Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 24 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Como saber em quem confiar?

Mulher confiante

By sun ok | Shutterstock

Benoist De Sinety - publicado em 27/03/23

Em quem podemos confiar, quando sentimos que as mentiras invadem toda a nossa existência?

Eu costumo cumprimentar um conhecido na Missa todos os domingos. Até onde eu sei, ele não é do tipo de lamentar e se debruçar sobre suas preocupações pessoais. Mas nesse domingo foi diferente.

Ao cumprimentá-lo, ele me assegurou que tudo estava indo bem com sua família e sua saúde. E então me disse: “Você sabe qual é a parte mais difícil?” Sua voz engasgou de repente e seus olhos entristeceram. Com meu olhar atônito, ele continuou: “O que é realmente difícil hoje é que não sabemos mais em quem confiar”.

Em quem confiar?

Isso diz tudo. Em apenas algumas palavras que, assim que são proferidas, se encontram experiências pessoais, desilusão, traição… Em quem podemos confiar? Dar a própria confiança não é pouco. Na verdade, é quase tudo. Na hipercomunicação que invade todo o espaço e substitui toda conversa, como não deixar que se desenvolva o sentimento de que as mentiras estão gradualmente tomando conta de todo o nosso ambiente?

Quando a mais leve declaração pública, política, artística e até mesmo religiosa parece ter sido concebida antes de tudo para produzir um efeito, em vez de transmitir informações. Quando a eficácia do recipiente é procurada com mais escrúpulos do que a verdade do conteúdo. Quando a própria articulação entre verdade e falsidade é diluída em nome da busca de resultados. Quando, finalmente, aqueles que prometeram sem vergonha, através de discursos ou compromissos solenes, mas se recusam a reconhecê-lo, traem a si mesmos. Então, sim, em quem podemos confiar?

Nossos “fariseus de hoje” só reconhecem a virtude utilitarista da moralidade

Uma era de desconfiança se abre, na qual as relações humanas estão sendo profundamente modificadas. De fato, a falsa publicidade na Internet engana até mesmo os mais sérios, e as seduções da teoria da conspiração vencem até mesmo os mais pragmáticos.

Assim, todos aqueles que têm responsabilidade por uma palavra, ou mesmo pela Palavra, se veem arrastados pelo descrédito geral. Deve-se dizer que eles são bem ajudados pela hipocrisia daqueles que “comandam como senhores” e colocam fardos sobre os ombros dos outros, fardos que eles não levariam por nada no mundo. Eles poderiam ser reduzidos aos fariseus do Evangelho.

Mas os fariseus eram homens obcecados por uma forma de rigor moral e legalista, que eles deveriam ter o cuidado de aplicar a si mesmos! Os “fariseus” de hoje só reconhecem a virtude utilitarista da moral: ela nos permite ser lembrados, abstendo-se de acreditar que o pregador deve primeiro se permitir ser convertido pela palavra que procura anunciar e explicar. A violência vence: é aquele que mais se queixa ou que afirma seus argumentos com mais força quem tem, cada vez mais, a última palavra.

O contágio da humildade

Numa época em que provavelmente nunca houve tantos desafios prodigiosos a serem enfrentados pelo homem e para ele, como podemos reconquistar essa confiança? Certamente não através do enésimo plano de comunicação! Mas confessando, cada um de nós, nossa infinita pequenez. Começando, cada um de nós, sem esperar que outra pessoa inicie este processo, que não é o arrependimento, mas a verdade. Sim, nós somos pessoas pobres, todos nós. Começando por aqueles que se levantaram, ou foram colocados, nos mais altos degraus das dignidades do mundo. Pobres, oprimidos por nosso desejo de fazer um bem que muitas vezes consideramos inalcançável, e propensos a cometer um mal que, no entanto, desaprovamos.

Esta é a única maneira de Deus preencher uma vida: aceitar o esvaziamento de si mesmo para se abrir na verdade a uma outra presença

Este contágio de verdadeira humildade não é um desejo piedoso. Lembro-me, como um jovem pároco, de ouvir os murmúrios de uma assembléia de pessoas “bem nascidas” aprovando gravemente as palavras proféticas do jesuíta Pierre Ceyrac, que lhes disse sem rodeios, enquanto chorava sobre si mesmo: “Somos tipos pobres”.

Que alguém o diga, com sinceridade, e muitos o reconhecerão. Tenhamos cuidado para não canonizar de repente esta ou aquela pessoa cuja vida nos parece ser exemplar, morta ou viva: os únicos homens confiáveis são aqueles que nunca renunciaram a ser estes tipos pobres, humildes e que não procuram entrar na história, sem esconder demais suas fragilidades e sua pobreza. Pois esta é a única maneira de Deus preencher uma vida: que aceite ser esvaziado de si mesmo para abrir-se em verdade a uma outra presença.

Tags:
ConfiançaValoresVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia