Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 30 Setembro |
Santo Ismidão
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Qual é a importância de pedir perdão e perdoar alguém que já morreu?

Pessoa em velório com flores

Ground Picture / Shutterstock

Marzena Devoud - publicado em 15/03/23

Por que pedir perdão ou perdoar uma pessoa falecida? Não é tarde demais? E como realizar este processo delicado mas essencial para deixar a pessoa ir para o além em paz ou para estarmos em paz nós mesmos?

Era uma manhã fria em fevereiro. Parentes, colegas e muitos amigos encheram uma pequena igreja parisiense para o adeus a Benedito, 58 anos, que havia morrido de câncer. Se este brilhante advogado, após o choque de saber de sua grave doença, tivesse se colocado em modo de combate contra ela, ele sabia intuitivamente que não lhe restava muito tempo para viver. Com Astrid, sua esposa e seus três filhos, todos eles se prepararam para o inevitável, tanto humana quanto espiritualmente. De fato, cada detalhe da missa fúnebre, que ele havia preparado cuidadosamente, parecia compor o credo pessoal de Benoît. Canções, leituras, orações comuns…”. Era uma forma de testemunhar sua fé e sua maneira de expressar sua expectativa do céu”, disse Astrid a Aleteia.

A graça do perdão

No início da missa, um monge próximo ao falecido revelou algumas de suas confidências. Entre elas, esta frase: “Eu rezo pela graça do perdão”. Pode-se perguntar por que a graça do perdão foi tão importante para Benedito. E por que o padre que celebrou a missa lhe pedira para aceitar a misericórdia de Deus por tudo o que ficou no silêncio, por tudo o que ficou em seu coração, por todas as coisas que ele não sabia como colocar diante de Deus?

No momento da morte, às vezes surgem dores e sofrimentos não ditos, mesmo que não sejam expressos

“No momento da morte, às vezes surgem dores e sofrimentos não ditos, mesmo que não sejam expressos”, explicou o padre celebrante em sua homilia. “Portanto, se você tem algo a perdoar ao falecido, ou um perdão a pedir, este é o momento de fazê-lo para deixá-lo ir em paz. Diga: eu te perdoo. Eu te deixo ir em paz. Se, por outro lado, você quiser pedir perdão, faça-o agora em seu coração. Diga: eu te peço perdão. Então ele pode ir em paz”.

Mariana, uma das amigas de Benedito, respondeu a este convite: “Fiquei muito zangada comigo mesma por não ter estado presente o suficiente com ele em seus últimos meses de vida. O medo da morte e também o medo de não conseguir encontrar as palavras me impediram de ir vê-lo, mesmo rezando muito por ele à distância”, confidenciou com emoção a Aleteia. “Então eu queria pedir perdão a meu amigo, em silêncio, apenas no meu coração”. No final da missa, eu me senti em paz. Havia uma paz interior e uma comunhão espiritual com Benedito. Era como se nossa amizade se tornasse mais bela. Era linda.

Dar o passo de perdoar ou pedir perdão é permitir que o defunto já tenha um pé na eternidade, onde não há mais ciúmes, rivalidades, injustiças ou intrigas

Na realidade, não era apenas bonito. Era divino. Pois dar o passo de perdoar ou pedir perdão abre o caminho do falecido para a vida eterna. Colocar-se na lógica da reconciliação é permitir que o defunto já tenha um pé na eternidade, onde não há mais ciúmes, rivalidades, injustiças ou intrigas.

“Quando se vai para o outro lado, tudo o que é humano é inundado pelo divino. Portanto, sim, se há um perdão a ser pedido a alguém, ou um perdão a ser dado a alguém, este é o momento de fazê-lo, de estar em paz e de deixar o falecido ir em paz”, explica Padre Paul Habsburg, da paróquia de Notre-Dame-d’Auteuil, em Paris.

O amor além da morte

Pedir perdão é um incrível presente que nossa fé nos permite fazer, disse Bento XVI em Spe salvi, sua segunda encíclica sobre a esperança cristã, publicada em 30 de novembro de 2007:

Às almas dos defuntos, porém, pode ser dado « alívio e refrigério » mediante a Eucaristia, a oração e a esmola. O facto de que o amor possa chegar até ao além, que seja possível um mútuo dar e receber, permanecendo ligados uns aos outros por vínculos de afecto para além das fronteiras da morte, constituiu uma convicção fundamental do cristianismo através de todos os séculos e ainda hoje permanece uma experiência reconfortante. Quem não sentiria a necessidade de fazer chegar aos seus entes queridos, que já partiram para o além, um sinal de bondade, de gratidão ou mesmo de pedido de perdão? 

(Spe salvi, 48)

Mas cuidado, o perdão não é uma emoção. O perdão não é um sentimento, é uma decisão de querer o bem de uma pessoa, viva ou morta. “É o bem que toca inteiramente a pessoa, o bem que lhe permitirá entrar no perdão de Deus”.

Perdoar o falecido não significa esquecer ou aceitar a injustiça. Significa permitir que ele chegue ao purgatório, que é o lugar da justiça em sua dimensão divina

“Perdoar o falecido não significa esquecer ou aceitar a injustiça. Perdoar é permitir que ele chegue ao purgatório, que é o lugar da justiça em sua dimensão divina. É na alma do defunto que a justiça é feita. Perdoar o falecido ajuda-o a crescer e ajuda-o em sua purificação”, explicou a Aleteia o padre Paul Denizot, reitor do santuário de Montligeon, na região do Perche da França, que se dedica a rezar pelas almas no purgatório.

Obrigado e perdão

Segundo ele, às vezes é preciso tempo para dar este passo. “Estou pensando em um pai cujas duas filhas foram mortas durante um ataque terrorista. Ele me disse que não podia perdoar mesmo que não quisesse (e não pudesse) viver com o sentimento de ódio. Na realidade, seu começo de desejo de um dia conseguir perdoar já é o perdão”, disse o padre.

No santuário de Montligeon, é possível escrever um cartão postal a uma pessoa falecida para agradecer e pedir perdão. Basta preenchê-la e colocá-la na caixa de correio localizada à direita da estátua de Nossa Senhora Libertadora. É por sua intercessão que todos podem então pedir a Deus que dê a conhecer o agradecimento ou o pedido de perdão dirigido ao falecido. Como uma mulher que, em sua carta, agradeceu a seu pai por ter lhe dado o dom da vida e o perdoou por ter sido maltratada por ele. “Suas palavras me comoveram e, ao mesmo tempo, me permitiram ver o poder do perdão e do amor quando ele toca a salvação e torna visível o amor divino”, conclui o padre Paul Denizot.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia