2019 e Bahrein em 2022 tiveram um impacto na visibilidade dos cristãos nos países do Golfo?

Sim, porque a visita de um líder religioso é sempre algo importante… e cria uma certa rivalidade entre os estados! Nos Emirados, há um verdadeiro impulso, especialmente com o projeto de uma “Casa de Abraão” que reúne as três religiões monoteístas. O documento de Abu Dhabi influenciará estas sociedades do Golfo a longo prazo, particularmente em termos de mudança de currículos escolares que têm uma visão negativa dos não-muçulmanos. Os países precisam se reajustar, pois a Internet e a televisão via satélite estão transformando a consciência das pessoas.

E no Bahrein, há uma verdadeira abertura que é também fruto da amizade entre o rei e o antigo bispo que morreu em 2020, Dom Camillo Ballin. Isto tornou possível a construção da catedral, e há um desejo de maior colaboração que deve ser acompanhado.

A visita do Papa ao Bahrein foi um grande evento para a comunidade cristã local, mas também para a população como um todo. A forte presença do cristianismo está agora associada à construção e ao desenvolvimento do país. Destacou o trabalho dessas pessoas que sofrem com sua desorientação e condições de trabalho às vezes difíceis.

Então as condições de vida dos trabalhadores e a defesa de seus direitos também fazem parte dos desafios do acompanhamento pastoral realizado pela Igreja local?

A situação varia de país para país, alguns são mais liberais que outros. Para nós, é difícil encontrar o equilíbrio entre a defesa dos direitos dos trabalhadores e o tato necessário para manter uma presença cristã junto às autoridades. Mas existe uma grande solidariedade entre os cristãos, com ajuda às famílias e programas para ajudá-los a encontrar trabalho.

Existe também uma grande miséria emocional entre esses trabalhadores, que muitas vezes estão “geograficamente solteiros” e separados de suas famílias por períodos por vezes muito longos. Isto tem repercussões sobre seus cônjuges e sobre os filhos que seus pais não veem crescer, mesmo que as tecnologias atuais facilitem a manutenção dos vínculos. Nestas situações particulares, para os católicos, a Igreja oferece um lugar de família, ela se torna uma espécie de “igreja de aldeia”, que mantém um senso de comunidade.

O aumento das escavações arqueológicas, que estão redescobrindo uma antiga presença cristã na Península Arábica, estão ajudando a tornar o cristianismo no Golfo mais conhecido?

Esta pesquisa arqueológica é uma bênção. Já durava há muito tempo, mas era reservada aos círculos de iniciados. Agora, essas populações estão interessadas em seu passado, na origem das tribos, da língua árabe, e não trazem mais tudo de volta ao nascimento do Islã, considerando que tudo o que existia antes fazia parte da “grande escuridão”.

A pesquisa nos permite redescobrir um mundo pré-islâmico com tribos pagãs, mas também tribos judaicas e tribos cristianizadas. Encontramos assentamentos cristãos, especialmente na costa da Península Arábica, com mosteiros antigos, igrejas antigas, catedrais. Houve ecos dessas comunidades cristãs em certos relatos do Profeta Maomé, mas agora elas estão sendo redescobertas e destacadas.

A França desempenha um papel fundamental nesta pesquisa, com suas habilidades científicas, com seus especialistas em árabe, em Sabaean… O sítio Nabataean de Al-‘Ula, na província de Medina, na Arábia Saudita, foi escavado por franceses que puderam organizar pesquisas também no Iêmen. É lindo ver estes arqueólogos percorrendo estes desertos e montanhas, com seus chapéus, tentando encontrar inscrições, epígrafes… Quando eles encontram orações cristãs, é comovente! Eles encontram cruzes, vestígios de uma vida cristã antes do Islã.

Para estes países também é importante e interessante apoiar esta pesquisa para compreender a origem do Islã e o desenvolvimento da língua árabe. Acho isto fascinante, porque se pode pensar que não há nada nestes desertos. Mas, pelo contrário, há muito! Por exemplo, existiam bispados, especialmente no Bahrein. Foi por ali que passaram os missionários que foram à Índia e à China.

Havia também santos locais, como Santo Arethas e seus companheiros, martirizados pelo rei judeu do Iêmen em 523. Inscrições no deserto referem-se a um Império Cristão no sul da Península. Quando foram expulsas, essas tribos cristãs passaram a fertilizar o Iraque. Este pequeno pedaço de deserto é, portanto, o portador de uma história rica e fascinante!

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoSínodoTerra Santa
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia