Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Desejar Deus, o único caminho da verdadeira felicidade

Woman happy sky

Pheelings media / Shutterstock

Marzena Devoud - publicado em 20/02/23

Ter apenas um desejo na vida, o de estar em constante comunhão com Deus, não é uma loucura reservada aos místicos? No entanto, cada pessoa sente dentro de si o desejo do infinito. Às vezes, sem saber como nomeá-lo, às vezes mantendo-o em silêncio, este desejo de Deus é o único caminho para a verdadeira felicidade. Entenda:

Um jantar como qualquer outro. As conversas são sobre trabalho, estudos ou escola para as crianças, viagens futuras. Cada convidado se lança em uma história que destaca, consciente ou inconscientemente, seu reinado sobre sua própria vida. Esta é a regra do jogo, todos a conhecem: você tem que mostrar que consegue, que decide, que controla sua vida com eficiência e sucesso. Caso contrário, você corre o risco de ser visto como um fracassado, uma pessoa irresponsável, ou pelo menos como alguém que tem a cabeça nas nuvens… Claro que nem sempre acontece assim, mas muitas vezes é difícil desistir da ideia deste reinado sobre a própria vida.

Desejar a Deus é deixá-Lo reinar em você

É um sinal dos tempos, de acordo com Denis Marquet, autor do livro “La prière ou l’art de recevoir” (Editora Flammarion). Ele explica que estamos vivendo em uma época que estabeleceu o reino do eu: “Toda nossa vida é uma luta pelo reinado do eu. De agora em diante, o ser humano quer ser o autor de sua própria história, ele se recusa a deixar alguém reinar sobre sua vida: ele quer reinar a si mesmo”, escreve ele. Uma concepção da felicidade que consiste em dizer a si mesmo: eu sou feliz quando tudo acontece como eu quero”. Mas este reinado do eu impede o reinado de Deus”. Enquanto que, continua o autor, “desejar a Deus é deixá-lo reinar em você”. É saber, com este desejo por Deus, o único caminho para a verdadeira felicidade”.

Reino do eu ou reino de Deus?

Quando os fariseus perguntam a Jesus quando viria o Reino de Deus, ele respondeu-lhes: “O Reino de Deus não virá de um modo ostensivo” (Lc 17, 20-21). “Não se trata de esperar pelo Reino, mas de permitir que ele venha, isto é, que se manifeste, agora”. Como podemos fazer isso? Conectando-nos com nosso eu interior”, enfatiza Denis Marquet em seu livro.

Há apenas uma coisa que pode impedir a manifestação do Reino de Deus: permitir que outra autoridade que não Deus reine dentro de nós

A chave, portanto, é afastar-se do mundo externo, aquele que cria nossas necessidades e projeções, e voltar-se para dentro. É ali, no coração do íntimo, que está o reino de Deus, onde reina o amor infinito. “Por esta razão, só há uma coisa que pode impedir a manifestação do Reino de Deus: permitir que outra instância que não Deus reine dentro de si mesmo”, continua o autor.

São Bernardo escreveu em seu Tratado sobre o Amor de Deus: “Deus fez de você um ser de desejo, e seu desejo é ele, Deus”. Ele foi inspirado por Agostinho, que definiu o desejo como “o profundo do coração”. Ao desejarmos a Deus, tornamo-nos capazes de ser realizados por ele. Deixar Deus reinar em um só leva à plenitude, à verdadeira felicidade.

Desejar Deus significa deixar de lado outros desejos?

É fascinante pensar que o desejo de Deus está inscrito em cada pessoa. O Catecismo da Igreja Católica abre com esta consideração:

O desejo de Deus é um sentimento inscrito no coração do homem, porque o homem foi criado por Deus e para Deus. Deus não cessa de atrair o homem para Si e só em Deus é que o homem encontra a verdade e a felicidade que procura sem descanso.

CIC, n. 27

Mas será que desejar a Deus significa deixar de lado outros desejos? Como não ter medo de deixar-se levar pelo desejo absoluto de Deus e, nesse processo, renunciar às outras coisas da vida, que também são desejáveis? Se o homem é “constantemente atravessado por múltiplos desejos, seu grande desejo fundamental é a sede de uma plenitude sem fim, mesmo que não saiba nomear esta atração irresistível”, Bento XVI respondeu à sua maneira durante a audiência geral de 7 de novembro de 2012, por ocasião do Ano da Fé.

Portanto, não é uma questão de renunciar aos desejos, mas de compreender e agir para que em cada desejo exista na realidade o desejo de Deus. “Buscai primeiro o Reino de Deus, e todo o resto vos será acrescentado” (Mt 6, 33). Desejar Deus é acessar a abundância e a graça. É receber seu amor infinito.

“Venha a nós Vosso Reino”, uma escola do desejo

A passagem “Venha a nós o Vosso Reino” no Pai Nosso é uma afirmação do desejo de Deus e de seu reino dentro de nós mesmos, com exclusão de qualquer outro poder. “Desejar o Reino de Deus é renunciar a todas as formas de poder que não sejam as de Deus”, diz Denis Marquet. Desejar Deus é então estar sempre pronto para um coração cada vez mais profundo com Ele”. Santo Agostinho descreve isso de forma admirável:

“Deus, ao fazer-nos esperar, amplia o nosso desejo; ao fazer-nos desejar, amplia a nossa alma; ao ampliá-la, Ele aumenta sua capacidade de receber”. Suponha que Deus queira enchê-lo de mel: se você estiver cheio de vinagre, onde Ele colocará o mel? O conteúdo do recipiente deve ser despejado, o recipiente em si deve ser limpo, deve ser limpo por meio de trabalho, por meio de fricção, para que seja capaz de receber algo mais. Deus fez de você um ser de desejo, e seu desejo é ele, Deus.

Assim, o desejo de Deus, este repouso em Deus, permite uma plenitude, a das duas radiações essenciais: a graça e o amor.

Tags:
AmorDeusFelicidadeVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia