Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 24 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O Papa Francisco e a valorização dos leigos

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-February-15-2023

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 21/02/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 21 de fevereiro de 2023
  1. O Papa Francisco e a valorização dos leigos
  2. Turquia, Síria, Ucrânia, Nova Zelândia… o Angelus do Papa
  3. Os canonistas contribuem para a evangelização, diz o Papa Francisco

1O Papa Francisco e a valorização dos leigos

Por Hugues Lefèvre: Em um longo discurso aos participantes de um congresso do Vaticano sobre a partilha de responsabilidades entre sacerdotes e leigos, o Papa enfatizou em 18 de fevereiro que a valorização necessária dos leigos não dependia de uma diminuição do número de sacerdotes nem de um desejo de responder às demandas. Para o Papa, ela se baseia em uma “visão correta da Igreja” na qual os leigos e os clérigos são investidos como batizados no serviço da missão.

No contexto do Sínodo sobre o futuro da Igreja, o Dicastério para Leigos, Família e Vida organizou um congresso internacional para os chefes das comissões episcopais para os leigos sobre o tema “Pastores e fiéis leigos chamados a caminhar juntos”. Mais de 200 pessoas – metade delas leigos – de todo o mundo vieram a Roma para o evento, que se realizou de 16 a 18 de fevereiro.

Durante a audiência, o Papa apresentou seu sonho de uma “eclesiologia integral” onde leigos e clero avançariam juntos e não de forma autônoma ou paralela.

A separação, a tentação “mais séria” do momento

Ele começou pintando um quadro sombrio de uma Igreja onde “clero separado dos leigos”, “pessoas consagradas separadas do clero e fiéis”, “fé intelectual de certas elites separadas da fé popular”, “Cúria Romana separada das Igrejas particulares”, “bispos separados dos sacerdotes”, “jovens separados dos idosos” ou “cônjuges e famílias pouco envolvidas na vida comunitária” e finalmente “movimentos carismáticos separados das paróquias”. Para o Papa, esta tendência é a tentação “mais séria” do momento.

Pelo contrário, trata-se de redescobrir uma unidade orientada para a missão. Para quebrar este sentimento de “classes” na Igreja, o Papa nos convidou a considerar cada um de seus membros não segundo seu título ou função, mas como uma “pessoa batizada”. Em seguida, ele assinalou que, no Novo Testamento, a palavra “leigo” não aparece. “Falamos de ‘fiéis’, ‘discípulos’, ‘irmãos’, ‘santos'”, observou ele.

Para ele, portanto, é necessário voltar às origens e ao essencial: “Somos batizados, cristãos, discípulos de Jesus”. Tudo o mais é secundário. Improvisando, o Papa fez a assembléia sorrir: “Mas, Padre, até mesmo um padre…”. – “Sim, isso é secundário” – “Até mesmo um bispo?” – “Sim, isso é secundário” – “Até mesmo um cardeal?” – “Isso é secundário”.

Os leigos não são “convidados”

Assim, o Papa quis encurtar os rumores de que o aumento do poder dos leigos era uma resposta às exigências do mundo contemporâneo. “A necessidade de valorizar os leigos não depende de nenhuma novidade teológica, nem mesmo de exigências funcionais ligadas à redução do número de sacerdotes; nem deriva de exigências categóricas destinadas a conceder “vingança” àqueles que foram marginalizados no passado”, afirmou ele, acrescentando que na verdade se baseava “numa visão correta da Igreja”. “Os fiéis leigos não são “convidados” na Igreja, eles estão em casa”, insistiu novamente, enfatizando também a importância de valorizar o lugar da mulher.

Em um segundo passo, ele detalhou os lugares onde deveria ocorrer a colaboração entre leigos e clérigos: catequese e formação, estrutura governamental, administração de bens, planejamento e implementação de programas pastorais, etc. Os leigos também deveriam ser capazes de “ajudar no acompanhamento espiritual de outros leigos e contribuir para a formação de seminaristas e religiosos”, listou o Papa Francisco.

Para estabelecer esta cultura, o Papa disse que os sacerdotes deveriam ser treinados a partir do seminário em colaboração diária e ordinária com os leigos. O desafio é que esta “comunhão viva se torne um modo natural de agir, e não um fato extraordinário e ocasional”.

2Turquia, Síria, Ucrânia, Nova Zelândia… o Angelus do Papa

Por Hugues Lefèvre : Durante o Angelus dominical, o Papa renovou sua proximidade com as populações síria e turca, já que o número de mortos do terremoto de 6 de fevereiro ultrapassa 44.000. Ele também teve um pensamento para a Ucrânia e a Nova Zelândia, recentemente atingidas pela passagem do ciclone Gabrielle.

“Estou pensando especialmente na Síria e na Turquia, nas muitas vítimas do terremoto”, disse o pontífice de 86 anos quase duas semanas após os dois terremotos que atingiram a região na noite e na manhã de 6 de fevereiro.

Na última quinta-feira, o Papa Francisco recebeu o novo embaixador turco na Santa Sé e expressou suas orações pelo “nobre povo turco”. A Santa Sé se mobilizou para ajudar as populações afetadas. Claudio Gugerotti, prefeito do dicastério das Igrejas Orientais, está no local até o dia 21 para expressar a proximidade do Papa e para se reunir com os bispos e operadores da Cáritas e outras organizações humanitárias.

O Capelão Apostólico do Papa, o Cardeal polonês Konrad Krajewski, também voou com alimentos. Em 16 de fevereiro, 10.000 artigos de vestuário térmico foram enviados de Nápoles para Iskenderun, Turquia, para ajudar as vítimas do terremoto que ficaram desabrigadas no meio do inverno.

O “querido povo ucraniano”

Menos de uma semana antes do primeiro aniversário da ofensiva russa na Ucrânia, o Papa também teve um pensamento para o “querido povo ucraniano” que sofre “dramas diários”. Todas as semanas, o Papa expressa sua proximidade com esta população afetada pela guerra.

Na manhã de sábado, em uma entrevista transmitida no canal italiano Canale 5, o Papa falou de sua tristeza ao encontrar crianças ucranianas que já não riam mais. “Elas são lindas, sim, mas não riem, elas perderam isso”, disse ele, referindo-se a uma visita ao hospital Bambino Gesù.

Sem especificar os países, o Papa teve um pensamento para “tantos povos que sofrem por causa da guerra” ou “pobreza e falta de liberdade”, bem como “devastação ambiental”.

Foi assim que ele confiou ao povo da Nova Zelândia, atingido nos últimos dias por um ciclone devastador.

O ciclone Gabrielle atingiu a Ilha do Norte em 13 de fevereiro, matando pelo menos 11 pessoas e deslocando cerca de 10.000. A tempestade afetou muitas infra-estruturas, privando milhares de habitantes da eletricidade e do acesso à água potável.

O Papa Francisco concluiu seus apelos pedindo aos cristãos que tivessem caridade “atenta” e “concreta” para todos aqueles que estão sofrendo.

3Os canonistas contribuem para a evangelização, diz o Papa Francisco

Por Hugues Lefèvre: “Em que sentido um curso de direito está ligado à evangelização”, o Papa Francisco perguntou aos participantes de um curso de formação jurídico-pastoral oferecido esta semana pelo Tribunal da Rota Romana em 18 de fevereiro. O Papa também enfatizou a necessidade de advogados que lidam com questões de nulidade matrimonial para dialogar com os envolvidos na pastoral familiar.

Durante a audiência, o Papa Francisco explicou que a lei da Igreja e a difusão do Evangelho não são duas realidades distintas. “Pelo contrário, é decisivo descobrir o elo que os une”, insistiu, resumindo seu pensamento: “nem lei sem evangelização nem evangelização sem lei”.

Ao desenvolver esta idéia, ele ecoou as palavras de seu predecessor Bento XVI, que havia dito em 2010 que “uma sociedade sem lei seria uma sociedade sem direitos”. Ele acrescentou: “O direito é a condição do amor”.

O pontífice argentino destacou então a diferença entre um sacerdote e um “clérigo de estado”. O primeiro é “um pastor do povo”, enquanto o segundo é “uma espécie de sacerdote da corte que cumpre uma função, mas não cumpre o direito do povo de ser evangelizado”.

“A oração é necessária para julgar bem”

É verdade que os juristas devem lidar com “normas, julgamentos e sanções”, mas este trabalho deve sempre colocar o povo no centro. Eles são “sujeitos” e não “objetos” da lei. Na Igreja, portanto, os juristas não podem reduzir seu trabalho a um “uso positivista” de normas canônicas para “buscar soluções convenientes para problemas jurídicos ou para tentar certos ‘equilíbrios'”.

Convidando-os a demonstrar “sabedoria”, a cultivar uma “capacidade de ouvir” e a rezar “para julgar bem”, o Papa Francisco quis evocar o caso de questões de nulidade do casamento, enquanto que na sala do Palácio Apostólico também estavam presentes cristãos envolvidos na pastoral familiar.

Ele saudou a crescente aproximação entre estes atores e os tribunais eclesiásticos. “Por um lado, uma pastoral integral da família não pode ignorar as questões legais relativas ao casamento”, disse o Papa, indicando que estes cristãos deveriam ser capazes de acompanhar e aconselhar casais em situações de crise. “Por outro lado, os profissionais dos tribunais nunca podem esquecer que estão lidando com questões que têm uma forte relevância pastoral”, lembrou ele novamente.

Ele finalmente os convidou a aplicar as normas da Igreja “na busca do verdadeiro bem do povo de Deus”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Direto do VaticanoleigosPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia