Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 25 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Gentileza, silêncio, humildade: 3 pilares na espiritualidade das Mães do Deserto

Mulher contemplando a natureza

Marvent / Shutterstock

Marzena Devoud - publicado em 21/03/23

Ao contrário dos Padres do Deserto, suas contrapartes femininas são injustamente esquecidas. No entanto, sua sabedoria continua sendo um imenso tesouro a ser explorado. Descubra os três pilares de sua espiritualidade

Livres, fascinados por Cristo, aspirando a um estilo de vida evangélico e conscientes de sua própria pequenez… Alguns deles tornaram-se famosos por sua grande sabedoria e santidade, tornando-se guias espirituais para alguns e professoras para outros. Embora tenha havido um renascimento de interesse pelas vidas e ensinamentos dos Padres do Deserto nas últimas décadas, suas contrapartes femininas permanecem nas sombras.

Entretanto, nas gravuras antigas que sobreviveram aos séculos, onde encontramos os ensinamentos de Antão, o Grande; Pacômio, o Grande ou Paulo de Tebas, os nomes de várias mulheres aparecem regularmente. Quem são elas?

Claramente, aqueles homens que, a partir do século III a.C., abandonaram a vida secular para embarcar na vida monástica nos desertos do Egito, Síria e Palestina, não estavam sozinhos. Como os eremitas masculinos designados pelo termo hebraico abba (pai), as mulheres chamadas amma (mãe), perseguiam uma vida monástica igualmente radical. Entre elas estavam três grandes figuras que, cativadas por Cristo, o seguiram, oferecendo-lhe suas vidas: Syncletica, Sarah e Theodora.

Segundo as Mães do Deserto, toda a vida delas é uma constante espera por Cristo e uma constante conversação com Ele

São mulheres que não têm medo de nada e que vivem uma relação mística “pessoa a pessoa” com Cristo. Segundo as Mães do Deserto, toda a vida é uma preparação para um encontro digno com Cristo. Para Amma Theodora é uma constante espera por Cristo e uma constante conversação com Ele. A contemplação da cruz de Cristo e seus sofrimentos se torna uma fonte de força.

A vida como uma vela no mar

Interiormente, em sua mente e em seu coração, o ser humano deve empreender e travar uma batalha espiritual. Se o lugar externo da luta é o deserto, a luta mais importante ocorre no coração. Esta convicção das Mães do Deserto é expressa por Amma Theodora, quando ela compara a vida à navegação no mar:

“Não pare no meio dos ataques do inimigo, ou sua paciência será arruinada. Além disso, para aqueles que vão para o mar, primeiro aproveitam um vento favorável e espalham suas velas, e depois são novamente confrontados com um vento contrário. Mas os marinheiros não abandonam o navio por causa de um vento acidental.Quando são atacados por uma tempestade, eles esperam um pouco e depois começam a navegar novamente. Da mesma forma, quando um vento de proa nos atinge, devemos desamarrar a cruz como uma vela e terminar a viagem sem medo. Aceitar as dificuldades e o sofrimento acaba se tornando a única maneira de encontrar Deus”.

(Gerontikon)

Segundo ela, a luta espiritual, na qual pode haver tanto fracassos quanto vitórias, não pode ser evitada. É a própria essência do ser humano. A maior tentação na vida espiritual seria, segundo as Mães do Deserto, fugir da tentação, evitar a dor. A guerra espiritual, embora ocorra com uma intensidade que varia nos diferentes momentos da vida, está ligada a uma vigilância que consiste em estar constantemente alerta, vigiando os pensamentos para lutar contra o diabo, que está sempre atento para arrastá-lo para o pecado.

“As pessoas que se consagraram a Deus nunca podem descansar sobre seus louros porque o inimigo, rangendo os dentes, está apenas esperando a oportunidade de atacá-las, ou seja, o momento em que tiram uma pequena soneca”, explica Amma Theodora (Meterikon 110).

Três pilares espirituais

Quais são então as três palavras-chave da espiritualidade das Mães do Deserto? Uma análise de textos antigos nos permite identificar os elementos-chave de sua espiritualidade: gentileza, silêncio e humildade. São a condição para a sobrevivência espiritual. Embora os caminhos para seu aprendizado possam ser muito diferentes, um mandamento de Deus conduz, segundo eles, à perfeição:

“O mandamento de Deus é: primeiro, gentileza; segundo, silêncio; terceiro, oração; quarto, leitura; quinto, lágrimas sinceras; sexto, lembrança de Deus e da morte; sétimo, humildade salutar” (Meterikon, 44).

Nesta cronologia de trabalho sobre si mesmo, gentileza e silêncio ocupam o primeiro lugar, pois são “a iluminação da alma”, “o companheiro que conduz à paz da alma”, “o resto dos pensamentos”, “o companheiro dos anjos”, “a alegria da alma e a alegria do coração”, “a sabedoria”. Finalmente, é onde “Cristo está”.

Quanto à humildade, “é impossível construir um navio sem um prego, então é impossível salvar-se sem humildade”, elas recomendam. Ou ainda: “Assim como não é possível ser uma planta e uma semente ao mesmo tempo, também é impossível, quando estamos rodeados pela glória do mundo, dar frutos celestiais”.

Esta prática ascética fundamental, com seus três pilares espirituais, é na verdade o único caminho que leva à interioridade. A única maneira de explorar as profundezas do próprio coração, e depois ir ao coração da própria vida. É simplesmente o único caminho que salva a alma porque leva à abertura a Deus e à contemplação de sua Palavra.

Tags:
IgrejaMeditaçãoOração
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia