Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano – Abusos na diocese de Cracóvia: a atitude do cardeal Wojtyła

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Beatification-mass-of-late-Pope-John-Paul-I-Antoine-Mekary-ALETEIA

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 08/03/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 8 de março de 2023
  1. Abusos na diocese de Cracóvia: a atitude do cardeal Wojtyła
  2. Papa pede aos seminaristas que rezem mesmo quando é “enfadonho”
  3. O Papa Francisco recebe o novo embaixador de Moçambique

1Abusos na diocese de Cracóvia: a atitude do cardeal Wojtyła

Por Cyprien Viet: Um documentário transmitido na Polônia pelo canal privado TVN em 5 de março, assim como um próximo livro do jornalista holandês Ekke Overbeek, reacende a controvérsia sobre a atitude do Cardeal Karol Wojtyła, o futuro João Paulo II, em relação aos casos de padres da diocese de Cracóvia culpados de abuso sexual de menores. Em particular, o documentário destaca o caso de um padre que teria sido transferido para uma paróquia austríaca, com uma carta de recomendação do Cardeal Wojtyła, Arcebispo de Cracóvia entre 1964 e 1978, a seu colega em Viena, o Cardeal Franz König.

O Padre Stanisław Tasiemski, dominicano e vice-presidente da KAI, a Agência Polonesa de Informação Católica, dá sua opinião sobre estas acusações.

Você está surpreso com estas novas informações?

Algumas das acusações sobre a transferência de padres de Cracóvia para outras dioceses já foram noticiadas na mídia em novembro de 2022. Portanto, esta informação não é uma surpresa.

O bispo Oder, postulador da causa de canonização de João Paulo II, explicou que durante este procedimento todos estes problemas foram examinados juntamente com os arquivos da diocese e do Vaticano. Eles mostraram que o Cardeal Wojtyła tinha agido de acordo com a lei da época. No entanto, ele ficou limitado em suas ações porque não estava ciente de tudo, o que também foi visto no final de seu pontificado.

Os documentos utilizados pelo diretor deste documentário provêm principalmente da polícia secreta comunista. Alguns dos elementos que agora vêm à luz provêm de padres que haviam colaborado com a polícia secreta. Um dos acusadores é um padre que era conhecido por causar problemas nas paróquias. Ele não tem credibilidade. Portanto, é preciso manter distância das informações que são transmitidas com base nesta documentação.

Estes recursos do período comunista ainda estão sujeitos a instrumentalização e manipulação?

Sim, estes documentos devem ser sempre lidos de forma crítica. Será necessário algum tempo para um estudo aprofundado, para encontrar uma visão equilibrada e objetiva. Precisamos de fatos, não de emoções.

Agora, muitas pessoas querem que a Diocese de Cracóvia construa um dossiê para responder precisamente a estas acusações. O chefe dos arquivos da Cúria diocesana foi contatado a este respeito, mas não está claro qual é a posição do atual Arcebispo de Cracóvia sobre a questão da abertura dos arquivos.

O legado de João Paulo II está sendo cada vez mais criticado na sociedade polonesa?

Sim, porque a Igreja não tem apenas amigos, ela também tem inimigos. Se nos referirmos à razão, se estudarmos os textos de João Paulo II, só podemos nos espantar com a profundidade de seu pensamento. Mas ao jogar sobre o aspecto emocional, estes documentários podem seduzir aqueles que vivem longe da Igreja, que se distanciaram, mesmo que sejam batizados e se chamem católicos. Penso que os realizadores destes filmes estão se dirigindo a este público.

Durante seus mais de 15 anos como Arcebispo de Cracóvia, Karol Wojtyła estava especialmente interessado no cuidado pastoral da família, e foi um grande professor. Mas, em termos da administração de sua diocese, ele contava principalmente com seus colaboradores. O próprio Karol Wojtyła admitiu em uma entrevista que não era um bom administrador, mas tomou suas decisões colegialmente. Em uma grande diocese, não é fácil acompanhar todos os assuntos relativos aos padres [segundo o Anuário Pontifício, a diocese de Cracóvia tinha mais de 900 padres incardinados na época, N. do E.].

Hoje, como a Igreja polonesa adaptou seu sistema para lidar com os abusos, dadas as mudanças na lei canônica desejadas pelo Papa Francisco?

Eu acompanhei a conferência organizada em Varsóvia em 2021 para reunir os responsáveis pela luta contra os abusos nos países da Europa Central. Há um programa preciso que está sendo implementado em todas as dioceses e congregações religiosas.

Há um delegado em cada diocese para acompanhar o contato com as vítimas. Em minha própria comunidade dominicana, tivemos uma série de reuniões sobre nossa responsabilidade e como evitar crimes desta natureza. Portanto, a abordagem a estes fenômenos mudou muito.

2Papa pede aos seminaristas que rezem mesmo quando é “enfadonho”

Por Anna Kurian: O Papa Francisco exortou os seminaristas a permanecerem em oração diante de Deus mesmo quando é “enfadonho”. O Papa recebeu a comunidade do Seminário de Santa Maria da Diocese de Cleveland no Vaticano, no dia 6 de março do 175º aniversário de sua fundação.

Durante a audiência, o Papa se inspirou no grande Sínodo em andamento sobre o futuro da Igreja para exortar os seminaristas americanos a “ouvir”, especialmente “o Senhor”. Ele os convidou a “abrir espaço para o Senhor todos os dias”, e a “passar tempo com ele em oração, escutando-o em silêncio diante do tabernáculo”.

“Muitas vezes é chato ficar ali”, quando Deus “não fala”, o chefe da Igreja admitiu, aconselhando no entanto “a esperar”. Escutar “o que Ele quer lhe dizer” é “indispensável”, insistiu ele, “especialmente quando estamos diante de tarefas urgentes e difíceis”.

O pontífice de 86 anos também exortou os futuros sacerdotes a caminhar “com o rebanho”, e não “separados dele”. Caminhar com o povo significa “com todos”, enfatizou, não apenas com o grupo que “pensa como eu”. “Todos, […] não esqueçam esta palavra, todos, bons e maus, doentes e saudáveis, todos, sem excluir ninguém”, disse ele.

Finalmente, o Papa Francisco convidou os seminaristas a se entregarem “completamente a Deus e a seu povo santo, em amor celibatário e com um coração indiviso”. “A Igreja precisa de seu entusiasmo, sua generosidade e seu zelo para mostrar a todos que Deus está sempre conosco, em todas as circunstâncias da vida”, concluiu ele.

3O Papa Francisco recebe o novo embaixador de Moçambique

Por Camille Dalmas: O Papa Francisco recebeu Raúl Manuel Domingos, o novo embaixador moçambicano junto à Santa Sé, na manhã de 6 de março. O antigo combatente da resistência contra a ditadura comunista dos anos 1970-1980 e arquiteto do acordo de paz de 1992, apresentou ao pontífice suas credenciais.

Raúl Manuel Domingos nasceu em 1957 em Muratara, às margens do rio Zambeze, em um Moçambique ainda sob domínio português. Ele estudou engenharia e depois ingressou no trabalho nas ferrovias do país logo após a independência.

Depois de uma breve carreira como engenheiro, que o viu tornar-se chefe do departamento de projetos e manutenção portuária da Caminhos de Ferro de Moçambique, a situação política de seu país, mergulhado em uma terrível guerra civil desde 1977, levou-o a juntar-se à resistência em 1980. Ele decidiu juntar-se à RENAMO, uma entidade que lutava contra o partido comunista FRELIMO do ditador Samora Machel.

Raúl Manuel Domingos tornou-se secretário particular do presidente Afonso Dhlakama (presidente do país entre 1994 e 2018), e depois enviado especial à África do Sul, principal apoiador da RENAMO na época. Entre 1984 e 1989, ele foi encarregado de cargos de liderança provincial em um país ainda imerso em uma guerra sangrenta.

Entre 1990 e 1992, participou das negociações de paz moderadas pelo clero moçambicano, a Santa Sé e a Comunidade de Sant’Egidio – em particular na presença do atual Cardeal Matteo Maria Zuppi. Ele foi chefe da delegação da RENAMO que assinou o acordo de paz de 1992.

Membro do parlamento moçambicano de 1994 a 2003 dentro da RENAMO, ele fundou seu próprio partido em 2003, o Partido para a Paz, a Democracia e o Desenvolvimento. No entanto, ele perdeu as eleições presidenciais de 2004. Ele é membro do Conselho de Estado desde 2021.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Abusos SexuaisJoão Paulo IIPapa
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia